01. Prioridades Atuais

CONTEÚDO

 
APRESENTAÇÃO
Lição 1 – A ênfase no espírito

Lição 2 – Dois grandes inimigos: a passividade e a negligência

Lição 3 – Nossos alvos de crescimento

Lição 4 – O Dons: cobiçados e depois neglicenciado

Lição 5 – Fé e fidelidade

Lição 6 – Membros ministradores nas igrejas neotestamentárias

Lição 7 – Antegozar, apropriar, participar

Lição 8 – A bênção e a Bíblia

Lição 9 – Transformação e crescimento

Lição 10 – A Igreja em transição

Lição 11 – Bebês, criancinhas, crianças e filhos

Lição 12 – Avançando em meio à adversidade

Lição 13 – As grandes bênçãos são apropriadas, não conquistadas

Lição 14 – Este é o dia que o Senhor criou

Lição 15 – O poder e a presença de Deus

Lições especial para as crianças

Apresentação

2003

 

O apóstolo Paulo escreveu: A mim, não me desgosta e é segurança para vós outros que eu escreva as mesmas coisas. (Filipenses 3.1). A natureza humana, sendo o que é, torna necessária a repetição das verdades fundamentais. Paulo estava disposto a repetir as mesmas coisas muitas vezes para a igreja em Filipos, porque tal procedimento era segurança para ela.

As igrejas que experimentaram chuvas de bênção precisam ser continuamente recordadas das orientações proféticas que o Espírito Santo lhes deu. Precisamos ser exortados a despertar os dons que se tornam adormecidos por causa da passividade que é natural à natureza humana.

Por esta razão, importa que nos apeguemos, com mais firmeza, às verdades ouvidas, para que delas jamais nos desviemos. (…) …como escaparemos nós, se negligenciarmos tão grande salvação? (Hebreus 2.1,3)

As lições que se seguem contêm verdades bíblicas que devem nos despertar, levando-nos a enfatizar de novo a visão e a revelação que nos manterão avançando em nosso Deus. Se estas lições lhe parecerem ser redundantes, saiba que isto é segurança para você. Passividade e negligência são dois inimigos mortais de todas as operações do Espírito na Igreja.

Estas lições podem ser ministradas a todas as faixas etárias com zelo santo e inspiração renovada. Acenda um fogo por debaixo daqueles a quem estas lições forem ministradas, e depois encerre a lição com um período de ministração, ou de dedicação a um mover mais amplo do Espírito na igreja.

LIÇÃO 1 – A ÊNFASE NO ESPIRITUAL

No mundo moderno há tantas coisas a fazer e tantas coisas de que participar, que muitos crentes perderam a noção da importância da comunhão com o Senhor e da nossa dedicação a Ele. Aqui verificaremos as passagens bíblicas básicas a respeito do discipulado. Que esta lição possa ajudar cada pessoa a concluir o que é o melhor, e então sempre sacrificar o que é de menor importância em benefício do que é de maior importância.

I.  O que realmente é importante? Dê prioridade ao espiritual!

Mt 6.24-34.
A. Preocupe-se mais com seu serviço a Deus – v. 24.
B. Dê prioridade às coisas espirituais sobre as 
coisas materiais – vs. 25-34.

II. Para obter uma vida abençoada, dê prioridade às coisas espirituais acima das materiais! Lc 12.13-34.

A. A abundância de coisas materiais não produz uma 
boa vida – vs. 13-15.

B.  Eis aqui a história de um homem que era 
materialmente rico e espiritualmente pobre – vs. 16-21.

C. Dê alta estima às coisas espirituais, e as priorize 
sobre tudo o mais – vs. 22-34.

III. Lute pelo melhor! Mt 16.24-26.

A. O preço do discipulado em nossos dias não mudou!
Você investe sua própria vida na obra do Senhor
ou, pelo contrário, ela é virtualmente perdida.
Você está lutando pelos bens que perecem?
Jo 6.27.

IV. Deus não pode ter rivais em seu coração! Mt 4.8-11.

A. Nesta passagem Jesus Cristo nos dá o melhor exemplo de uma conclusão e de um julgamento corretos.

B.  Ele contrasta os reinos do mundo com a pura e verdadeira adoração a Deus.

C. Nós consideramos a pura adoração tanto quanto 
devemos?

Para discussão e dedicação:

O que você, pessoalmente, considera mais valioso e importante para sua vida, neste ano?

Que lugar devem ter, este ano, a oração e o jejum na  igreja?

Discuta o lugar da evangelização e do ministério de visita aos novos convertidos na igreja.

Que coisas devem ser enfatizadas este ano?

LIÇÃO 2 – DOIS GRANDES INIMIGOS: A PASSIVIDADE E A NEGLIGÊNCIA

Na vida moderna existem tantas exigências urgentes feitas quanto a nosso tempo e nossos recursos, que muitos crentes acham mais fácil negligenciar sua vida espiritual. Com o passar do tempo, tornam-se passivos naquilo que se refere às coisas de Deus. Que o Senhor, com esta lição, desperte cada coração!

I. O que importa é o que você faz com a sua luz! 
Mt 7.21-27.

A. O que você faz e o que você é falam tão alto que 
o que você diz não pode ser ouvido! – vs. 21-23.

B. Quem sobrevive é o praticante da Palavra! – 
vs. 24-27 (cf. Tg 1.25).

C. Será que estamos avançando em toda a luz 
(revelalão ou ensinamento) que já recebemos?

II.  O que acontece com a pessoa que não usa o que Deus
lhe deu? Mt 25.14-30.

A. Você crê que será julgado pela fiel mordomia exercitada com os dons do Espírito Santo que recebeu? com os talentos que Deus lhe deu? com as suas finanças?

B. Você está preparado para enfrentar esse julgamento? 
Tg 4.17. Como saem caros os pecados de passividade e negligência!

III. O que acontecerá se formos desinteressados ou negligenciarmos em ministrarmos aos membros necessitados do Corpo de Cristo? Mt 25.31-46.

A. Nosso Senhor Jesus nos julgará e nos retribuirá, de acordo com nossa ministração e serviço ao Seu rebanho; como se o tivéssemos feito a Ele! 
– vs. 40,45.

