33. Tabernáculos: A Fórmula Para a Alegria

A FÓRMULA PARA A ALEGRIA

(Mensagem da Festa dos Tabernáculos)

O Oitavo capítulo de Neemias se refere à observância da Festa dos Tabernáculos ou a Festa das Cabanas, depois do retorno de Israel do cativeiro babilônico. A Palavra de Deus era lida para o povo dia após dia e todos sentiam um espírito de arrependimento e lamentação por causa dos seus pecados, da negligência e falha em obedecer a tudo o que Deus tinha lhes falado, e eles choravam. No meio de sua lamentação a Palavra veio de Neemias, dizendo: “Este dia é consagrado ao Senhor vosso Deus; não pranteeis nem choreis. Porque todo o povo chorava, ouvindo as Palavras da lei. Disse-lhes mais: Ide, comei as gorduras, e bebei as doçuras, e enviai porções aos que não têm nada preparado para si; porque este dia é consagrado ao nosso Senhor. Portanto não vos entristeçais, pois a ALEGRIA do Senhor é a vossa força.” (Neemias 8:9b-10).

 A alegria, entretanto, não vem simplesmente por decidirmos estar alegres. Devemos saber também como ficarmos alegres. Nossos fracos esforços pessoais não são capazes de obedecer ao comando do Senhor para nos alegrarmos sempre. Quando estamos despedaçados e quebrantados, nossa própria determinação em nos alegrarmos pode não produzir a alegria que precisamos. A alegria deve vir de Deus, pois existem vezes em que nenhum acontecimento no nível natural, nenhum estímulo de circunstâncias e nada de dentro de nós é capaz de produzir qualquer alegria. A alegria é um estado de coração e depende de alguns outros estados e atitudes de coração. Combinados, eles se tornam a FÓRMULA pela qual podemos sempre ter alegria.

A fórmula para a alegria contém seis ingredientes que o capacitarão a estar sempre alegre, a despeito das circunstâncias que o confrontam. Entretanto, esta fórmula que produz alegria parece produzir rebaixamento e humilhação, justamente o oposto da alegria. Estes são os ingredientes: honestidade, humildade, fome, esperança, prontidão para servir e ouvir. Cada ingrediente nesta fórmula é surpreendentemente eficaz e pode, verdadeiramente, ser uma chave para se ter alegria.

O PRIMEIRO INGREDIENTE nesta fórmula é a honestidade.  O Salmo 51:6 diz: "Eis que desejas que a verdade esteja no íntimo; faz-me, pois, conhecer a sabedoria no secreto da minha alma". Esta oração de arrependimento começa com o tema “honestidade” - a verdade no íntimo. Em outras palavras, pare de enganar a si mesmo. Torne-se verdadeiramente honesto. Ouça o que Deus está falando ao seu coração e seja honesto a respeito disto; avalie-o profunda e cuidadosamente. O resultado de tão profunda honestidade é expresso mais tarde nos versículos 8 e 12. “Faz-me ouvir júbilo e alegria, para que se regozijem os ossos que esmagaste. Restitui-me a alegria da tua salvação e sustém-me com um espírito voluntário”.

Você nunca terá alegria enquanto estiver se enganando. A infelicidade é o resultado do engano interior. A alegria é resultado da verdade no íntimo. Uma pessoa pode ser miserável por anos, mas num dado momento pode ver a si mesma, honestamente, e confessar o que está no seu coração. A partir daquele momento, quando ela vê a verdade, e a confessa, começa a se mover para o caminho da alegria. A verdade no íntimo resulta na restauração da alegria.  Se você a perdeu, pense, volte ao passado e, provavelmente, se lembrará da vez em que abriu o seu coração para o engano. Se há qualquer "infelicidade" no seu coração, então você não conhece a verdade. Quando estiver perturbado por problemas, compreenda que em alguma área de sua vida, você está fugindo da verdade. Busque a Deus a respeito do que estiver se passando, honestamente, e a alegria jorrará quase imediatamente.

O SEGUNDO INGREDIENTE é a humildade. Para a maioria das pessoas ser humilde é degradante e sinônimo de ser pisado. Isto é alegria? Entretanto, Deus se opõe aos soberbos; a posição destes está sempre ameaçada (1 Pe 5:5). Ela é desafiada por Deus e pelos homens. As pessoas que são orgulhosas não entendem porque estão sendo desafiadas, porque são infelizes e porque estão sendo ameaçadas. A humildade resolveria seus problemas. Se você não tem sido muito feliz ultimamente, comece a ser honesto consigo mesmo, depois se humilhe um pouco. Quando você não se preocupar mais nem se desgastar para ser o rei da montanha, mas estiver satisfeito por estar em algum lugar no pé do monte, então descobrirá que ninguém o desafia por aquela posição. A maioria das pessoas está na defensiva por causa do seu orgulho, mas o humilde não tem nada para defender. “Os humildes o ouvirão e se alegrarão” (Salmo 34:2b). “Deus exalta o humilde. Ele dá maior graça. Portanto diz: Deus resiste aos soberbos; dá, porém, graça aos humildes. Humilhai-vos perante o Senhor e Ele vos exaltará” (Tiago 4:6-10). A humildade é um ingrediente essencial na fórmula para a alegria.

