04 - Os Mansos

“Bem‑aventurados os mansos, porque herdarão a terra” - Mateus 5:5.

Algumas pessoas dizem que os mansos herdarão a terra porque ninguém mais a quer. Porém, isso não é verdade. Todos estão trabalhando por ela, todos querem a sua parte nela, sua fatia da torta. É bom saber que Deus entregará a terra aos mansos, mas é importante que entendamos quem são os mansos.

O que significa ser manso? Não significa que  você  será  como aquele personagem magro e de ombros curvados do desenho animado, sempre com medo e obediente à mulher,  um verdadeiro exemplo do medo do homem. Ser manso não significa viver uma vida reprimida e subjugada ou viver em derrota. Ser manso é ter uma fé agressiva, que não luta ambiciosamente na carne para o cumprimento da vontade de Deus. Os mansos herdarão a terra  porque têm uma fé agressiva para entrar em algo grande. Essa fé agressiva recusa‑se a lutar na carne para cumprir as promessas de Deus.

Existem aqueles que ficam ansiosos para encontrarem o  seu lugar na vontade de Deus, mas  buscam isso no zelo e ambição da carne. O manso é uma pessoa rara, que não tenta ajudar Deus, que não sai à meia-noite, com um balde de água para molhar o novelo de lã que pôs diante de Deus, manipulando para fazer as coisas funcionarem. Não é uma pessoa que quando quer uma promessa do Senhor, vai à caixinha de promessas e, se a primeira promessa não o agrada, ele a ignora. Finalmente, se a décima segunda promessa lhe serve, então ele pensa: “Recebi uma Palavra do Senhor”.

O que Abraão fez quando Sara o tentou  a gerar um filho e cumprir as promessas de Deus através de  sua serva, Hagar, criou problemas que existem  ainda hoje entre os descendentes de Ismael e Isaque. Você vive com o monstro que é criado  quando você pensa em produzir a vontade de Deus segundo a carne. Quando um homem se empenha ambiciosamente em cumprir a promessa de Deus na carne, geralmente ele entra num grande problema. O clamor de Paulo aos Gálatas foi: “Sois assim insensatos que, tendo começado no Espírito, estejais agora vos aperfeiçoando na carne?” - Gálatas 3:3. Existe um empenho e uma fé agressiva em Deus e existe um empenho carnal que Deus não pode abençoar. Mas mansidão não significa que você não tenha nenhum empenho.

Abraão foi um exemplo fundamental do que é ser manso e ter fé agressiva. Com seus servos, ele derrotou em batalhas cinco reis daquela época, famosos por sua grande competência em organização e guerra. Entre estes reis estava Hamurabi, um dos mais antigos reis a criarem uma lei sistemática em um reino, compilando o famoso código, o decálogo da Babilônia. Quando Abraão voltou vitorioso, o rei de Sodoma ficou tão contente por tudo ter sido recuperado, que ofereceu a Abraão grandes riquezas. Mas ele não quis receber nem uma correia de sandália, para que o rei não dissesse que tinha enriquecido a Abraão (Gênesis 14:23). Deus tinha prometido enriquecê‑lo e ele se recusou a ver isso cumprido no nível da carne. Ser manso não quer dizer que você seja retraído no seu espírito. Significa que, no nível humano, há uma recusa em ver o cumprimento por um esforço da carne. Você insiste que será uma resposta de Deus, será o que Ele realmente quer. É no Espírito que encontramos todas as respostas e o cumprimento das promessas.

No Monte Carmelo, Elias cortou os bois e depois derramou cântaros d’água no sacrifício só para dificultar mais para Deus queimá‑lo. Deus mostrou‑se à altura, sendo que o fogo lambeu a água e até queimou as pedras; portanto, não tente facilitar as coisas para Deus, mas vá em frente agressivamente, com fé, e negue-se a trapacear. Os mansos submetem-se ao Senhor, não se desviam para a direita nem para a esquerda, nem permitem que a carne se levante em algum esforço ambicioso para cumprir a vontade de Deus.

