10. PÁSCOA: O Senhor é a nossa EXPERIÊNCIA

Esta mensagem foi data, originalmente,
como uma Palavra Viva a um igreja local.

 Alguém de vocês já teve a oportunidade de observar um calendário judeu? Vocês observaram que dois dias antes do início da Páscoa o calendário ortodoxo traz a palavra tormento? Dois dias. Mas no primeiro dia, na véspera da Páscoa, os judeus fazem um jejum pelos primogênitos.

Eu quero lhes falar sobre algo que está em meu coração. Nós celebramos a Páscoa, mas não literalmente. O que se tornou uma tradição para os judeus, não é o que nós seguimos. Nós voltamos às observâncias originais nas Escrituras para encontrarmos o significado espiritual, considerando sempre o que Paulo disse: “Todas estas coisas aconteceram àqueles homens para o nosso exemplo, e foram escritas para a nossa admoestação, porque sobre nós repousa o fim das eras.” (I Coríntios 10:11).Todas estas coisas foram escritas para o nosso benefício. Nós não celebramos a Páscoa com o cordeiro, mas os judeus também não fazem isto, eles perdem o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo. De uma maneira estranha, na sua incredulidade, os judeus dizem que o Cordeiro ainda não veio. Nós não celebramos nenhuma das Festas de uma maneira literal. Se fizéssemos isto, teríamos que nos acampar durante uma semana no período da Festa dos Tabernáculos e, pior que isto, nós não teríamos nenhuma barraca razoável, apenas uma pequena lona. Ninguém celebra a Páscoa da maneira literal, da mesma maneira como foi originalmente. A história e a tradição acabaram entrelaçando várias coisas à celebração destas Festas.

“É isto uma parábola para a época presente; e, segundo esta, se oferecem tanto dons como sacrifícios, embora estes, no tocante à consciência, sejam ineficazes para aperfeiçoar aquele que presta culto, os quais não passam de ordenanças da carne, baseadas somente em comidas, e bebidas, e diversas abluções, impostas até ao tempo oportuno de reforma. (Hebreus 9:9, 10).

A noite passada nós tivemos uma mensagem sobre a busca pelo fermento, e eu falei a vocês sobre o fermento dos fariseus. O fermento dos fariseus era justamente se apegar à religião para procurar o fermento – ironicamente. A mesma coisa acontece quando você começa a considerar a verdadeira busca pelo fermento. Eu dei a vocês um lado da moeda a noite passada. E eu estava um pouco perturbado durante todo o dia enquanto esperava no Senhor, sentindo que aquela Palavra da noite passada deveria ser completada para vocês nesta noite.

“Por isso, celebremos a Festa” (da Páscoa) “não com o velho fermento, nem com o fermento da maldade e da malícia, e sim com os asmos da sinceridade e da verdade”. (1 Coríntios 5:8). ”Um pouco de fermento leveda toda a massa”. (Gálatas 5:9).

Nós devemos realmente traçar um quadro do que o fermento é na verdade e de como encontramos este fermento. Você pode dizer: - “Bom, eu não vou ser super religioso, porque sei que este é o fermento dos fariseus.” Mas, e o fermento que você sabe que está na sua vida? Como você vai vencê-lo? O que você vai fazer com este fermento? Se vocês permitirem que eu trace um quadro nas Escrituras esta noite, nós tentaremos mostrar a vocês como devemos vencer e encarar o fermento em nossos pensamentos; como descobrir o fermento e nos livrar dele. Porque a verdade é que vocês gostariam de celebrar a Páscoa muito mais justos do que vocês são, não é verdade? Quantos gostariam de celebrar, pelo menos, uma Festa sem que o Senhor lidasse com os problemas? É, mas eu tenho algo para dizer para vocês: não é desta vez. Quem sabe o ano que vem; talvez o ano que vem nós celebraremos a Festa sem nenhum problema, mas nesta Festa nós vamos sondar e procurar em nós tudo o que o Senhor deseja que saia fora do caminho. No entanto, não o faremos com uma idéia de uma busca religiosa – uma coisa da carne, uma religião – procurando tentar melhorar a nós mesmos ou nos aperfeiçoar, mas procurando o que Deus nos ensina a respeito da maneira como Ele pode remover de nós as coisas que nos corrompem. Há uma maneira, uma única maneira, a maneira correta e, se nós nos desviarmos dessa maneira, nós perderemos tudo.

Bom, nós teremos que trabalhar; peguem as suas Bíblias, vamos trabalhar nisto.Êxodo 12 nos conta a história da Páscoa. Esta noite eu vou fazer algo sobre o qual muitas pessoas criticam na verdade: Escrituras ou passagens que são tomadas aqui e ali. Mas eu confio na integridade da mente de vocês de que vocês não vão me criticar, porque eu irei tomar algumas passagens sem ler todo o texto. Estou tomando algumas pequenas passagens apenas para enfatizar algo. Não temos tempo para ler todos os capítulos 12 e 13 de Êxodo, portanto, não vamos fazer isto. De fato o que nós queremos é pegar o fio da meada deste fermento – como ele começou.  Então vamos tomar apenas algumas passagens, e vocês poderão ler os capítulos 12 e 13 na íntegraem casa. Vocês confiam em mim?