O TERCEIRO INGREDIENTE para a alegria é a fome.  No nível do espírito, as pessoas alegres são as famintas; no nível físico o natural é que o faminto seja infeliz. A fome do povo é muitas vezes a causa de revoluções. Um homem espiritual nunca está realmente alegre a não ser que esteja faminto. Você nunca conhecerá alegria maior do que durante o tempo em que está faminto por Deus com todo o coração. Quando seu estômago espiritual ronca com fome, seu coração canta.

Lucas 1:46-55 registra o Magnificat, a expressão de louvor de Maria, quando sua alma magnificou ao Senhor. Neste lindo canto ela proclamou que os abastados são despedidos vazios. Os orgulhosos e os arrogantes são derrubados também. Este é um princípio do Evangelho de Cristo que é difícil compreender. Você pode facilmente perceber a falta de sinceridade num cristão que parece ser muito radiante e alegre e que declara ser muito feliz por ter encontrado Jesus, entretanto, ele mantém uma satisfação pessoal com as posses e interesses mundanos.  O crente que é verdadeiramente alegre não precisa assumir uma falsa fachada diante do mundo. Alegria não é uma falsa aparência. É uma visitação real de Deus.  O espírito humano se torna alegre através de sua fome por Deus.

A linda canção de Ana também fala deste ingrediente da alegria. O Senhor lhe tinha dado um bebê, e quando ela o dedicou ao Senhor, cantou este cântico: “O Senhor empobrece e enriquece; abate e também exalta. Levanta do pó o pobre, do monturo eleva o necessitado, para o fazer sentar entre os príncipes, para o fazer herdar um trono de glória; porque do Senhor são as colunas da terra, sobre elas pôs ele o mundo. Ele guardará os pés dos seus santos, porém os ímpios ficarão mudos nas trevas, porque o homem não prevalecerá pela força. Os que contendem com o Senhor serão quebrantados; desde os céus trovejará contra eles. O Senhor julgará as extremidades da terra; dará força ao seu rei, e exaltará o poder do seu ungido”. (I Samuel 2:7-10).

Ana sabia que os cheios de si e presunçosos saíram vazios, enquanto os famintos seriam satisfeitos e teriam alegria. Este tema se repete continuamente por toda a Escritura. Pode também ser observado na vida das pessoas. Você não precisa ser um profeta ou filho de profeta para perceber a presunção e arrogância daqueles que não são famintos por Deus, que não se humilham diante de Deus e não são honestos para com Deus. Eles são imitação. E não faz diferença como eles aparentam; no fim virão abaixo. Outros não parecem ser bem sucedidos; todavia são, sinceramente, honestos e humildes, têm fome por Deus e se estendem ao Senhor. Para o mundo eles parecem muito ingênuos, mas são os que encontram a maior alegria.

O QUARTO INGREDIENTE é a esperança. Provérbios 13:12 diz: “A esperança adiada entristece o coração; mas o desejo cumprido é árvore de vida.” A esperança sustenta a alegria. As emoções podem se desvanecer com o tempo, mas o amor, a alegria, a paz e os outros atributos do fruto do espírito têm uma qualidade de sustentação que é muito permanente. “Espera em teu Deus” é a admoestação das Escrituras. Com grande esperança nós temos grande alegria, uma alegria que torna rico o tempo presente até mesmo antes do dia em que a esperança se cumpre. Você não precisa esperar pelo cumprimento para sentir-se alegre. Sua própria esperança preencherá o presente com alegria. Mas quando a fé e a esperança desvanecem, então o desespero e desânimo se tornam o estado de coração, e toda a alegria do tempo presente se dissipa. Você quer ser alegre? Mantenha sua esperança. Mantenha-a viva, forte e brilhante. Se Deus lhe deu uma promessa, espere-a com todo seu coração.  A verdadeira esperança sempre experimenta uma alegria presente, com uma fé persistente para o futuro.