B. Não mostremos negligência em ministrar aos membros do Corpo de Cristo, nem que seja ao mais insignificante e menor deles. Hb 13.1-3,16.

IV. Prepare-se já para os ditosos dias que estão por vir! 
Se você for negligente, pode ser que, mais tarde, você não tenha outra oportunidade! Busque agressivamente aquela porção dobrada do Espírito Santo. Mt 25.1-13.

A. Não deixe a sua lâmpada se apagar! É provável que muitos crentes desinteressados acordem tarde demais para a sua necessidade – vs. 10-13.

B. Esaú percebeu tarde demais que bênçãos e privilégios enormes ele havia perdido. Mas então já era tarde demais para se arrepender, embora com lágrimas. Hb 12.14-17.

Para discussão e dedicação:

Quanta luz e bênção temos recebido! Se não andarmos com todo o coração nesta luz, o que nos acontecerá? Lc 12.47-48.

Amamos e servimos a nosso Senhor de todo o coração? 
Dt 6.5, Jl 2.12-13; Jr 29.13; Hb 6.4-8.

O que você está negligenciando em sua vida espiritual? 
1Tm 4.14.

Você acha que a igreja está desinteressada acerca de sua adoração, acerca de seu testemunho aos outros?

Lição 3 – NOSSOS ALVOS DE CRESCIMENTO

Vós, pois, amados, prevenidos como estais de antemão, acautelai-vos; não suceda que, arrastados pelo erro desses insubordinados, descaiais da vossa própria firmeza; antes, crescei na graça e no conhecimento de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo. A ele seja a glória, tanto agora como no dia eterno (2Pe 3.17-18).

Ou nos desenvolvemos, ou deterioramos! Isso é verdadeiro em nossa natureza física, mental ou espiritual. E também é verdadeiro em relação às igrejas[1].

Uma grande porcentagem de nosso povo é fisicamente indisposta ou realmente enferma. Essa situação não deveria existir, porque a medicina e as condições de alimentação nunca foram melhores do que hoje em dia. Dieta adequada, assistência médica e possibilidade de exercício físico estão à disposição da maioria das pessoas. Portanto, precisamos apreciar nossos privilégios e nos aplicarmos neles.

Uma situação espiritual semelhante de fraqueza e ineficiência existe nas igrejas. Nestes dias tão extraordinários, Deus está restaurando muito em relação às coisas espirituais, ao ensino e aos ministérios que abençoaram as igrejas apostólicas primitivas (At 3.19-21). Com esse ensino e ministério que nos é oferecido, devíamos ser muito mais amadurecidos e frutíferos, no serviço do Senhor, do que somos!

Que esta lição possa inspirá-lo a estabelecer alvos novos e eficientes para você mesmo, para sua família e para sua igreja.

I. Deus quer que Seus filhos cresçam! 1Pe 2.1-3.

A. O normal é que os novos convertidos tenham fome da Palavra de Deus e cresçam rapidamente! 
2Pe 3.17-18.

B. Quando os filhos de Deus não crescem… que tragédia! 
1Co 3.1-3.

1.Essa infância prolongada dos bebês espirituais é 
demasiadamente comum! Hb 5.12-14; 6.7-9,11-12.

II. Deus quer que a Igreja cresça espiritual e numericamente! Ef 4.11-16.

A. Que alvo Deus coloca diante de nós! 1Jo 2.12-14.

III.  Qual a medida da fecundidade e da eficiência da nossa igreja? Mc 4.1-20. Trinta, sessenta ou cem por um?

IV. Agora é a hora de tomar posse das promessas de Deus. 
Js 1.1-9.

A. Josué é um tipo da Igreja restaurada dos últimos dias.

V. Cresça! Alargue-se! Avance em Deus! Is 54.2-3.

A. O Reino de Deus crescerá. Mc 4.26-32.

VI.Prossiga para o alvo como Paulo fez. Fp 3.7-15.

Para discussão e dedicação:

Quais são seus alvos de crescimento?

Faça uma lista de seus alvos pessoais para o ano.

Agora faça uma lista dos alvos que sua família deve alcançar neste ano.

·Repasse essas listas em oração, e peça ao Espírito Santo para mostrar a você como alcançar estes alvos de crescimento.

Lição 4 – OS DONS: COBIÇADOS E DEPOIS NEGLIGENCIADOS

Porém o povo se tornou impaciente no caminho... E o povo falou contra Deus … a nossa alma tem fastio deste pão vil (Nm 21.4-5). O maná era a miraculosa provisão de Deus para o sustento do povo de Israel no deserto, mas, com o decorrer do tempo, ele se tomou tão comum para eles que não era mais apreciado.

Sempre existe a tendência da natureza humana depreciar as bênçãos que se tornam comuns. Sempre é possível que os dons e ministérios do Espírito Santo na igreja sejam tão profusos que cheguemos a não apreciá-los como deveríamos. Na verdade, os dons de Deus são, a princípio, cobiçados, mas depois, com o passar do tempo, são negligenciados e muitas vezes abafados. Aqui está uma lição para ajudar a manter o brilho, a manter a fluência!

I. Como podemos manter a fluência dos dons do Espírito 
na igreja?

A. 1Co 14.1,39; 12.31 – "Desejai ardentemente 
os dons espirituais".

B. 1Ts 5.19 – "Não apagueis o Espírito".

C. 1Ts 5.20 – "Não desprezeis as profecias".

D. Ef 4.29-32 – "Não entristeçais o Espírito".

E. 1Tm 4.14 – "Não te faças negligente para com o dom que há em ti".

F. 2Tm 1.6 – "Que reavives o dom de Deus que há em ti".

G. 1Co 4.1-2 – "O que se requer dos despenseiros é que cada um seja encontrado fiel".

II. Como podemos manter o brilho do Espírito? Ef 5.18-21; 
Cl 3.16-17.

A. Se formos cheios da Sua Palavra e tivermos um espírito reto uns para com os outros, e adorarmos e louvarmos ao Senhor com cânticos, manteremos o brilho!