 Êxodo 12:15: “Sete dias comereis pães asmos. Logo ao primeiro dia tirareis o fermento das vossas casas, pois qualquer que comer cousa levedada, desde o primeiro dia até ao sétimo dia, essa pessoa será eliminada de Israel.” Versículo 19: “Por sete dias não se ache nenhum fermento nas vossas casas; porque qualquer que comer pão levedado será eliminado da congregação de Israel, tanto o peregrino como o natural da terra.” Vocês não devem comer nada que seja fermentado; mesmo os peregrinos não devem comer o pão levedado. Versículo 34: “O povo tomou a sua massa, antes que levedasse, e as suas amassadeiras atadas em trouxas com seus vestidos, sobre os ombros.” Versículo 39: “E cozeram bolos asmos da massa que levaram do Egito; pois não se tinha levedado, porque foram lançados fora do Egito; não puderam deter-se e não haviam preparado para si provisões.” (Você percebe? Eles não apenas escaparam do Egito, mas foram lançados fora. Às vezes quando você ora por libertação, você não está pronto para esta libertação quando ela vem. Vocês sabem o que eu estou dizendo). Eles foram lançados fora do Egito e não podiam demorar. Eles não tinham preparado nenhuma provisão para si mesmos. Eles saíram com muita pressa, na verdade foram lançados fora.

Há muito que compreendermos com relação à busca pelo fermento. Isto contém, na verdade, um significado que seria revelado a eles, apesar de que para os judeus isto apenas se tornou um ritual ou uma tradição.

Eu me lembro de uma viagem que fiz a Israel. Havia um guia, e eu disse a ele: “Me diga: você mantém a tradição judaica?” “Não, não realmente. Mas eu creio na tradição” - ele disse. Mas uma coisa com relação a este caminhar com Deus é que nós realmente não cremos na tradição. Quem é tradicional? Nós temos até mesmo sido muito cuidadosos para mudar a nossa maneira de adorar, de ano a ano, para que não sejamos culpados de criar rituais e formas de adoração. Nós sempre buscamos manter o novo, o recente na adoração; uma coisa realmente fresca, uma coisa espontânea – um relacionamento espontâneo com o Senhor,  na adoração. Vocês viram esta noite? Nós entramos numa adoração nova ao Senhor e, continuamente, o Espírito do Senhor está trabalhando em você para manter nesta adoração algo vivo e fresco. Você pode não fazer coisas como fez antes, mas a adoração é a mesma; é um contato fresco e vivo com o Senhor. Você está sempre esperando para saber de que maneira você vai servir ao Senhor. Como iremos servir ao Senhor amanhã? Como iremos servi-Lo nesta noite?

Eu tenho, no coração, meditado com relação a esta Festa, porque o Senhor revelou que esta Festa será uma experiência para vocês. Vocês não devem ouvir este ensinamento, mas experimentá-lo, vocês devem se encharcar dele. Quando eu falar com vocês, mudem. Diga: “Eu estou buscando pelo fermento; que a Palavra se cumpra novamente: Agora vós estais limpos pela Palavra que vos tenho falado.” (João 15:3). O Senhor traz uma Palavra e muda as coisas. Seja limpo porque você ouve uma Palavra do Senhor. Isto requer de você, de sua parte, uma receptividade em fé. É ouvindo pela fé que você muda. Como os milagres são operados dentro de você? Os milagres são operados pelo Espírito ou eles são realizados por uma viagem legalística ou um ritual religioso que você aprendeu? Não. Você muda porque você ouve uma Palavra do Senhor e ouve esta Palavra com fé.  E você se determina a experimentar isto hoje, esta noite. Você irá experimentar esta Palavra e irá mudar. Creia nisto. Isto parece muito simples e, se você complica, você nunca vai ter isto. Se apenas crer, você vai ter,  certo?

A reunião desta noite provavelmente irá culminar em uma das maiores experiências que vocês já tiveram, porque vocês vão experimentar a Palavra enquanto estou falando com vocês; vocês se aproximarão do Senhor Soberano.

“O cordeiro será sem defeito, macho de um ano; podereis tomar um cordeiro ou um cabrito; e o guardareis até ao décimo quarto dia deste mês, e todo o ajuntamento da congregação de Israel o imolará no crepúsculo da tarde. Tomarão do sangue e o porão em ambas as ombreiras e na verga da porta, nas casas em que o comerem; naquela noite, comerão a carne assada no fogo; com pães asmos” (sem fermento) “e ervas amargas a comerão. Não comereis do animal nada cru, nem cozido em água, porém assado ao fogo: a cabeça, as pernas e a fressura. Nada deixareis dele até pela manhã; o que, porém, ficar até pela manhã, queimá-lo-eis.” (Êxodo 12:5-10).