Hebreus 6:1 diz: “... não lançando de novo a base do arrependimento de obras mortas...”, mas avançando para a perfeição. Hebreus 9:14 nos diz  como a nossa consciência é purificada de obras mortas. Os mansos são os que se arrependem das obras mortas. Nós podemos chegar a uma posição onde não há mais o empenho da mente carnal, das obras mortas que aparecem nas nossas vidas. Podemos dizer: “Senhor, quero ser manso diante de Ti. Eu prefiro nunca ter nada neste mundo, se não estiver na Tua perfeita vontade, se não for operado por Ti.” 

Há antigos programas e um tipo de psicologia através dos  quais é possível levantar igrejas rapidamente. Basta deixar as pessoas entrarem e lhes dar uma classe de escola dominical para ensinarem. Embora elas não saibam nada, mantenha-as ocupadas, como você faria com crianças de jardim de infância: “Apanhe isto; leve até lá e alguém trará de volta”. Não se vai a lugar algum com isso, mas as pessoas são mantidas ocupadas. Obras mortas favorecem programas nascidos na mente humana e são executadas inteiramente com iniciativa e capacidade humana, vazias do Espírito. As pessoas pensam estar produzindo alguma coisa em que Deus está, sem perceberem que “O que é nascido da carne, é carne...” - João 3:6.

Existem pessoas que ambicionam um lugar ou uma posição  e estão constantemente agitadas por esta ambição, a ponto da inquietação e o descontentamento possuí-las. Não é bom colocar estas pessoas para trabalhar, até que isso seja corrigido. Uma pessoa pode estar pronta para trabalhar, mas quando a ambição da carne se inflama:  “Eu tenho uma posição, eu preciso cumpri-la”,  é preciso que essa atitude morra e, então, surgirá o ministério lindo que Deus tem para ela.

Eu prefiro juntar dois pauzinhos que fiquem de pé no Reino de Deus, do que construir um arranha-céu que Deus poderá derrubar amanhã. “Manifesta se tornará a obra de cada um; pois o dia a demonstrará, porque está sendo revelada pelo fogo...”- I Coríntios 3:13. Não volte atrás, tentando construir o ontem; o ontem já passou. Construa o que Deus está fazendo hoje. Trabalhe no Espírito, com esse trabalho eficaz que vem com a fé agressiva. Trabalhe para descansar das suas obras e entrar no descanso do Senhor (Hebreus 4:10).

Os mansos são pessoas que, segundo os valores humanos, são perdedores, mas os perdedores são os que irão herdar a terra. O maior exemplo de mansidão na Bíblia é a descrição de Jesus atravessando Samaria. A tradução do grego diz que Jesus determinou Sua face como um seixo para ir a Jerusalém (Lucas 9:51). Isso significa que ele determinou sua face “como uma rocha”; não havia variação no seu semblante. Aquilo foi uma ofensa aos samaritanos. Na Sua fé agressiva para fazer a vontade de Deus, havia mansidão no Seu Espírito. Ele estava se submetendo totalmente a dar Sua vida como um cordeiro para a matança, sem se abalar pelo medo do homem, sem nada que O detivesse do que Ele deveria fazer.

“Bem-aventurados os mansos, porque herdarão a terra”. Quando Deus tiver uma cruz lá adiante para você morrer, determine seu rosto como um seixo para alcançá-la. Você lutará com todos os diabos do inferno para chegar lá e para que possa ser submisso. Os mansos são os que têm a vontade determinada para fazer a vontade de Deus, para negar a carne e seus esforços, e para tomar sua cruz e seguir o Senhor. Eles não estão cuidando de si mesmos; estão realmente buscando a vontade de Deus e a Sua glória. Cristo deu Sua vida. Ele estava disposto a negar a Si mesmo para viver inteiramente para a vontade do Pai. Se estivermos dispostos a sofrer com Ele como Ele sofreu, seremos glorificados e reinaremos com Ele (Romanos 8:17). Cristo teve essa mansidão quando foi preparado para suportar a cruz e desprezar a vergonha.