“Mas agora, permanecem a fé, a esperança, o amor, estes três; mas o maior destes é o amor” (I Coríntios 13:13). Embora o maior dos três seja o amor, a fé não é necessariamente mencionada primeira porque seja mais importante do que a esperança. A esperança é também uma expressão de fé, uma fé que não se afrouxa. Você pode ter fé, mas terá fé continuamente se ela for unida com a esperança. A verdadeira esperança tem uma fé que persiste para o futuro. Muitos têm uma fé oscilante diante da adversidade; uma fé que sofre altos e baixos continuamente. Deus testa sua esperança - uma esperança que vai ser persistente para o futuro. A esperança persistente é fé que não duvida. E é parte da fórmula da alegria.

Estes ingredientes são as maiores chaves para possuir a alegria que você certamente encontrará. Eles explicam porque algumas pessoas têm alegria e outras não. A alegria não é uma qualidade indefinível que cai do céu para que você diga: “Estou alegre! Eu tenho os risos da alegria!” Não é isto o que Deus quer dizer quando fala de alegria. É verdade que alegria é uma impartição, mas deve ser baseada num estado de coração.

O QUINTO INGREDIENTE é a capacidade de servir e presteza em servir. Paulo escreveu aos Coríntios, dizendo que não era um ditador sobre a fé deles, mas um ajudador de sua alegria (II Coríntios 1:24). Quando ele ministrou a eles e estes abriram o seu coração para o ministério de Paulo, o resultado foi a alegria. Paulo também escreveu aos Filipenses: “Vocês são minha alegria e minha coroa” (Filipenses 4:1). Aqueles a quem ministrava eram sua alegria e ele era um ajudador da alegria deles. Você recebe alegria, não somente quando ajuda alguém com a sua fé, mas quando aceita a ajuda dos outros. É pouco provável que haja qualquer alegria sem uma troca de dar e receber. Não é na base do merecimento nem da troca de favores, simplesmente porque a alegria é impartida pela sinceridade no dar e receber.

Jesus ensinou o mesmo princípio aos seus discípulos, dizendo-lhes para lavar os pés uns dos outros. Porque Ele lavou os pés deles, assim também deviam lavar os pés uns dos outros. Jesus disse: “Se conheceis estas coisas, bem-aventurados sois se as praticardes”. (João 13:17). A alegria (bem-aventurança) vem quando damos e quando recebemos ajuda. “Façam a minha alegria completa”, Filipenses 2:2, é outra passagem bíblica que se relaciona ao mesmo processo. Receba ajuda de alguém. Dê ajuda a alguém.

Se seguir estas diretrizes, você nunca terá desculpas para experimentar angústia ou desespero. Se acontecer é porque em algum lugar do caminho você perdeu parte da fórmula. Já houve vezes em que se sentiu muito alegre sem saber por quê?  Você não tinha recebido aumento e nada em particular tinha acontecido. Talvez simplesmente tenha se ajoelhado e se humilhado diante do Senhor. Talvez você tenha gastado um tempo sozinho e abriu o seu coração honestamente para o Senhor, dizendo-Lhe que tinha de enfrentar algumas coisas que estavam erradas. Talvez você se levantou numa manhã sentindo-se desgostoso com o mundo e sentiu uma profunda fome de Deus. Como resultado, dentro de pouco tempo, você estava alegre. Algumas pessoas tentam duramente serem felizes. São determinadas e direcionadas a serem felizes. Sob certas circunstâncias determinaram em suas mentes que serão tão felizes quanto decidirem ser. Mas é muito esforço! Se apenas seguissem esta fórmula, sua alegria cresceria grandemente.

A SEXTA parte da fórmula é ouvir. O profeta escreveu: “Acharam-se as tuas palavras, e eu as comi; e as tuas palavras eram para mim o gozo e alegria do meu coração; pois levo o teu nome, ó Senhor Deus dos exércitos”. (Jeremias 15:16). Raramente você se sentirá tão bem depois de assistir televisão, mesmo um programa bem engraçado, quanto depois de ouvir a Palavra de Deus. A verdadeira alegria que você está buscando não vem porque você decide colocar o Espírito Santo de lado e se divertir.  Passar uma tarde ou noite em frente à televisão, bebendo e comendo, não significa que irá para a cama feliz e alegre. Algumas pessoas insistem em assistir as últimas notícias. E o que dizer de ler as Escrituras? Oh, isto pode esperar até amanhã se elas tiverem tempo. Depois de ouvirem o noticiário terão certeza de que algo ruim está acontecendo, mas não sabem ao certo o que é; conseqüentemente passam uma noite miserável. Quando aprenderemos que a alegria não vem por satisfazermos ou mimarmos a carne? A verdadeira alegria nunca virá a não ser por um processo inteiramente diferente: "Tua Palavra era a alegria e o gozo do meu coração".