“Este é o pão que desce do céu, para que todo o que dele comer não pereça.  Eu sou o pão vivo que desceu do céu; se alguém dele comer, viverá ternamente; e o pão que eu darei pela vida do mundo é a minha carne. Disputavam, pois, os judeus entre si, dizendo: Como pode este dar-nos a comer a sua própria carne? Respondeu-lhes Jesus: Em verdade, em verdade vos digo: se não comerdes a carne do Filho do Homem e não beberdes o seu sangue, não tendes vida em vós mesmos. Quem comer a minha carne e beber o meu sangue tem a vida eterna, e eu o ressuscitarei no último dia. Pois a minha carne é verdadeira comida, e o meu sangue é verdadeira bebida. Quem comer a minha carne e beber o meu sangue permanece em mim, e eu, nele”. (João 6:50-56).

“Enquanto comiam, tomou Jesus um pão, e, abençoando-o, o partiu, e o deu aos discípulos, dizendo: Tomai, comei; isto é o meu corpo”. (Mateus 26:26).

Qual é a inovação da Páscoa com relação às tradições que foram ensinadas por Moisés? É que o Cristo desceu dos céus para dar vida ao mundo e o Senhor nos deu o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo. Ele nos deu o Seu corpo, através do pão que nós comemos, e isto nos transforma à Sua imagem, e nós podemos dizer como Paulo: “Cristo, nossa Páscoa, foi crucificado por nós.” “Alimpai-vos, pois, do fermento velho, para que sejais uma nova massa, assim como estais sem fermento. Porque Cristo, nossa páscoa, foi sacrificado por nós.” (I Coríntios 5:7). Nós vemos que os julgamentos de Deus fizeram com que Jesus Se transformasse no Cordeiro.  Mas se você se envolve ou focaliza apenas nos rituais da Páscoa – o ritual da busca pelo fermento – você irá perder o foco no fato de que tudo isto aponta para uma só coisa que é: Jesus é o Cordeiro; Cristo é a nossa Páscoa. E vocês vão experimentar isto nesta noite. Tudo o que eu disser nesta noite irá abrir para vocês novos processos de Deus, através dos quais Ele irá mudá-los; através dos quais Ele fará o Seu Filho realpara vocês; através dos quais Ele lhes impartirá a Sua nova natureza e varrerá o fermento da sua velha vida, do seu velho ser, do velho padrão da sua existência e os farão aceitáveis às vistas de Deus. Não pelas obras que vocês fazem, mas pelo o que Ele lhes imparte. Ele olhará para vocês e dirá: “Isto é bom. Eu vejo uma verdadeira justiça, a Minha justiça neste homem, nesta mulher.” É isto o que realmente importa e tem que se tornar algo simples para vocês. Tão simples que vocês possam ver e dizer: “Sim, eu creio nisto.”

Irmão, eles dizem, lá fora, que você está querendo criar uma nova religião. Meu Deus, o que estou tentando fazer é tirar vocês da religião! Tirar vocês de qualquer religião que possa existir e que seja um desvio ou esteja saindo fora da apropriação divina, da pureza de se apropriar de Deus como um dom de graça para o seu próprio coração – algo que realmente se torne real para você. Vocês crêem nisto, não?

Paulo ensina que a procura religiosa pelo fermento pode se tornar, em si mesmo, um fermento. Toda fez que você procura aperfeiçoar-se na carne, por um esforço religioso, você está criando um fermento, o fermento do legalismo. Este é o fermento dos fariseus e saduceus, que Jesus lembrou para os discípulos tomarem cuidado (Mateus 16:6). Veja o texto abaixo, da carta de Paulo aos Gálatas:

“Para a liberdade foi que Cristo nos libertou. Permanecei, pois, firmes e não vos submetais, de novo, a jugo de escravidão. Eu, Paulo, vos digo que, se vos deixardes circuncidar, Cristo de nada vos aproveitará. De novo, testifico a todo homem que se deixa circuncidar que está obrigado a guardar toda a lei. De Cristo vos desligastes, vós que procurais justificar-vos na lei; da graça decaístes. Porque nós, pelo Espírito, aguardamos a esperança da justiça que provém da fé. Porque, em Cristo Jesus, nem a circuncisão, nem a incircuncisão têm valor algum, mas a fé que atua pelo amor. Vós corríeis bem; quem vos impediu de continuardes a obedecer à verdade? Esta persuasão não vem daquele que vos chama. Um pouco de fermento leveda toda a massa” (Gálatas 5:1-9).

Agora eu quero falar um pouco sobre a Ceia (Comunhão), I Coríntios 11. Vamos começar com o versículo 27“Por isso, aquele que comer o pão ou beber o cálice do Senhor, indignamente, será réu do corpo e do sangue do Senhor.” Eu quero dizer uma coisa para vocês: Não brinquem com isto. Não brinquem com isto. Não diga casualmente: “Bom, eu tenho uma fórmula religiosa mágica. Eu vou tomar a Ceia.” Mas o que você é? O que você foi? “Ah! Eu era um católico romano, um apostólico romano; eu acendia velas, rezava o Pai Nosso e fazia muitas coisas; fazia as coisas às quais eu deveria fazer.” Os protestantes podem fazer a mesma coisa; podem começar a fazer da Ceia um ritual. Seria melhor que não tomassem a Ceia, porque no dia seguinte eles sempre descobrem algo acontecendo com eles. Porque a Palavra diz: “... que o homem examine-se a si mesmo.” Mas eles tomam a Ceia sem fazer isto – sem se examinarem. E quando eles comem do pão e bebem do cálice, eles comem e bebem julgamento para si mesmos. Eles não discernem o Corpo da forma correta, e é justamente por esta razão que muitos são fracos e doentes, e muitos deles acabam se desviando. Mas se nós julgarmos a nós mesmos da maneira correta não seremos julgados. Nós seremos disciplinados para que não sejamos julgados e condenados juntamente com o mundo. O que eu estou tentando dizer aqui é muito simples, e eu espero que vocês realmente compreendam.