“Pois muitos andam entre nós, dos quais repetidas vezes eu vos dizia e agora vos digo até chorando, que são inimigos da cruz de Cristo. O destino deles é a perdição, o deus deles é o ventre, e a glória deles está na sua infâmia; visto, que só se preocupam com as cousas terrenas”- Filipenses 3:18,19. “Muitos andam” professando-se crentes e com as muitas atividades de um cristão, mas são inimigos da cruz de Cristo. Eles estão se gloriando em coisas das quais deveriam envergonhar-se; estão conservando viva a velha carne e seu modo de viver. Eles são inimigos da cruz porque lutam contra ela. Eles dizem: “Eu te amo, Jesus”, mas não enfrentam a cruz nas suas próprias vidas. Eles lutam contra ela com arrogância e orgulho e não querem nada de uma igreja que tenha a mensagem da cruz. Deus está dizendo que é preciso negar a si mesmo e tomar a sua cruz; esta é a mansidão que irá herdar a terra. A não ser que você esteja disposto a morrer, você não irá viver (Mateus 16: 24,25).

A mansidão no Senhor não era, de forma nenhuma, um sinal de fraqueza. É preciso força para ser manso, para curvar-se apenas à vontade de Deus, em vez de você mesmo fazer alguma coisa em relação a uma situação. É necessário o tipo de fé que se humilha em face à desgraça.

Uma das primeiras coisas que Deus fez com Israel foi colocar o povo em uma posição de mansidão forçada. Com Faraó os perseguindo, o Mar Vermelho diante deles e nenhum meio de fuga, foi-lhes dito que ficassem parados. Todos nós, sob tal ameaça iminente, iríamos querer correr e tentar resolver os problemas por nós mesmos. Nestas situações, você fica parado um certo tempo, mas logo quer fazer alguma coisa. Porém, apenas confiar em Deus exige que, mesmo quando pareça tarde demais, você ainda confie no Senhor. Você não diz: “Se estivesses aqui, Senhor, meu irmão não teria morrido”, mas você sabe  que tudo o que pedir, Deus lhe dará. É uma fé que sabe que nunca é tarde demais para ver Deus operar o maior milagre que você já conheceu na sua vida. Os mansos são os que recusam uma libertação no nível da carne, sabendo que isso não seria de Deus e sabendo que Deus pode operar sem o esforço humano, enquanto vão confiando n’Ele e fazendo, com agressividade, exatamente o que Ele deseja.

Uma passagem sobre mansidão encontra-se em Mateus 11:27-30: “Tudo me foi entregue por meu Pai. Ninguém conhece o Filho senão o Pai; e ninguém conhece o Pai senão o Filho, e aquele quem o Filho o quiser revelar. Vinde a mim todos os que estais cansados e sobrecarregados, e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim, porque sou manso e humilde de coração; e achareis descanso para as vossas almas. Porque o meu jugo é suave e o meu fardo é leve.”  As pessoas não compreendem o que esta passagem realmente significa. Nela, Jesus está nos mostrando o caminho do descanso. “Todos os que estais cansados e sobrecarregados”, os tensos, os que estão se esforçando na carne. Ele está dizendo: “Tudo me foi entregue por Meu Pai; tudo está nas Minhas mãos. Por quê? O Pai colocou tudo nas Minhas mãos porque eu sou manso e humilde. Os mansos herdam a terra. Você que está se mexendo, trabalhando e lutando, venha e aprenda comigo. Eu sou manso e humilde de coração; aprenda isso e você encontrará descanso para a sua alma. Tome o Meu jugo sobre si e aprenda de Mim. Seja um verdadeiro vencedor pela mansidão e humildade de coração.