III.  Salvaguardas bíblicas para nos mantermos no caminhocerto dos dons do Espírito. Jl 2.28-29.

A. É profetizado que a enunciação e revelação ungidas serão muito importantes no tempo do fim. Mas há um problema que muito freqüentemente ocorre quando uma igreja está adentrando nos dons de revelação: alguém pode ter um dom de profecia e alguns princípios de revelação, e pode ser tão zeloso em avançar nisso que começa a se destacar e assumir a função de um profeta. O dom de profeta é muito mais comum do que o ofício de profeta.  Paulo pergunta: 
"São todos profetas?" (1Co 12.29) – mas ousadamente assevera: "Todos podereis profetizar" (1Co 14.31).

B. Assim sendo, essas pessoas, ao começarem a funcionar em seus ministérios de revelação, devem ministrar sempre ao lado de um presbítero ou profeta que já esteja estabelecido no ministério. Não é bom que um ministério principiante dê sua palavra como sendo uma Palavra do Senhor sem submetê-la à confirmação. As pessoas que recebem a ministração têm o direito bíblico de recebê-la pela boca de duas ou três pessoas, não de uma só. Preste atenção nisto e receba-o como Palavra do Senhor, para guardar-nos de nos desviarmos do caminho. 1Co 14.29-30. Em tratando-se de profetas, falem apenas dois ou três, e os outros julguem. Que isto seja obrigatório para todos os ministérios de revelação, visto que é a Palavra de Deus.

C. Direção pessoal, orientação pessoal ou predição nunca devem ser dadas por um ministério na igreja sem o acompanhamento de outro presbítero, diácono, profeta, etc. Mesmo quando existe a palavra de sabedoria, ou um presbitério, não ministre sozinho. 
1Co 14.29-30; 2Co 13.1.

Para discussão e dedicação:

Quais os dons do Espírito que estão adormecidos na 
sua vida?

O que você vai fazer a esse respeito?

Você pode imaginar dons do Espírito adormecidos na igreja?

Você está disposto a jejuar e orar para que eles sejam novamente liberados?

Lição 5 – FÉ E FIDELIDADE

…devíeis, porém, fazer estas coisas, sem omitir aquelas! (Mt 23.23)

Ao proferir esta frase, Jesus estava falando acerca do modo como os fariseus pagavam seus dízimos. Ele os repreendeu por negligenciarem a justiça, a misericórdia e a fé, mas outorgou uma aprovação divina ao princípio de pagar o dízimo fielmente. Pagar o dízimo é reconhecer os direitos de Deus sobre um décimo de tudo o que Ele põe em nossas mãos. Deixar de fazê-lo é roubar de Deus o que pertence a Ele.

Roubará o homem a Deus? Todavia, vós me roubais e dizeis: Em que te roubamos? Nos dízimos e nas ofertas. Com maldição sois amaldiçoados, porque a mim me roubais, vós, a nação toda (Ml 3.8-9).

Ser fiel no dízimo é receber uma promessa desafiadora do Senhor.

Trazei todos os dízimos à casa do Tesouro, para que haja mantimento na minha casa; e provai-me nisto, diz o SENHOR dos Exércitos, se eu não vos abrir as janelas do céu e não derramar sobre vós bênção sem medida (Ml 3.10).

…cada um oferecerá na proporção em que possa dar, segundo a bênção que o SENHOR, seu Deus, lhe houver concedido (Dt 16.17).

No primeiro dia da semana, cada um de vós ponha de parte, em casa, conforme a sua prosperidade…(1Co 16.2)

Cada um contribua segundo tiver proposto no coração, não com tristeza ou por necessidade; porque Deus ama a quem dá com alegria (2Co 9.7).

Ao estudarmos esta lição veremos que a fidelidade nos dízimos e nas ofertas sacrificiais é o prelúdio de bênçãos maiores de Deus e de um ministério mais amplo para cada um de nós.

I.  O que Jesus Cristo ensina a respeito das nossas 
finanças? Lc 12.13-48.

A. Seja rico para com Deus! – vs. 13-21.

B. Onde está o seu tesouro? – vs. 22-34.

C. Esta é a hora de sermos fieis e dispostos! 
– vs. 35-40.

D. O seu futuro depende da sua fidelidade agora 
– vs. 41-48.

II. O segredo para obtermos maiores dons e maior ministério.

Lc 19.11-27.

A. Veja o que acontece com a pessoa que é diligente e fiel em tudo o que Deus lhe dá – v. 17.

Para discussão e dedicação:

Em que pontos um membro da igreja deve ser fiel?

Devemos vir à igreja mesmo quando não "sentimos" que devemos vir?

Nós contribuímos com alegria ou resmungando?

Nós contribuímos de vez em quando ou sistematicamente?

Lição 6 – MEMBROS MINISTRADORES 
NAS IGREJAS NEOTESTAMENTÁRIAS

…todo o corpo, bem ajustado e consolidado pelo auxílio de toda junta, segundo a justa cooperação de cada parte, efetua o seu próprio aumento para a edificação de si mesmo em amor (Ef 4.16).

O apóstolo Paulo revela que o objetivo dos dons ministeriais — apóstolo, profeta, evangelista, pastor e mestre — é o de ajudar a cada membro do Corpo de Cristo a amadurecer e ministrar aos outros membros do Corpo. Efésios 4.12-16. Ou seja, o propósito de Deus é que nós todos, numa igreja neotestamentária, sejamos membros ministradores e cooperadores. Os membros devem ter "igual cuidado em favor uns dos outros" (1Co 12.25-27). No tempo do Novo Testamento, os crentes se preocupavam em ministrar uns aos outros.

I. Os crentes são instruídos a ministrar uns aos outros e a chamar os presbíteros para ministrar a eles. Tg 5.13-19.

II. Paulo orava pelas igrejas, e sentia a responsabilidade de ministrar aos crentes. Rm 1.9-12.

A. Veja a íntima ligação entre o apóstolo e os crentes quando ministram juntos. Fp 1.3-11

B. Paulo honrava os servos do Senhor que se esforçavam  sobremaneira, continuamente, por vós, nas orações, para que vos conserveis perfeitos e plenamente convictos em toda a vontade de Deus. Cl 4.12.