Vocês vêm para a Ceia, e eu quero lhes dar uma ilustração sobre a Páscoa. “Que o homem examine a si mesmo” só assim ele poderá vir ao Senhor de uma forma segura. Um homem diz: “Ah, eu vou sondar o meu coração!” Sim, mas certifique-se de que você está sondando o seu coração da maneira correta. Você poderia entrar numa viagem de auto-condenação, de maneira introspectiva, até procurar por falhas, enquanto está engolindo camelo. Bom, o que eu estou dizendo aqui é que o homem examine-se a si mesmo.

Esta Palavra irá apontar a maneira como o fermento é encontrado na sua vidaIsto é feito através de um ato de fé da sua parte que se estende e, através da Palavra, através do Espírito Santo, vê Deus fazendo a coisa dentro da sua vida, vê o Senhor tirando para fora o fermento. O que estamos dizendo não é: “Faça uma viagem religiosa para dentro de si mesmo e tente ver como você pode se aperfeiçoar ou melhorar por você mesmo e eliminar alguns dos problemas.” Não, mas vá diretamente à raiz da coisa básica. Se você muda é porque você realmente se apropria de Deus. Examine-se a si mesmo. Mas como eu vou fazer isto? Você nunca irá encontrar o fermento, a não ser que haja uma sondagem de coração feita pelo Espírito Santo.

No Antigo Testamento, Salmos 139:23, 24“Sonda-me, ó Deus, e conhece o meu coração, prova-me e conhece os meus pensamentos; vê se há em mim algum caminho mau e guia-me pelo caminho eterno.”  Lindo! O Senhor me sonda. Isto não significa dizer: “Bom, Senhor, eu deixo o meu coração nas Suas mãos e eu vou dormir, e enquanto isto o Senhor sonda o meu coração.” Não significa vir e tomar a Ceia de uma maneira descuidada. Não. Significa examinar-se a si mesmo e fazer isto com a ajuda do Espírito Santo; fazer isto porque há uma iluminação divina que não apenas revela Jesus Cristo como a resposta para as minhas necessidades, mas como diz na Palavra: “... na Tua luz, nós vemos a luz.” (Salmos 36:9). Nós vemos o que nós precisamos ver porque o Senhor está brilhando sobre as nossas vidas. Amém! Ele nos dirige até que a nossa luz brilhe mais e mais até ser dia perfeito.

A sondagem pelo fermento vai acontecendo a cada nível, mas isto não acontece porque você é capaz de descobrir as coisas por si mesmo. Já lhe aconteceu de ir para uma reunião se sentindo muito bem, achando que você estava fazendo as coisas muito certas, simplesmente para ver o quanto você ainda precisava de se apropriar do Senhor? Como é grande a necessidade de se apropriar mais! Isto quer dizer que você estava errado quando você veio para aquela reunião se sentindo tão bem e de repente começou a ver a sua necessidade, ver o quanto você precisava de se apropriar? Não. Isto significa que a Palavra projetou você a um novo nível, a luz brilhou no seu caminho e você viu o Senhor, exaltado e grandioso. E você disse: “Ai de mim! Pois eu sou um homem de lábios impuros!” (Isaías 6:5).

Quando nós vemos o Senhor, há uma revelação d’Ele e Ele também nos traz uma revelação de nós mesmos. Ele não faz isso para produzir um desespero completo em você, mas para trazer o Espírito Santo, a fim de que Ele possa sondar e purificar você, convencê-lo do pecado, da justiça e do julgamento que virá, para que você seja limpo. (João 16:8). Ele traz a Sua Palavra para que você possa se tornar a noiva de Cristo, como Efésios 5 descreve. Você será a noiva sem manchas; você será apresentado a Ele sem nenhuma mancha. O que Efésios 5 diz? Que você será limpo pela lavagem da Palavra, pela purificação. “Vós sereis limpos pela água”, e a água é a Palavra. O Senhor lhe diz: “Eu lhe dei a Minha Palavra. Eu lhe trouxe a Minha Palavra.” E você diz: “Senhor, sonda o meu coração.” E Ele lhe fala: “Você já está limpo pela Palavra que Eu trouxe a você. Agora o fermento se foi por causa da Palavra que Eu falei a você.” Então, o que na verdade isto significa? Sobre o que estamos falando? Experimente, ouça, se aproprie, mude. Creia que esta Palavra que você recebe, que você deseja, também cria todo um processo de libertação para que você entre na pureza que Ela demanda e nesta experiência que Ela exige: é pela apropriação do Senhor que a Palavra exige que você realize algo. Isto é bom! Sim, é bom. Nós nos apropriamos disso; nós amamos isso. Amém!

