15 - Nós Amolecemos a Pedra

A passagem de Isaías 65:17 a 25, nos fala dos novos céus, da nova terra e do que o novo Reino na verdade representa: Pois eis que crio novos céus e nova terra; e não haverá lembrança das coisas passadas, jamais haverá memória delas. Mas vós folgareis e exultareis perpetuamente no que EU CRIO; porque eis que crio para Jerusalém alegria, e para o seu povo regozijo. E exultarei por causa de Jerusalém, e folgarei do meu povo, e nunca mais se ouvirá nela nem voz de choro nem de clamor. (Repare na mudança completa que ocorre). Não haverá mais nela criança para viver poucos dias, nem velho que não cumpra os seus; porque morrer aos cem anos é morrer ainda jovem, e quem pecar só aos cem será amaldiçoado.Isaías 65:17-20. Aqui está falando que não haverá morte prematura, mas longevidade.

O resto de Isaías 65 promete estas grandes bênçãos do Reino: Eles edificarão casas, e nelas habitarão; plantarão vinhas, e comerão o seu fruto. Não edificarão para que outros habitem; não plantarão para que outros comam; porque a LONGEVIDADE do meu povo será como a árvore e os meus eleitos desfrutarão de todas as obras de suas próprias mãos. (aqui fala que nada do que fizermos será em vão nem parecerá. E continua) Não trabalharão debalde, nem terão filhos para a calamidade (é bom saber disso, pois os primeiros jovens de várias gerações foram o alimento da máquina de guerra e da Babilônia financeira); porque são a posteridade bendita do Senhor, e os seus filhos estarão com eles; E será que antes que clamem, eu responderei; estando eles ainda falando, eu os ouvirei. O lobo e o cordeiro pastarão juntos, e o leão comerá palha com o boi; pó será a comida da serpente. Não farão mal nem dano algum em todo o meu santo monte, diz o Senhor.

 

Aqui fala sobre as mudanças do chamado milênio, da promessa do descanso que Deus criará para o Seu povo (conforme Hebreus capítulo 4), no qual estamos nos esforçando para entrar. Precisamos romper para ver a natureza das coisas mudarem. Com a derrota de Satanás, ele não vai ser mais o leão rugidor rodeando a procura de qualquer ovelhinha que possa devorar; veremos a mudança primeiro na natureza espiritual de tudo. A mudança não virá pela conversão de Satanás, mas a forma pela qual o presente mundo espiritual satânico ataca o mundo da fé vai ser alterada (é por isso que o livro de Hebreus fala tanto sobre a FÉ QUE APROPRIA das promessas de Deus). Precisamos interceder e nos esforçar por um propósito: entrar na autoridade de Cristo, entrar na manifestação da vitória de Cristo através de nós. Você precisa entender que Cristo já venceu Satanás. A verdadeira batalha baseia-se em entendermos a provisão passada da vitória que Cristo nos deu e que é nossa, e em como apropriar esta vitória HOJE.

Todo problema agora se baseia em nos apropriarmos do que é realmente nosso, em levantarmos o véu da nossa ignorância para curarmos áreas que ainda não compreendemos. Temos mais do que percebemos. Foi-nos dado mais do que percebemos. Somos mais do que percebemos – somos a criação especial de Deus. Somos Seus filhos. Temos mais fé do que sabemos, mas estamos cegos para nossos potenciais. Não temos consciência de onde realmente estamos pisando. Estamos mais dentro do Reino do que realmente sabemos. É mais tarde do que pensamos, mas também é mais cedo que pensamos. Estamos encarando um dia todo novo, uma era toda nova, mas somos lentos para entender isso. A ILUSÃO de estarmos limitados ainda nos limita. Precisamos romper com a futilidade, a frustração e a inconsciência sob as quais estamos, perseverando até o ponto de as ilusões desaparecerem.

Isto me lembra a história de dois sentenciados em uma penitenciária, trabalhando em um monte de pedras. Os dois ficaram marretando uma pedra até que finalmente veio o supervisor descontente: “Vocês estão demorando muito com essa pedra. Deixe-me mostrar como se faz”. Então levantou a marreta e bateu na pedra que se quebrou em centenas de pedaços. Ele só disse: “Viu?” Mas os dois olharam para o supervisor e disseram: “Nós amolecemos a pedra prá você”. Parece que isto está acontecendo no Corpo de Cristo no momento. Nós marretamos, em oração, alguma coisa pela fé, sem percebermos que a pedra está sendo amolecida. Freqüentemente há até a ilusão de que o trabalho não está sendo feito. Nós não vemos realmente o que estamos fazendo; não estamos conscientes disso. Não estamos conscientes da nossa eficácia na adoração e na intercessão cada vez que entramos nelas violentamente. Nós mudamos todo o clima espiritual. Estamos saindo do inverno para a primavera (Cantares 2:10-14). As chuvas estão vindo e estamos prontos a ver a criação explodir e começar a crescer à vista do Senhor. Mas, primeiro, precisamos entender que temos e somos mais do que percebemos.