III.  Os crentes ministraram em oração a Pedro. 
At 12.1-17 (v. 5).

IV. Paulo rogou ardentemente que os crentes orassem por ele. Rm 15.30-32; 2Ts 3.1-2; Ef 6.18-20; Hb 13.18-19.

V. Romanos 16 é um capítulo da Bíblia que menciona muitos  ministérios e sua obra.

A. Febe, "protetora de muitos" – vs. 1-2.

B. Priscila e Áquila, "os quais pela minha vida arriscaram suas próprias cabeças" – vs. 3-5.

C. Epêneto, "primícias da Ásia" – v. 5.

D. Maria, "que muito trabalhou por vós" – v. 6.

E. Andrônico e Júnias, "notáveis entre os apóstolos"
– v. 7.

F. Urbano, "nosso cooperador" – v. 9.

G. Trifena e Trifosa, "as quais trabalhavam no Senhor" – v. 12.

H. Timóteo, "meu cooperador" – v. 21.

Para discussão e dedicação:

À medida que o Senhor for restaurando às igrejas ao poder e ao padrão do Novo Testamento, haverá mais e mais ministração pessoal – na mesma proporção que os membros ministrarem uns aos outros no Espírito Santo.

Vários fatos importantes, já aprendidos, precisam ser enfatizados repetidamente. Cada crente precisa vencer qualquer resquício de egocentrismo e esforçar-se por ajudar seu irmão ou sua irmã no Senhor. Buscar um ministério de forma egoísta nem sempre é benéfico.

Cada crente precisa procurar as expressões para seu ministério na igreja local. Cada crente deve procurar contribuir para a vida e o poder da igreja local. Alguns membros sempre fazem parte do problema. Outros sempre fazem parte da resposta. De que lado você está?

Também existe o perigo de substituir a comunhão com Deus por um ministério pessoal. Algumas pessoas são sustentadas pelo que os outros ministram a elas, mas nunca aprendem a apropriar vida de Deus por si mesmas, nem a receber individualmente uma revelação de Deus. O ministério pessoal não deve prolongar a infância, mas promover a maturidade. O verdadeiro ministério espiritual ajuda o crente necessitado a se ajudar a si mesmo. A ministração pessoal pode ser recebida passivamente e ser de pequeno valor. Se quisermos tirar proveito da Palavra ou bênção que nos é ministrada, ela precisa ser recebida com uma fé agressiva.

Lição 7 – ANTEGOZAR, APROPRIAR, PARTICIPAR

O que o Senhor pode fazer por nós está além da nossa compreensão. As Escrituras nos comunicam o Seu desejo de fazer grandes coisas por nós.

Eis que eu sou o SENHOR, o Deus de todos os viventes; acaso, haveria coisa demasiadamente maravilhosa para mim? (Jr 32.27)

Invoca-me, e te responderei; anunciar-te-ei coisas grandes e ocultas, que não sabes.(Jr 33.3).

Ora, àquele que é poderoso para fazer infinitamente mais do que tudo quanto pedimos ou pensamos, conforme o seu poder que opera em nós, a ele seja a glória, na igreja e em Cristo Jesus, por todas as gerações, para todo o sempre. Amém! (Ef 3.20-21)

Nós devemos nos reunir na casa de Deus com os corações preparados para adorar, crer e receber de Deus. Será que o modo de nos aproximarmos de Deus nos cultos da igreja não tem sido muito descuidada, muito passiva? Como podemos justificar uma adoração com o coração dividido, quando o que Deus requer é: Amarás, pois, o SENHOR, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma e de toda a tua força(Dt 6.5)?

Antegozemos Sua presença e Seu poder! Apropriemo-nos de Suas promessas e de Suas bênçãos! Participemos de Sua unção e operação. Busquemos uma adoração mais profunda, bem como orações e ministração poderosas em nossos cultos.

I. Antegoze Sua presença e Seu poder!

A. Sl 95.2-5 – "Vinde à Sua presença".

B. Sl 95.6-8 – "Vinde diante Dele com adoração".

C. 1Jo 5.14-15 – "Ele lhe dará qualquer coisa que você pedir dentro da Sua vontade". Ao orar, antegoze o Seu poder.

D. Pense no que poderíamos receber num culto, se 
tivéssemos fé suficiente! Mt 21.18-22.

II. Aproprie-se de Suas promessas e bênçãos!

A. Jo 14.13-14 – vá até Ele para pedir e receber.

B. Jo 15.7 – peça-Lhe o que quiser.

C. Jo 16.24 – peça para que sua alegria seja completa.

III. Participe dos cultos pela unção de Deus!

A. 1Tm 4.13-14 – Gaste tempo lendo a Palavra,  exortando e ensinando. Não negligencie em usar o seu dom do Espírito.

B. 2Tm 4.2-4 – Pregue, reprove, repreenda, exorte.

C. Hb 3.12-15 – Cuidem do bem espiritual uns dos outros.

D. Hb 10.23-25 – Reúnam-se regularmente, exortem uns aos outros, estimulem-se ao amor e às boas obras.

Para discussão e dedicação:

Bendito o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, que nos tem abençoado com toda sorte de bênção espiritual nas regiões celestiais em Cristo… (Ef 1.3) Tanta coisa é nossa!

O que podemos fazer para nos apropriarmos de mais?

Pedi, e dar-se-vos-á; buscai e achareis; batei, e abrir-se-vos-á. Pois todo o que pede recebe; o que busca encontra; e, a quem bate, abrir-se-lhe-á (Mt 7.7-8).

Como podemos enriquecer e fortalecer a nossa adoração e a nossa oração?

Lição 8 – A BÊNÇÃO E A BÍBLIA

O poder e a autoridade para abençoar é um dos maiores privilégios que Deus restaurou à Sua Igreja. Não é de admirar que o povo de Deus espere, durante horas, num culto, para receber a bênção e a ministração pelas mãos dos presbíteros e demais ministérios da igreja.

A bênção recebida é tão importante quanto o ensino recebido. Sem que a bênção seja ministrada, o espírito e a mente da pessoa podem não estar abertos ou receptivos para o ensinamento.