Esta é a realidade. Tudo fora disso é uma simulação – é falso. Qualquer coisa fora disso, certamente, produzirá uma coisa que você pensa que parece ser bom a Deus, mas, na verdade, você sabe que não é bom para Ele; não é bom aos olhos de Deus. Deus está dizendo: “Eu lhe dei a Palavra e é isso que Eu quero.” Na verdade o que Deus está dizendo é: “Eu quero olhar para você e Me ver.” O Senhor tem brilhado nos nossos corações. Nós temos esse tesouro em vasos de barro. Ele revelará nos Seus vasos de barro a luz e a glória do Senhor Jesus. Eu amo esta passagem de II Coríntios 4:7. É linda esta passagem! Vamos em frente. Vamos nos apropriar mais disso. 

Quando o Senhor conduziu os discípulos para a última Ceia, como você sabe, eles estariam celebrando a Páscoa e o Senhor Jesus estava para se tornar o Cordeiro da Páscoa, morto por nós. Uma coisa maravilhosa é encontrar nas Escrituras as passagens sobre o Cordeiro da Páscoa. O primeiro grande anúncio com relação ao Cordeiro foi feito por João Batista, às margens do Rio Jordão; ele disse: “Eis o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo.” (João 1:29). O Filho de Deus vem, não apenas para nos sustentar e nos fazer santos, mas Ele tira o pecado. Ele tira e remove todo o pecado que é repulsivo diante de Deus.

Você nunca compreende o que está errado com você até que ouça Palavras como esta. Há um novo nível se abrindo para mim aqui para um caminhar que eu ainda não tive, e eu me aproprio deste novo nível. E enquanto você se apropria, você quase consegue ouvir o barulho do hissopo lavando, tirando e varrendo todo o fermento. Você sente; você ouve este barulho. Você percebe que algo está acontecendo no profundo do seu ser. Vocês não acham que é assim?

Vamos voltar agora ao décimo terceiro capítulo de João, pois eu quero imprimir isto em suas mentes. O décimo terceiro capítulo começa com o “lava-pés” e prossegue com o Senhor falando com os discípulos. Esses são capítulos realmente gloriosos, e o Senhor fala do Espírito Santo que irá nos guiar para toda a verdade. É o Espírito Santo que irá trazer à luz todas as coisas que nós necessitamos e manifestará estas verdades aos discípulos. Capítulo 15: “Vós estais limpos pela Palavra que vos tenho falado.” Em todos estes capítulos, do 13 ao 17,  Ele está tratando de uma coisa: não a antecipação da agonia da cruz, mas, na verdade, o que a cruz iria cumprir ou trazer para aquelas pessoas. Ele realmente Se tornaria o Cordeiro da Páscoa para nós.

No Antigo Testamento, eles tomavam o cordeiro, o colocavam no queimador e o queimavam no fogo. O fogo é sempre símbolo de julgamento, e é isto que Cristo foi. Cristo foi colocado no queimador da eternidade. O fogo do julgamento veio sobre Jesus para que nós pudéssemos partilhar d’Ele, para que nós pudéssemos partilhar do Cordeiro. Nós partilhamos do Cordeiro, não apenas para deixar o Egito. Mas a razão básica pela qual eles participaram ou partilharam do cordeiro foi que um anjo da morte estaria passando e eles estariam protegidos, eles não poderiam nem mesmo sair para fora de suas casas; vocês sabem disso. O sangue sobre as ombreiras da porta significava que o cordeiro estava sendo comido pelas pessoas que estavam dentro da casa. Os primogênitos eram mortos, à medida que o anjo da morte passava pelo Egito. É isso que a Páscoa significa: “passar sobre” (O anjo do julgamento passando sobre nós).  Aquilo significava mais do que escapar de um julgamento porque dentro da casa eles estavam comendo do cordeiro, e eles não deveriam deixar nada do cordeiro até pela manhã. Todo o cordeiro deveria ser comido dentro da casa. O cordeiro é uma carne pesada; é uma carne boa, é facilmente digerida, mas é uma carne pesada para se comer. Todo o cordeiro!  Por isso nós devemos nos examinar, para que não sejamos condenados com o mundo, porque o anjo da morte irá passar sobre nós também. E nós precisamos discernir o que este sangue significa (discernir não só o sangue, mas também o Corpo).

Nós estamos saindo, estamos nos apropriando de força do nosso Senhor Jesus, estamos nos apropriando de vida divina e nos tornando o povo que Deus quer que nós sejamos. Estamos mudando, não por causa da religião, não por causa das coisas que estamos fazendo (a disciplina pessoal), mas por causa da apropriação e impartição. Nós temos o Cordeiro sendo digerido no mais íntimo do nosso ser. Estamos assimilando e nos apropriando d’Ele; nós estamos nos apropriando da vida do Cordeiro. Nós estamos preparados para isto. E, eles estavam com os lombos cingidos, sandálias nos pés e cajado nas mãos. Eles eram peregrinos; estavam prontos para se mover, e tudo de que eles precisavam era daquela Festa da meia noite – a hora do julgamento. E, mais uma vez, a Páscoa vem sobre nós como uma hora da meia noite. Uma hora em que, na história do mundo, Deus está tratando com a humanidade. Esta é a hora da meia noite, a hora do julgamento sobre a Terra. E nós tomamos do Cordeiro e estamos iniciando um caminhar para dentro do Reino de Deus. Estamos nos libertando do fermento. Nós estamos nos tornando livres das coisas que são corrompidas. Estamos dizendo: “Adeus, Egito. Adeus, fermento.” Amém! Estamos entrando no Reino.