Repare que Ele disse: “... ninguém conhece o Filho senão o Pai; e ninguém conhece o Pai senão o Filho, e aquele a quem o Filho o quiser revelar.” Precisa haver revelação. É necessário que algo seja dado por Deus. Tudo repousava sobre Cristo, na Sua mansidão e humildade. Tudo foi entregue nas Suas mãos, até aqueles nesta terra que vão ter uma revelação de Deus. A mansidão de Jesus era completamente  submissa a fazer a vontade do Pai. Aquela mansidão poderia também ser chamada de “submissão absoluta.” Ele era manso e, no entanto, agia com autoridade. No nosso pensamento natural, parece que mansidão e autoridade não combinam muito. Mas nos mansos há essa recusa de tomar as coisas nas próprias mãos para operar o próprio destino. Eles confiam em Deus e fazem as coisas do modo de Deus. Jesus disse: “Venham e aprendam de Mim; vejam como estou fazendo a coisa. Eu sou inteiramente submisso ao Pai; tudo foi depositado nas Minhas mãos. Aprendam de Mim e vocês encontrarão descanso para as suas almas.”

Isto também é ensinado no capítulo quatro de Hebreus, que fala a respeito de entrarmos no Seu repouso. Para aqueles que se afadigam e se esforçam em si mesmos, não há descanso. Mas aqueles que entram no Seu repouso descansam das suas obras, assim como Cristo descansou das Suas. Você cessa as obras que realiza por  si mesmo e entra no que é de Deus, no descanso. À medida que o nosso espírito for aperfeiçoado, grande parte da confusão, esforço e turbulência que experimentamos irá desaparecer. Sobre esse povo de Deus que sairá para virar o mundo de cabeça para baixo com a explosão mais violenta de energia divina que já se viu, haverá  uma complacência, uma calma, uma paz e um descanso, porque eles terão essa coisa única e inquestionável  que nunca pode ser substituída: a paz de Deus que excede todo entendimento.

Os mansos têm uma qualidade em si que Deus abençoará, acima de qualquer coisa que possamos algum dia entender. Os mansos não agem através de um esforço gerado da dúvida e da insegurança. Algumas pessoas se esforçam muito porque se sentem inseguras em si mesmas e quanto à sua posição. A mansidão que Deus deseja aceita o que Deus diz e descansa,  sem  se esforçar ou lutar por uma posição, porque sabe que Deus a estabelecerá e que, então, ninguém poderá tirá-la. Os que são mansos rejeitam a opinião  do homem quanto ao seu fracasso e descansam na vitória de Deus. Você pode ser um fracasso na opinião do homem, mas se você é um manso, você não se levanta para lutar contra ele: “Eu não sou um fracasso.” Para você, não importa o que os outros dizem porque você descansa na vitória de Deus e no que Ele diz.

Você não precisa do veredito humano: “Puxa, ele não é um sucesso? Ele não é um grande homem?” Você não está interessado em levantar seu ego e sua auto-estima, brigando para afirmar que você é um sucesso, porque, para você, não é importante o que o homem pensa a seu respeito. A mansidão é uma fé agressiva que deseja apenas se mover em Deus e que se recusa a colocar a mão na arca ou voltar às velhas tradições. Os mansos esperam em Deus até que Deus lhes diga exatamente o que fazer. Eles se voltam para o novo dia, para o que Deus diz para ser feito; não ficam apenas perpetuando o que parece ter sucesso financeiro ou numérico.

Nós ainda não compreendemos muito a respeito da Igreja primitiva. Paulo disse: “Estive convosco em grande mansidão e humildade. Minha palavra não é nada, é desprezível; minha presença física é fraca.” Quando Paulo chegou a Corinto, o povo exclamou: “Esse é que é o apóstolo? Ele não é nada. Ele não consegue nem falar. A presença dele é desprezível.” Mas Paulo disse: “Quando eu for, não conhecereis a palavra, mas o poder. O Reino de Deus não é palavra, mas é poder.” E assim,  Paulo, pobrezinho e manso, saiu perturbando o mundo. Ele disse: “Estive convosco em grande tremor e temor. Minhas palavras não foram  palavras persuasivas de sabedoria humana, mas foram uma demonstração do poder do Espírito” (palavras que explodiram e perturbaram o mundo!). Cuidado com os mansos; eles têm alguma coisa agindo em seu favor.