E também, de um modo geral, as igrejas não estão preocupadas em abençoar as crianças e ministrar aos seus espíritos. Conseqüentemente, o período de ensinamento, muitas vezes, é desperdiçado, transformando-se num esforço vão. Enquanto o espírito humano não nascer de novo, ele não pode ver o reino de Deus (Jo 3.3). Portanto, regeneração e bênção devem preceder a instrução. Esta é a razão pela qual abençoamos as crianças e ministramos a elas tão freqüentemente.

I. Jesus comunicou bênção às crianças. Mt 19.13-15; Mc 10.13-16.

II. Jesus enfatizou a importância do nosso ministério às crianças. Mt 18.1-14. Compare com Mc 9.33-37 e Lc 9.46-48.

III.  Temos o duplo privilégio de sermos abençoados e
de abençoar nossas famílias.

A. Gn 12.2 – Abrão foi abençoado por Deus e transformado numa bênção: Te abençoarei... Sê tu uma bênção.

B. Gn 32.24-28 – Jacó foi abençoado por Deus e, por sua vez, abençoou suas gerações futuras. Gn 48.8-9,14-16.

IV.   Nos é ordenado criarmos e ensinarmos nossos filhos no Senhor. Dt 6.7; Pv 8.17; 22.6; Ef 6.4; Js 8.35 (note como as crianças foram ensinadas nos dias de Josué); 2Tm 1.5; 3.14-16.

V. Nos últimos tempos Deus promete abençoar nossos filhos. Is 28.9; At 2.38-39.

Para discussão e dedicação:

Com a bênção do Senhor sobre nós, os nossos filhos não precisam se tornar vítimas desta época pecaminosa. Discuta as bênçãos que sobrevirão à igreja que encarar seriamente a sua responsabilidade por suas crianças.

Nestes dias de Joel 2.28, quando nossos filhos e filhas profetizarão, seu filho precisa fazer parte de uma companhia apostólica. O interesse que os presbíteros têm no futuro de seu filho pode ser maior que o seu como pai.

Lição 9 – TRANSFORMAÇÃO E CRESCIMENTO

Nós lutamos, sonhamos e esperamos que as coisas sejam diferentes! E Deus promete, em Sua Palavra, que elas serão diferentes. Embora desejemos transformação e crescimento, algo bem dentro de nós luta contra esse desejo. Por natureza, nós somos tanto pioneiros quanto reacionários. Este tem sido o problema da religião organizada através dos séculos. Ela edifica os seus próprios muros e defende a sua fé, mas é reacionária a qualquer desenvolvimento ulterior. O maior inimigo da grande restauração que Deus está operando em Sua Igreja tem sido a própria igreja. Muitos dentre o povo de Deus têm perdido o espírito progressista dos peregrinos. Será que nós também o perdemos?

Nós precisamos estar dedicados à transformação, mas uma transformação que esteja no plano de Deus. Ou nós progrediremos, ou retrocederemos. Ou nós afundaremos, nos tornando membros da falsa igreja, Babilônia, ou nos elevaremos em graça até sermos um membro ativo do Corpo de Cristo, a Noiva adornada.

I. O profundo desejo de transformação.

A. Nós podemos – e precisamos – prosseguir até a perfeição! Hb 6.1.

1.O alvo que Deus tem em mente é a nossa maturidade espiritual. Ef 4.14-16; Rm 8.29. A maioria de nós deseja uma mudança das circunstâncias e das perspectivas,mas sem nos submetermos a qualquer transformação profunda. Se Deus mudasse suas circunstâncias sem mudar seu coração, isto poderia ser  desastroso para você.

2.O maior teste para o caráter de uma pessoa é mudar subitamente as circunstâncias de sua vida. Dê riquezas a um pobre, ou pobreza a um rico, e você verá o que realmente existe dentro dela.
Tg 1.9-12.

II. A transformação espiritual vem através de uma revelação do Senhor Jesus Cristo.

A. Moisés se transformou quando viu a glória de Deus. Êx 33.17-23; 34.29-35; 2Co 3.7-18.

B. Saulo de Tarso experimentou uma conversão instantânea, bem como uma transformação de coração, por ter contemplado o Senhor.
At 9.1-8, 20-22.

C. Zaqueu queria ver a Jesus e, por isso, foi transformado. Mudança instantânea é sempre uma possibilidade. 
Lc 19.1-10.

D. O crescimento que importa é o crescimento interior do  seu espírito. 2Ts 1.3-4.

III.  Problemas que impedem a transformação.

A. Vícios, medos e temores, sentimentos de insegurança quando a mudança ocorre, incredulidade, o apetite por coisas mundanas – todas essas coisas impedem uma efetiva transformação.

Para discussão e dedicação:

Como podemos mudar?

Transformando-nos pela renovação do nosso entendimento. Rm 12.1-2.

Uma dieta com a Palavra não adulterada proporciona crescimento eficaz. 1Pe 2.2.

Reunindo toda a nossa diligência podemos adquirir os atributos espirituais. 2Pe 1.8.

Uma revelação de Cristo Jesus acarreta em nós uma transformação em Sua glória. 2Co 3.18.

Lição 10 – A IGREJA EM TRANSFORMAÇÃO

As igrejas neotestamentárias deste grande mover de Deus na terra hoje são peculiares e raras, pois tudo e todos nelas estão constantemente mudando. Elas vibram com um espírito de transformação. Elas constantemente enfrentam os problemas que o crescimento e a transformação acarretam.

É fácil para um guarda de cemitério conservar ordem e silêncio. É muito mais difícil um guarda de parque infantil conservar em ordem um grupo de crianças cheias de energia e em desenvolvimento. Ele, certamente, não conseguirá mantê-las quietas e acomodadas.

Possa o Senhor dar-nos sempre os problemas de uma igreja em crescimento e transformação!

I. Precisamos ter o espírito de Abraão – o coração dos  peregrinos de Deus. Hb 11.16.

A. Abraão era um peregrino por vocação e também por opção.

B. Ele peregrinou na terra da promessa, habitando em tendas, sem domicílio fixo, sempre se movendo, mas posteriormente herdando tudo aquilo que seu pé pisou. Hb 13.14.