A passagem de Isaías 65 nos dá o quadro do que vai ser: E será que, antes que clamem, eu responderei; estando eles ainda falando, eu os ouvireiVersículo 24. Não gostaríamos de ver esse dia nascer? Antes que pudéssemos abrir nossa boca para pedir, a resposta já estaria entrando porta adentro. Mas não estamos experimentando isso. Parece o oposto – quanto mais oramos, mais o inimigo fortalece a ilusão de que somos ineficazes. E, no entanto, não somos ineficazes. Estamos mais adentrados na vitória de Cristo do que sabemos; estamos no processo de apropriação da Sua perfeita provisão e logo a teremos apropriado inteiramente. Quando isto acontecer, não haverá resistência contra nós; e antes que clamemos a resposta virá.

Que ligação, que relacionamento, que intimidade com o Senhor ainda está por vir! Não veremos poderes demoníacos posicionando-se entre nós e a perfeita provisão e vitória que Deus proveu para nós. Nós os dispersaremos. Portanto, precisamos enfrentar a batalha espiritual e orar constantemente, enquanto cremos que o presente é apenas um estado temporário. O rompimento na apropriação virá à medida que ficarmos marretando a pedra. A pedra está mais fraca do que nunca. Talvez mais uma outra boa marretada e teremos um monte de areia ao invés de uma pedra.

Quando o Senhor orientou Josué e os Sacerdotes a fazerem a “Marcha de Jericó” durante sete dias, eles usaram o princípio do amolecer a pedra. Então, quando no sétimo dia os sacerdotes tocaram e trombeta e todo o povo gritou, as muralhas vieram abaixo.

As Escrituras nos encorajam a uma persistência constante e ao nosso exercício na piedade. Mesmo no mundo, ouvimos retrospectos de alguns feitos fantásticos que pessoas realizaram. Por exemplo, uma retrospectiva exaltava algumas mulheres que haviam aberto caminho inflexivelmente contra obstáculos quase impossíveis no que haviam realizado. Não havia jeito de desistirem – permaneceram insistindo. Uma mulher tinha ganhado a medalha olímpica de ouro por patinação figurada. Era fácil entender como ela pôde ganhá-la. Parecia tão fácil enquanto ela simplesmente deslizava no gelo com tanta graciosidade. Não parecia exigir o menor esforço. Qualquer um pensaria que se devia à sua grande habilidade natural. Depois foi dito por quantos anos ela tinha exercitado e praticado várias horas diariamente. Uma outra mulher tinha praticado vários anos de modo a descer montanha abaixo, de esquis, em um campeonato. Ela deixou de ganhar numa curva, só por um pequeno escorregão. Mesmo assim, continuou a praticar por mais alguns anos e finalmente ganhou o primeiro lugar.

A paciência e a perseverança destes competidores olímpicos nos fornecem exemplos espirituais. A vitória será ganha não por aquele que ora violentamente por uma noite ou duas, mas por aquele que clama dia e noite ao Senhor – disto vem a força espiritual. Cada vez que você começa a orar, você se fortalece mais. O que é que faz com que a retidão de espírito domine? Prática constante!

Um desses dias, antes que falemos, virá a resposta. Será como ver um patinador olímpico deslizando no gelo ao som de música – saltando e girando, tudo parecendo lindo e fácil, mas por trás todos os anos de prática, várias horas diárias. É isto que Deus está nos falando. Ele está dizendo que temos que orar e não desfalecer (Lucas 18:1). A persistência exigida é difícil de ser entendida por alguns. Fé fraca não é problema. Persistência é o problema. Na realidade, persistência violenta é o problema.

Uma coisa precisamos orar: “Senhor, abre nossos olhos para ver, e deixa-nos ser diligentes.” É na perseverança de um remanescente que os julgamentos de Deus encherão a terra. É na perseverança de um remanescente que as promessas empilhadas pelos séculos passados serão cumpridas nesta geração. É nessa verdade que devemos caminhar hoje. Vamos caminhar fielmente no que Deus colocou à nossa frente. Vamos crer que Ele renovará nosso espírito, fortalecendo-o ainda mais para perseverar nas coisas que Ele colocou diante de nós. Vamos ser firmes, inabaláveis, sempre abundantes na obra do Senhor.1 Coríntios 15:58.

Leia a mensagem completa em nosso site:

Reino Net
seção Ensinos do Reino.

 

voltar para Pérolas Diárias

left show tsN fwR normalcase|left tsN fwR uppercase bsd b01s|left show fwR uppercase bsd b01s|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase b01 bsd|login news fwR uppercase c05|tsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase bsd b01|content-inner||