O Reino de Deus não é um show de homens, nem uma farsa ou um amoldamento das emoções das pessoas por um ator ou um grande orador. O Reino de Deus vem à luz através da  fé agressiva de homens que renunciaram esforços carnais, para que o Reino venha  inteiramente de Deus. Nos dias em que poderiam ter tido muita coisa, os mansos “... foram apedrejados, provados, serrados pelo meio, mortos ao fio da espada; andaram peregrinos, vestidos de peles de ovelhas e de cabras, necessitados, afligidos, maltratados (homens dos quais o mundo não era digno), errantes pelos desertos, pelos montes, pelas covas, pelos antros da terra” - Hebreus 11:37,38. “Quem são estes? A escória e lixo da terra? Hum, não parece alguma coisa com que um crente decente vá querer se identificar hoje em dia, essa coisa de ser serrado ao meio, torturado assim. Você tem certeza de que quer se misturar com esses cristãos e viver assim nas covas e antros da terra, vestido de peles de ovelhas e cabras?”

Você sabe como a Igreja primitiva era eficaz? Dentro dum período de pouco mais de uma geração, metade do Império Romano era de cristãos, numa época em que uma pessoa poderia perder a vida se confessasse Cristo como seu Salvador. Aqueles que viveram em cavernas e covas, despojados e afligidos, estavam combatendo exércitos, extinguindo a violência do fogo, recebendo de volta os seus mortos e andando em milagres.

A mansidão é algo a ser levado em conta. Quando a Igreja sair da sua soberba e voltar à mansidão de Cristo, o Reino surgirá rapidamente. A soberba e arrogância que Satanás está promovendo aflige e enfraquece a vida do Corpo de Cristo, por contaminação do ambiente do mundo ao redor. Nós não precisamos de uma regulamentação de conduta, mas sim entrar numa pureza de espírito. O mundo, na sua arrogância,  atinge você. “Porque tudo que há no mundo, a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida, não procede do Pai, mas procede do mundo. Ora, o mundo passa, bem como a sua concupiscência; aquele, porém, que faz a vontade de Deus permanece eternamente” - I João 2:16,17. Soberba deste mundo? Fora com ela.

Nós vimos que os mansos não agem por esforço próprio, mas são ousados para assumir a posição e a vitória que Deus lhes declara. Não há nada de timidez em um manso. Só que ele não está lutando arrogantemente com suas próprias forças. Tente tirá-lo do lugar em que ele firmou seus pés, crendo, por fé, que aquele lugar lhe pertence e você verá que ele é um guerreiro. Quando batalha no Espírito, ele sabe que está indo atrás do que Deus tem para ele; ele fica lá e exige a coisa; ele luta e sempre vence, porque sabe como a coisa é feita.

Os mansos são como José, no Velho Testamento, assombrados com o sonho que receberam na juventude. Eles sabem que o caminho para o cumprimento daquele sonho é sempre a trilha dos pisoteados, dos oprimidos, dos esquecidos, dos desprezados e dos abandonados - a escória da terra. José foi pisado até não poder mais, até que chegou ao trono. Carregando seus sonhos no coração, ele não caiu naquela cova; ele foi deliberadamente atirado lá pelos seus irmãos. Ele não conseguiu escalar para fora; ele foi içado e entregue aos mercadores de escravos. Ele não quis ficar na casa de Potifar; ele foi vendido. A mulher de Potifar mentiu a seu respeito. Ele não quis ir para a prisão; atiraram-no lá e jogaram a chave fora. Não havia nada que ele pudesse fazer. Ele desceu, desceu e desceu, até o dia em que ocupou o maior trono da época, junto ao próprio Faraó (Gênesis, capítulos 37 a 41). “Bem-aventurados os mansos, porque eles herdarão a terra.”