C. Na verdade, não temos nesta terra cidade permanente, mas buscamos a que há de vir.

II. Nas igrejas neotestamentárias, os ministérios estão  constantemente crescendo e se transformando. Os membros e ministérios estão subindo rapidamente a novos níveis de ministração, bem como a novas responsabilidades. Dons novos e crescentes, dados pelo Espírito Santo, trazem com eles nova autoridade e nova responsabilidade.

A. Entre os sete escolhidos para alimentar e cuidar das viúvas da igreja em Jerusalém, estavam Estêvão e Filipe. At 6.1-7.

1.Estêvão avançou tão depressa para um ministério de sinais e maravilhas, e a uma denúncia profética contra Israel, que foi martirizado. At 6.8-15; 7.54-60.

2.Filipe se tornou um dos primeiros grandes evangelistas da Igreja, ganhando para Cristo toda a cidade de Samaria, com sinais e maravilhas confirmando a sua pregação de Cristo. At 8.4-8.

III. Mesmo nas igrejas neotestamentárias, o povo todo está sendo transformado (ou pelo menos deveria estar!). Hb 5.12; 6.10.

A. A nossa visão deve ser sempre com vistas a uma participação maior no ministério do Corpo de Cristo, com vistas a uma maior frutificação.

Para discussão e dedicação:

Nos últimos dias veremos emergirem companhias apostólicas das igrejas neotestamentárias, desenvolvendo-se e avançando para novas áreas de ministério e responsabilidade no Espírito. Isso significará a transferência de muitas responsabilidades do apóstolo, do profeta e do pastor para os presbíteros e diáconos locais, ou seja, sobre quem realmente deveriam estar.

Nós precisamos de uma nova visão dos presbíteros e diáconos! Eles são os pastores e protetores do rebanho. Se somos dedicados a Cristo, precisamos também ser dedicados à Sua ordem e ao Seu plano para a Igreja!

Lição 11 – BEBÊS, CRIANCINHAS, CRIANÇAS E FILHOS

Filhinhos, eu vos escrevo, porque os vossos pecados são perdoados, por causa do seu nome. Pais, eu vos escrevo, porque conheceis aquele que existe desde o princípio. Jovens, eu vos escrevo, porque tendes vencido o Maligno. Filhinhos, eu vos escrevi, porque conheceis o Pai. Pais, eu vos escrevi, porque conheceis aquele que existe desde o princípio. Jovens, eu vos escrevi, porque sois fortes, e a palavra de Deus permanece em vós, e tendes vencido o Maligno(1Jo 2.12-14).

I. Bebê, filhinho, jovem ou pai espiritual – qual é a sua idade espiritual?

II. A imaturidade espiritual pode ser demasiadamente prolongada! Hb 5.12-14; 1Co 3.1-3.

III. O Senhor Jesus exaltado está concedendo ministérios para Sua Igreja para ajudá-La a crescer! Ef 4.7-16.

IV. O Novo Testamento usa várias palavras, do Grego Coinê, para descrever a palavra embrião ou recém-nascido. 
Veja Lc 1.41,44; 2.12,16; 1Pe 2.2-3; 2Tm 3.14-17.

nepios [G3516] – criança sem capacidade plena para falar, infante, criancinha inábil, inculta.
Mt 21.16; 1Co 13.11; Gl 4.1-7; Ef 4.14-15; 1Co 3.1-3; Hb 5.13.

C. paidion [G3813] – criança, criancinha, criança nova. É usada em Lc 1.59,80; 2.17,21,27,40; Hb 11.23; 2.10-16; 1Jo 2.13-18.

D. teknon [G5043]– descendência, filho, alguém nascido. Mt 3.9; 7.11; 15.26; 1Tm 3.4,12; 1Jo 3.7,10; Rm 8.16-17,21; Ef 5.1,8; 2Jo 1,4,13.

neaniskos [G3495] – jovem na flor da vida, moço.  Mt 19.20-21; Lc 7.14; Mc 16.5; 1Jo 2.13-14; At 2.17.

huios [G5207] – um filho, filho cujo caráter está formado. 
Mt 5.9,45; Gl 3.26; 1Tm 1.2; Rm 8.14,18-19; Hb 12.5-8.

G. teleios [G5046] – filho, aquele que foi aperfeiçoado; homem perfeito. Tg 1.4,25; 1Jo 4.18; Hb 5.14; Ef 4.13; 1Co 13.10; 14.20; 2.6; Fp 3.15.

H. pater [G3962] – pai. Hb 12.7-9; 1Jo 2.13-14; 1Co 4.15.

Para discussão e dedicação:

Como é maravilhoso o crescimento espiritual quando uma pessoa entra em uma igreja neotestamentária onde Deus levantou verdadeiros ministérios! No grande comissionamento dado em Marcos 16.15-20 é dito "ir e crescer" ou "crescer e ir"? Ou será que é "indo e crescendo", ambos ao mesmo tempo?

Lição 12 – AVANÇANDO EM MEIO À ADVERSIDADE

O povo de Deus não pode esperar circunstâncias favoráveis para avançar; Ed 3.3. O Seu povo sempre avançou, mesmo antes de resolver muitos problemas. As dificuldades são uma evidência do desfavor divino? Não! A demora é uma evidência de derrota? Não! Precisamos esperar até que os problemas sejam resolvidos? Não! Quando os israelitas estavam sendo perseguidos pelos egípcios e se viram cercados, Deus disse para Moisés: "Por que clamas a mim? Dize aos filhos de Israel que marchem" (Êx 14.15).

Não permita que um problema ou circunstância o segure. Vamos avançar mesmo que haja "ventos contrários".