Esta idéia de ter o Espírito Santo para sondar os nossos corações é algo bom e faz com que você não cometa erros. Não diga ao seu irmão: “Oh, meu irmão, venha, diga o que está errado em mim.” Porque você corre o risco de descobrir o que está errado com ele, enquanto ele diz o que está errado em você. Você pode achar difícil aceitar a opinião que ele tem sobre você porque a cada minuto que você o ouve, a sua opinião sobre ele está diminuindo. E vocês dois vão acabar com mais problemas do que quando iniciaram a conversa. “Bom, se eu não posso ir ao meu irmão e lhe perguntar o que há de errado em mim, o que eu posso fazer?” Peça ao Espírito Santo: “Sonda-me, ó Deus, e conhece os meus caminhos; prova-me e conhece as minhas faltas.” E aqui nós estamos novamente no Salmo 139.

Vamos ler ainda uma passagem em Salmos 51:6“Eis que te comprazes na verdade no íntimo...” (A versão King James traz “no profundo do ser.”) “...e no recôndito me fazes conhecer a sabedoria.” (no recôndito: “nas partes internas”). É interessante ver como os tradutores tiram da Bíblia aquelas palavras que parecem não ser agradáveis à mente moderna. Eles tiram todas as palavras relativas aos intestinos, às entranhas, que são encontradas na versão original. Vocês gostam destas palavras: o profundo do ser, o íntimo, o recôndito, as partes escondidas? Quantos nem têm idéia do que uma parte escondida é? Quantos nem sabem o que estas partes escondidas são? Mas o Senhor se compraz na verdade no íntimo e no recôndito me faz conhecer a sabedoria. Versículo 7: “Purifica-me com hissopo, e ficarei limpo; lava-me, e ficarei mais alvo que a neve.” É isso. Nós nunca somos capazes de fazer um trabalho tão bom como o Senhor faz. Fale a verdade, você sempre vivia um pouco desleixado ou então nunca conseguia tirar todas as ervas daninhas e, por mais diligente que você fosse, as ervas daninhas acabavam brotando novamente.  Mas há uma coisa muito melhor do que isso, e eu digo a você: “Quando o Senhor o faz justo, Ele realmente o faz justo.” Quando você se apropriar de algo pela fé, crendo realmente, aquilo irá funcionar na sua vida. Quanto mais eu retorno aos princípios fundamentais, mais eu creio que há apenas uma coisa que podemos fazer pelas pessoas, há apenas uma coisa que precisa acontecer com elas: elas têm que experimentar Deus. Vocês têm que experimentar Deus, têm que ter uma experiência com Ele. Eu não quero que vocês tenham experiências que nasçam da diligência em se disciplinarem. Eu quero que vocês experimentem Deus porque vocês têm fé. Eu quero que vocês tenham um encontro com Deus e que Ele os ilumine com a Sua luz, de maneira que possam ver a si mesmos. É na Sua luz que nós vemos a luz e começamos a ver o que as coisas realmente são; a Sua Palavra é lâmpada para os nossos caminhos. Ele nos sonda para saber o que está no recôndito, no mais íntimo do nosso ser.

Versículos 8 a 10: “Faze-me ouvir júbilo e alegria, para que exultem os ossos que esmagaste. Esconde o rosto dos meus pecados e apaga todas as minhas iniquidades. Cria em mim, ó Deus, um coração puro e renova dentro em mim um espírito inabalável.” Vocês gostam disso? Quantos estão aí dizendo: “Bom, eu tenho que melhorar meu espírito, tenho que torná-lo correto; o meu espírito não é correto diante de Deus.” Peça a Deus que crie um coração puro em você. Peça isto a Deus: “Deus, cria em mim um coração puro.” Há algo errado com você? Eu acho que às vezes nós confrontamos uns aos outros com relação às coisas que estão erradas, com relação aos problemas e acabamos caindo em brigas ou discussões. E quando apenas falamos: “Ah, eu vejo alguma coisa errada no meu marido ou na minha esposa!” Quem nunca disse isto? Você já disse isto ou alguém já disse isto a você?: “Querida, tem alguma coisa errada com você.” Invertendo esta atitude: nós vamos sentar e ter uma briga pra valer, vão “voar penas”. Não! Nós não chegamos até aqui para retrocedermos, levou muito tempo para chegarmos ao cume do monte para voltarmos ao ponto zero. Não vamos fazer isto. Quando você encontra ou se depara com um problema no seu irmão ou em você mesmo tenha a graça de dizer: “Vamos abrir as Escrituras, vamos receber uma Palavra de Deus e você vai orar comigo e eu vou crer que Deus irá criar em mim um coração que Ele deseja que eu tenha.” Eu quero dizer a vocês que este é um atalho para se tornar e não há nenhum outro caminho.