“José, você não está esperando o dia quando vai poder ajustar contas com esses seus irmãos malvados?” Mas quando ele se revelou a eles, disse: “Não se sintam mal, vocês quiseram o meu mal, mas Deus o tornou em bem para salvar muitos.” Ah, José, você é um homem manso, que não está lutando nem se esforçando por si próprio, não está na defensiva, só está servindo a Deus.

“Meu querido irmão, eles acabaram de lhe dar uma bofetada. Você sabe o que é que eles estão dizendo de você? Você sabe o que é que vai lhe acontecer?” Os mansos têm um jeito lindo de dar de ombros e responder: “E daí? Minha vida está nas mãos de Deus. Saia do caminho, eu tenho algumas coisas a fazer. Eu preciso fazer tudo o que Deus me disse. Preciso ouvir a voz d’Ele e me ocupar com os Seus negócios. Eu sou um soldado agressivo; não me chateie com essas coisas.”  

Lemos em II Timóteo 2:4 que nenhum homem chamado para ser soldado se envolve em negócios desta vida, para que possa agradar Aquele que o arregimentou. “Eu vou me alistar no Seu exército, Jesus, mas quero levar comigo minha televisão colorida. Gostaria de levar meu conjunto estéreo e também os álbuns e mais umas outras coisinhas que eu gosto, para o caso de haver uma folguinha. Talvez eu possa me divertir com um pouquinho de esporte e recreação.” Na primeira vez em que sair no campo de batalha com tudo aquilo: Bum! Televisão e tudo pelos ares. O que é que você deve fazer? Viaje sem pesos. Relaxe quanto a este mundo. Aproveite-o, mas não se prenda a ele. Avance e possua todas as coisas boas que Deus tem para você. Você não vai querer se agarrar a um pedacinho delas. Toda a terra será sua. Você vai herdar a terra.

Os mansos são esquecidos; não são notados pelos homens, mas são lembrados por Deus. Eu conheci pregadores que deram suas vidas para Deus; eles se sacrificaram e morreram sem reconhecimento; muitas vezes, sem nem mesmo um marco como lápide. O que importa é que Deus se lembra deles. Por quantas gerações os mortos podem ser lembrados? Mas quando você confia em Deus e caminha humildemente diante d’Ele, Ele se lembra de você e da geração após você, por mil gerações (Salmo 105:8).

Os mansos são os herdeiros de Deus. Eles são os reis e sacerdotes que acham desnecessário construir uma imagem de si mesmos diante dos homens. Eles crêem na sua posição. “Bem-aventurados os mansos, porque herdarão a terra.” Os mansos são os que se empenham e trabalham em Deus, não em si mesmos. Eles são os mártires debaixo do altar no livro de Apocalipse (Apocalipse 6:9). Eles clamam debaixo do trono, debaixo do altar de Deus. Estes são aqueles que Deus destinou para governar e reinar.

Parece que os mansos se disfarçam. Eles passam pelo mundo e você nem os vê. Eles não são apreciados pelos homens; Deus é quem realmente os aprecia. Você não percebe que força eles são na igreja porque são despretensiosos. Se eles têm problemas, você não ouve falar  muito a respeito. Em quietude e mansidão, eles fazem o seu trabalho; no entanto, poucas pessoas percebem a autoridade espiritual que eles realmente têm.

Palavra Vivente
Reino Net

 

voltar para Princípios do Reino

left show tsN fwR normalcase|left tsN fwR uppercase bsd b01s|left show fwR uppercase bsd b01s|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase b01 bsd|login news fwR uppercase c05|tsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase bsd b01|content-inner||