I. Existe um propósito divino em nossas experiências de "deserto"? Dt 8.2-5.

II. Existe um propósito divino em nossas provações? Tg 1.2-3; 1Pe 1.6-8.

III. Existe um propósito divino no fato de Deus velar o futuro e limitar a Sua orientação? Hb 11.8-9,17-19.

IV.  Existe um propósito divino nas "demoras" de nossa vida?Jo 11.6,21 (leia o capítulo todo).

V. Por que, às vezes, parece que o próprio Senhor nosdesencoraja? Mc 7.24-30.

VI.  Por que o Senhor Jesus Cristo retarda a Sua volta, quando há tanto mal no mundo? Tg 5.7.

VII. Lembre-se de que Deus "prova" seus homens.

A. Ele testou Abraão, requerendo seu filho Isaque como oferta queimada. Gn 22.1-2.

B. Ele provou Filipe, dizendo-lhe que alimentasse a multidão. Jo 6.5-6.

C. Ele provou José com circunstâncias adversas, embora lhe tivesse prometido coisas grandes. Sl 105.16-22.

VIII. Deus, muitas vezes, exige que trabalhemos sem ter em vista nenhuma bênção. 2Rs 4.1-7; Gl 6.9.

IX. Aqui estão algumas promessas para o remanescente de Deus, hoje.

A. Deus os levará através do fogo! Zc 13.8-9.

B. Deus refina o Seu sacerdócio como a prata é refinada pelo fogo. Ml 3.1-4.

Para discussão e dedicação:

As dificuldades não podem nos desanimar; Deus nos dará graça para vencer!

Sondas-me o coração, de noite me visitas, provas-me no fogo e iniqüidade nenhuma encontras em mim; a minha boca não transgride (Sl 17.3).

Porque foste a fortaleza do pobre e a fortaleza do necessitado na sua angústia; refúgio contra a tempestade e sombra contra o calor…(Is 25.4)

O salmo das atitudes corretas: Salmo 57.

Lição 13 – AS GRANDES BÊNÇÃOS SÃO APROPRIADAS, NÃO CONQUISTADAS

Nosso Senhor Jesus Cristo derrotou Satanás! Não podemos nos esquecer, nem por um momento, dessa vitória. Ele é a nossa vitória. O laço que Satanás usa é distrair nossa atenção do que Cristo Jesus já nos proveu a fim de que lutemos pela coisa em vez de nos apropriarmos dela. O que Jesus Cristo conquistou, fê-Lo como nosso representante. O Seu triunfo sobre a morte é a nossa vitória. Cl 2.8–3.3.

Glória a Deus que não precisamos lutar para alcançar uma posição de vitória, mas nos apropriarmos e manifestarmos a vitória de Cristo – pois Deus, juntamente conosco, O ressuscitou, e nos fez assentar nos lugares celestiais em Cristo Jesus. Ef 2.4-7; 3.10-11.

I.  O Senhor Jesus Cristo completou, de uma vez por todas, a provisão sacrificial por nós. Hb 10.10-14.

A. Existe grave perigo em lutar para tentar alcançar uma vitória que Cristo já alcançou por nós.

II. Nós já fomos abençoados com toda sorte de bênção espiritual nos lugares celestiais em Cristo. Ef 1.3.

A. Nossa posição se enfraquece quando "mendigamos" em vez de nos apropriarmos – humilde mas confiantemente – da divina provisão feita por nós.

B. Na carta aos Efésios, vemos que a riqueza de Cristo é designada e dada a nós! Efésios é o livro de folhas douradas. Conte quantas vezes ele fala acerca de riquezas da graça, riquezas da glória, herança, plenitude e graça!

C. Nós, mediante nossa fé, desencadeamos bênçãos das esferas celestiais para o mundo visível, para o mundo dos sentidos físicos – a nossa fé apropriadora. Hb 11.1.

III.  Já são nossas todas as coisas referentes à vida e à piedade. 2Pe 1.2-4.

IV. Paulo orou para que pudéssemos compreender a suprema grandeza do poder de Deus para conosco, os que cremos. Ef 1.15-23, sp. v. 19.

V. Todas a bênçãos de Deus são designadas como "dons", ou seja, presentes dados de graça.

A. O dom inefável de Deus! Jo 3.16; 2Co 9.15.

B. O dom gratuito da salvação. Rm 5.15-19; 6.23

C. O dom do Espírito Santo: coisas boas. Rm 12.4-8; 1Co 12.4-11.

D. Coisas boas; Lc 11.5-13; Mt 6.11; Mt 25.14-30.

E. Falta de sabedoria? Peça-a a Deus, que a todos dá liberalmente. Tg 1.5-7.

Para discussão e dedicação: Não seria incredulidade lutar por vitórias que Cristo já alcançou por nós?
Será que nos esquecemos que Satanás já é um inimigo derrotado?
Será que apropriamos, pela fé, as bênçãos que já foram providenciadas e designadas para nós?
Sim, nós lutamos uma batalha espiritual, mas a partir de uma posição de vitória em Cristo Jesus!

Lição 14 – ESTE É O DIA QUE O SENHOR CRIOU

É fácil dizer: "A época dos milagres já passou." Ou então: "Estas promessas bíblicas são para um tempo futuro; Deus não as está cumprindo agora." Os crentes fundamentalistas ficam horrorizados com o fato dos modernistas negarem as verdades bíblicas, mas eles inventam teologias e doutrinas para desculpar a sua própria incredulidade. Eles dizem que crêem na Bíblia, mas inventam doutrinas dispensacionais para que não precisem enfrentar o poder e as promessas de Deus para nós, hoje.

Eu sou o Alfa e Ômega, diz o Senhor Deus, aquele que é, que era e que há de vir, o Todo-Poderoso (Ap 1.8).

Jesus Cristo, ontem e hoje, é o mesmo e o será para sempre (Hb 13.8).

De fato, sem fé é impossível agradar a Deus, porquanto é necessário que aquele que se aproxima de Deus creia que ele existe e que se torna galardoador dos que o buscam (Hb 11.6).

Nossa grande necessidade é aprender a viver com Deus no tempo presente!