O que você vai fazer com esta Ceia? Você vai realmente experimentá-la? Ela será para você o Corpo e o Sangue do Senhor? Você estará examinando-se a si mesmo? Eu sei que vocês estão sentados aí e o Espírito Santo já está brilhando na vida de vocês. E, pela primeira vez, vocês estão tendo uma aproximação pura do Senhor. Pela primeira vez vocês estão sentados aí com uma verdadeira convicção, pelo Espírito Santo, do que realmente está errado. Mas com uma convicção ainda maior da plenitude de Deus que pode vir ao encontro dessas necessidades. Uma mistura de uma esperança tremenda com um sentido de realização vinda através de uma revelação de Deus, uma revelação que Ele lhe dá de Si mesmo. E você percebe que Deus irá fazer. Ele está lhe dando as promessas para que você partilhe da Sua própria natureza. Você crê nisto? Ele proveu todas as coisas para você. Você pode vir tomar a Ceia e não discernir o Corpo, não discernir tudo que o Senhor proveu ou preparou para você. Mas a Palavra diz que Ele preparou todas as coisas. Não há nada que Ele não tenha preparado para você.

Todas as vezes que participar da Ceia diga: “Olha, eu tomei a Comunhão, eu fui abençoado.” Mas declare isso discernindo o Corpo, examinando-se a si mesmo, para que você realmente participe desse milagre tremendo da graça de Deus, dessa coisa que pode vir a você. Você pode dizer: “Ah, eu não tenho muita fé.” Peça fé; peça por fé. Deixe que o Espírito Santo seja ativado na sua vida para que Ele tire o fermento da incredulidade. “Ah, mas eu tenho um espírito ruim, um espírito mau; o fermento da malícia; eu sou uma pessoa má, impiedosa.

Uma coisa é ter ouvido a mensagem a noite passada, mas é outra coisa ouvir esta mensagem nesta noite. Porque a mensagem da noite passada libertou você, mas esta Palavra, nesta noite, libertou você ainda mais. A Palavra desta noite trouxe você a uma posição em que você diz: “Eu vou ter isto. Não há razão pela qual eu não possa ser um homem (ou uma mulher) de Deus. Não há razão para qual eu não possa ser um bom despenseiro. Não há razão para o meu fracasso. Eu vejo o que está errado porque o Espírito Santo me unge para ver. Não há mais desculpas para mim. Eu não vou mais tomar a Ceia sem discernir ou perceber que Ele proveu todas as coisas para mim. Eu posso ter isto.” Isto não quebra, não derrete o coração de vocês? Isto não faz com que vocês percebam que esta é uma Palavra pura? Ouça a Palavra. Mude. Creia.Diga:  “O Senhor é real para mim nisso. Cria em mim, ó Deus, um coração limpo, renova em mim um espírito inabalável.”

Nós poderíamos continuar a ler toda a passagem. Eu sei que lhes transmiti toda a Palavra que eu desejava transmitir, porque o que aconteceu nesta noite foi o Espírito Santo falando a vocês. E esta é a razão pela qual esta Palavra veio a vocês. Vocês estão se apropriando, não estão? Nós vamos tomar a Ceia e eu não quero que o Espírito que está nesta Palavra mude; eu não quero perder a intensidade de fé que esta Palavra trouxe de que alguma coisa irá acontecer, e já começou a acontecer dentro de vocês. Vocês irão comer este pão (não fermentado), tomar do vinho e, quando fizerem isto, vocês irão mudar, porque vocês vão dizer: “Eu vejo o Cordeiro perfeito da Páscoa sobre mim, e eu estou comendo deste Cordeiro. Eu estou partilhando da plenitude do próprio Jesus Cristo. Eu tenho uma longa jornada à minha frente e eu não poderei chegar ao fim desta jornada, se não tiver o Cordeiro no mais íntimo do meu ser. Eu estou fazendo isto exatamente agora. Estou me apropriando d’Ele. Eu não sei o que vai acontecer amanhã, mas sei que eu vou caminhar com o Senhor por causa do que aconteceu aqui nesta noite. Eu sou livre. Eu sou livre. O sangue me purifica de toda a injustiça, de todo o pecado, e o Cordeiro de Deus me dá toda a força. Ele é a minha força. Ele é o meu cântico. Ele Se torna a minha salvação. Eu me aproprio de Você, Senhor Jesus.” Nós comemos d’Ele.

Os fariseus fugiram quando Jesus disse: “A não ser que comam da Minha carne e bebam do Meu sangue, vocês não têm vida em si mesmos.” Eles estavam tão condicionados na sua religião de que tomar sangue era proibido na lei, que eles não conseguiram entender o que o Senhor estava falando. Quando nós tomarmos deste vinho, vamos crer que isto é mais do que um gesto simbólico. As pessoas criticaram este gesto, em um nível da alma, durante muitos séculos, muitos anos, falando sobre as doutrinas, sobre comer a carne (transubstanciação era a palavra que elas usavam). Esqueça isso. A palavra identifica o que realmente é: “Esta é a Minha carne, este é o Meu sangue.” Examine-se a si mesmo e COMA, partilhe d’Ele.