Agora que aprendemos os ingredientes para a alegria, vamos considerar as qualidades negativas que produzem o oposto da alegria. O oposto da honestidade é a fraude; da humildade, orgulho; da fome, satisfação; da esperança, o desespero; da ajuda, a independência. E, finalmente, rejeitar a Palavra é o oposto de ouvi-La. Não existe antibiótico que possa aliviar a miséria da alma ou curar esses impedimentos mortais da alegria. As pessoas desonestas são comumente muito infelizes. Aquelas que são orgulhosas (o orgulho é uma forma de engano) não parecem ser muito alegres. E as que estão no meio do desespero, com nada senão trevas no seu coração, não têm alegria também.  Uma pessoa independente, que se recusa a ser parte do Corpo de Cristo e submissa a esse Corpo, não é feliz. Você nunca verá alguém rejeitar a Palavra, fugir e se afastar dEla ou negligenciá-La, sem ver também o sintoma da infelicidade enchendo todo o seu ser.

A alegria é encontrada ao renunciar a satisfação de si mesmo como indivíduo e saber que você só é completo em Cristo e num relacionamento correto com Seu Corpo. Isto é verdade também no nível natural. Uma linda jovem, que tem um bom emprego e um bonito carro, pode sentir que não tem necessidade de nada ou de ninguém. Ela é feliz e independente. Então se apaixona e renuncia a sua vida independente, concentrando-se agora em ser uma esposa, enquanto se determina a cuidar do homem com quem se casou, para estar com ele e servi-lo. Num certo sentido ela não é uma pessoa completa (pelo menos como era antes); mas em outro sentido ela se tornou completa. Agora ela está cheia de alegria. Ela se levanta de manhã e faz suas tarefas, depois sai para trabalhar, sentindo-se radiante. As outras no escritório olham para ela com curiosidade. Elas sabem porque está feliz; ela se casou.  (Mas não tenha a idéia de que isto será necessário para fazê-la feliz). Ela está feliz porque se tornou parte de um todo. Sua vida se tornou completa porque ela agora é uma parte, em vez de insistir em ser completa em si mesma. Essa é a chave da alegria. Você quer ser alegre?  Pare de ser independente. Torne-se envolvido com a obra do Senhor. Declare-se um servo do Corpo de Cristo. Faça o que for possível.

Este princípio é ilustrado repetidamente no livro de Atos. Os discípulos são descritos como sendo sempre cheios de alegria. Quando eles chegavam em casa cambaleantes, esmagados, sangrentos depois de açoitados, estavam alegres, se regozijando no Senhor, cheios da alegria do Espírito Santo. Sua alegria não era influenciada nem um pouco pelas suas circunstâncias nem pelas perseguições. Nada do que lhes aconteceu determinou o quanto de alegria teriam. Sua alegria era baseada no fato de que tinham cumprido esta fórmula. Quando todos os confortos de vida foram tirados daqueles cristãos primitivos, eles ainda estavam alegres. Eles tinham seguido a ordem de Deuteronômio a respeito da Festa dos Tabernáculos: “Estejais todos alegres”.

Alegrai-vos sempre no Senhor; outra vez digo, alegrai-vos”. (Filipenses 4:5).

Nos dias de Neemias a mesma ordem foi dada a um povo que subitamente tinha se tornado consciente de todo o seu pecado e de todas as suas necessidades. Eles estavam prontos para chorar, mas lhes foi ordenado para não prantear nem se entristecer, pois a alegria do Senhor seria sua força. Eles tinham se humilhado, e por isto se alegraram. Foi por isto que receberam tal ordem. É um processo simples. Se as pessoas seguirem os ingredientes simples desta fórmula, Isaías 51:11 promete que a alegria permanente estará sobre suas cabeças.

Outra passagem relacionada com a Festa dos Tabernáculos é Deuteronômio 16:13-15: “A festa dos Tabernáculos celebrarás por sete dias, quando tiveres colhido da tua eira e do teu lagar. E na tua festa te REGOZIJARÁS, tu, teu filho e tua filha, teu servo e tua serva, e o levita, o peregrino, o órfão e a viúva que estão dentro das tuas portas. Sete dias celebrarás a festa ao Senhor teu Deus, no lugar que o Senhor escolher; porque o Senhor teu Deus te há de abençoar em toda a tua colheita, e em todo trabalho das tuas mãos; pelo que estarás de todo ALEGRE.” A alegria é enfatizada nestas duas passagens: “A alegria do Senhor é a vossa força” e “Estarás de todo alegre”.

voltar para Páscoa... Tabernáculos

left show tsN fwR normalcase|left tsN fwR uppercase bsd b01s|left show fwR uppercase bsd b01s|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase b01 bsd|login news fwR uppercase c05|tsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase bsd b01|content-inner||