I. Promessas e provisões válidas hoje!

A. O seu divino poder nos deu todas as coisas.
2Pe 1.3-4.

B. Coisas grandes e ocultas. Jr 33.3.

C. Com Deus todas as coisas são possíveis.
Mt 19.26.

D. Para que o nosso gozo seja completo. Jo 16.23-24.

E. Muito mais do que pedimos ou pensamos. 
Ef 3.20.

F. Pedir o que quiser. Jo 15.7.

G. A fé sempre tem bênçãos atuais para serem apropriadas e exercidas, bem como alvos para o futuro.

H. Discuta e identifique todas as bênçãos "atuais" que puder lembrar.

II. Nosso Senhor Jesus Cristo nos ensinou acerca do "hoje" e suas potencialidades.

A.  Ansiedade é a cadeia espiritual de nossa época e que, também, causa males como úlceras.

B. Se buscarmos o Seu Reino e a Sua justiça em primeiro lugar, as outras coisas virão automaticamente. Mt 6.25-34.

  1.Que vida maravilhosa temos ao nos deleitarmos no Senhor. Sl 37.3-5,7-9.

  2.Ele não nega bem algum aos que andam retamente. Sl 84.11.

III.  É perigoso deixar de ver o que Deus está fazendo naterra hoje.

A. Jerusalém não reconheceu a oportunidade da Sua visitação. Lc 19.41-44.

B. Foi uma tragédia Ele ter vindo para os Seus e eles não O reconhecerem. Jo 1.10.

C. Sempre existem uns poucos que vivem na expectativa Dele. Lc 2.25-38.

 1.Precisamos ter cuidado para não deixar de perceberDeus em nossos dias!

Para discussão e dedicação:
Será que nos esquecemos do que somos agora – filhos de Deus – porque ainda não se manifestou ainda o que havemos de ser? 1Jo 3.2. Será que nos esquecemos do que Deus providenciou para nós agora, no presente?
A esperança está sempre focalizada no futuro, ou ela pode ser uma expectativa constante, momento a momento?

Lição 15 – O PODER E A PRESENÇA DE DEUS

Muito é dito nas Escrituras acerca da presença de Deus com o Seu povo. O grande castigo de Caim foi o banimento da presença do Senhor. Ele disse: "O meu castigo é tão grande que já não posso suportá-lo", e então saiu da presença de Deus (Gn 4.13,16).

Quando Israel pecou, Moisés temeu uma só coisa: que a presença do Senhor não fosse mais com eles. Ele orou: “Se a Sua presença não for comigo, não nos faça subir deste lugar" (Êx 33.15), pois Deus lhes havia prometido: "Eu andarei entre vocês e serei o Deus de vocês, e vocês serão o meu povo" (Lv 26.12; Dt 20.1).

I. O poder e a presença do Cristo ressuscitado nos são prometidos. Mt 28.18-20.

II. O Cristo ressuscitado nos dá o Seu comissionamento e as Suas promessas; depois trabalha conosco com os sinais que nos seguem. Mc 16.15-20; Mt 18.18-20; Hb 13.5-6,8.

III.  Nós precisamos nos aperceber da Sua presença!

A. Quantas vezes não nos apercebemos da presença do Senhor, embora Ele esteja operando em nosso meio! Lc 24.13-40.

  1.Pratique a Sua presença! Jesus Cristo será tão real quanto você crer que Ele seja!

IV. Nosso Senhor Jesus Cristo é o revelador sempre presente do Pai. Jo 14.6-23.

A. Jesus Cristo revelou o Pai – vs. 6-11.

B. Jesus Cristo prometeu o Espírito Santo que habitaria em nós para sempre – vs. 12-17 (também Jo 14.26 e 16.7-15).

C. Jesus Cristo prometeu estar presente conosco e Se revelar a nós – vs. 18-21.

D. E ainda mais! Nosso Senhor Jesus Cristo e o Pai farão morada em nós – vs. 22-23.

E. Jesus disse que, depois de Sua ressurreição, Ele manifestaria outra vez a Sua presença, em poder, aos discípulos. Jo 16.16-24.

Somos a habitação, o templo de Deus. Ef 2.18-22; 2Co 6.14-18.

Para discussão e dedicação:
A mulher que tinha uma hemorragia disse: "Se eu apenas tocar a Sua veste, ficarei curada." (Mt 9.21). Nós também podemos, por fé, tocar Nele a qualquer tempo e em qualquer lugar.
Nós não temos um sumo sacerdote que não possa ser tocado. Hb 4.15-16.
Momento a momento, podemos sentir a Sua presença e "tocar a orla de Suas vestes". Is 41.10; 43.2.

LIÇÃO ESPECIAL PARA AS CRIANÇAS

1. A moça que fez uma sábia escolha. Rt 1.1-18.

2. O moço que fez uma má escolha. Gn 13.5-13.

3. O moço que tinha um alvo. Gn 37.5-11.

4. O moço que tinha um grande dom. 1Rs 3.3-25.

5. Um homem com muitos problemas. Jó 1 e 2.1-10.

6. Cantando na prisão. At 16.16-34.

7. O menino que se tornou um grande profeta. 1Sm 2.

8. O menino que foi abençoado e ensinado. Êx 2; At 7.20-26; Hb 11.23-29; 2Tm 1.5.

9. Dois homens que se transformaram instantaneamente. 
Lc 19.1-10; At 9.1-22.

10.  Tudo está mudando. Jo 3.22-34; 1.19-40.

11.  Bebês, filhinhos e filhos. 1Sm 16.11-13; 18.29-30; 
24.1-15; 26.12; 2Sm 5.1-12.

12.  Avançando debaixo do fogo. Daniel 1, 2 e 6.

13.  Recebemos as boas coisas pela fé. At 10; Mc 7.25-30.

14.  Este é o dia que o Senhor criou. Dn 3.

15.  "Estou sempre com vocês." Mt 28.18-20; Jo 11; 
Êx 33.14-15; Fp 4.13.

Observação: Os mestres das crianças e pré-adolescentes poderão encontrar subsídios valiosos e versículos pertinentes, nas lições correspondentes do curso para os adultos.

Segunda Edição em Português

Dezembro de 2003

 

voltar para Prioridades Atuais

left show tsN fwR normalcase|left tsN fwR uppercase bsd b01s|left show fwR uppercase bsd b01s|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase b01 bsd|login news fwR uppercase c05|tsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase bsd b01|content-inner||