Você pode comer do pão e beber do vinho e isto descer ao seu estômago realmente como pão e vinho apenas, se é isto que você crê. Mas algo pode acontecer no seu espírito se, pela fé, aquilo se torna o que o Senhor disse que é. O Senhor Se torna o Cordeiro porque Ele disse que é o Cordeiro. Ele Se torna a sua vida porque Ele disse que é a sua vida. Ele é o seu Redentor porque Ele disse que é o seu Redentor. A plenitude de Deus é sua porque Ele disse que é. O que Deus diz, realmente, é. E você crê nisto e você muda. Você se apropria enquanto come e diz: “Jesus, eu como de Você. Eu bebo Você. Eu me aproprio da Sua vida.”

Esta será a Páscoa mais maravilhosa, e todas as vezes que você tomar a Ceia algo lhe acontecerá, porque você estará partilhando de um milagre. Como você faz um milagre acontecer? Você não faz um milagre acontecer, você o come.

Voltando aos nossos pais apostólicos, eu sempre vejo a ênfase que eles davam ao milagre que o Senhor iria realizar. A verdade é que eles não só falavam sobre os milagres, mas eles os experimentavam. Eles não criaram doutrinas ou rituais religiosos, mas eles caminharam em fé e partilharam do Senhor, e milagres aconteceram nas suas vidas. O que você vai fazer? Vamos crer da mesma maneira. Vamos crer da mesma maneira? Então quantos irão mudar agora? Talvez vocês estejam sentindo que já estão mudando, que a Palavra está libertando vocês.

Bom, a Ceia está pronta, vamos partilhar dela. Alguém pode selar esta Palavra e o Espírito que está sobre nós para que este Espírito não seja quebrado, para que nós participemos da plenitude que Deus tem para nós. Todos se voltem para o Senhor cuidadosamente e se apropriem daquilo que Deus está fazendo agora. Nós nos recusamos a deixar que nossas mentes vagueiem ou se distraiam. Nós recusamos toda a distração. Mesmo no ato físico de tomar a Ceia, nós não seremos distraídos do foco da nossa fé e da nossa apropriação da mudança, e do milagre que Deus está fazendo em nós exatamente agora.

Oração: “Senhor, nós selamos esta Palavra enquanto o Seu Espírito está Se movendo em nós neste momento. Nós mantemos o nosso coração e o nosso foco no Senhor. Nós cremos que o Seu Espírito continua Se movendo e nos lavando com esta Palavra que o Senhor selou em nossos corações. Cremos que a Palavra traz um contínuo crescimento, em um trabalho em fé, neste momento em que nós partilhamos da Comunhão. Nós partilhamos do Senhor como o nosso pão sem fermento, e nós estamos mudando e nos apropriando da Sua justiça, até que entremos nesta plenitude de perfeição de Cristo. Amém!”

Um lembrete: Isto é importante: você pode comer um pouquinho do pão e um gole do vinho, mas você se apropria mais do Espírito quando o faz você da maneira como eles fizeram, porque a Palavra diz: “Comam todo o Cordeiro!” E eles partilharam todos juntos de todo o Cordeiro até que ele terminasse. É isso que nós devemos fazer também.

Oração: “Senhor, nós nos regozijamos pelo sangue de Cristo que trouxe tão grande libertação para nós. Este é para nós o sangue de Cristo. Nós tomamos deste sangue e o abençoamos, Senhor; ele é o sangue do Seu Filho querido para nós. Nós fazemos isto, reverentemente, para que haja toda uma purificação e para que obtenhamos o perdão de que necessitamos; o perdão de todo o erro dos nossos caminhos, de todo o pecado, de todo o pensamento presunçoso. Senhor, nós seremos limpos, absolutamente limpos. Nós nos apropriamos da purificação nessa Ceia. Nós comemos da plenitude e da força do Cordeiro, porque nós temos uma jornada para fazer em direção ao Reino. Nós podemos nos mover na força e no poder do Senhor que estão além de qualquer capacidade de permanecer ou suportar que o homem possa ter, porque nós não nos movemos baseados no homem, mas no poder de Deus.  Nós atingimos o dia em que as coisas não acontecem pela força nem pelo poder, mas pelo Seu Espírito. Amém! Senhor, nós tomamos esse corpo, bebemos desse vinho. Nós partilhamos disso  no nome do Senhor Jesus Cristo. Nós nos estendemos a Deus para nos apropriarmos disso.”

Enquanto você come, diga: “Eu mudo porque o Senhor me muda. É a Sua obra. Eu terei revelação. Eu terei unção. Eu irei vencer pelo sangue do Cordeiro.”

Há um grande gozo nisto. Não há nenhuma condenação nisso. Você está agora, provavelmente, muito mais consciente da sua necessidade do que você jamais esteve, mas não há auto-condenação, porque a revelação da plenitude de Deus é ainda muito maior. Você sabe que Ele é capaz de fazer todas estas coisas, e você se apropria d’Ele. Como o Senhor pode ficar apagado atrás da sua necessidade quando a Sua plenitude é tão grande? Apropriem-se dessa plenitude em nome do Senhor.

voltar para Páscoa... Tabernáculos

left show tsN fwR normalcase|left tsN fwR uppercase bsd b01s|left show fwR uppercase bsd b01s|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase b01 bsd|login news fwR uppercase c05|tsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase bsd b01|content-inner||