24. Estudo da Bíblia (Esboço: I Timóteo)

AUTOR:  Esta carta está incluída entre as chamadas “Epístolas Pastorais”, as quais alguns tentam negar a autoria paulina com argumentos não conclusivos. Prevalece a afirmação de que foi escrita cerca do ano 63 d.C. na Macedônia durante o intervalo entre o primeiro e o segundo aprisionamento de Paulo em Roma.

PROPÓSITO: Vemos nesta carta o desígnio de Paulo em suprir a seu discípulo, Timóteo, com exortações e encorajamentos, tanto para as  presentes como para as futuras responsabilidades. Timóteo, um pastor ainda sem experiência, foi deixado incumbido da importante igreja de Éfeso. Quando Paulo se despedia dos presbíteros de Éfeso, disse-lhes que não veriam mais o seu rosto (At 20:25). Mas, ao que parece, sua longa prisão fê-lo mudar de plano, e, uns seis ou sete anos mais tarde, depois de solto tornou a visitar Éfeso. Deixou Timóteo aí, esperando voltar logo, I Tm 1:3; 3:14. Detendo-se na Macedônia mais tempo do que planejara, 3:15, escreveu esta Carta a Timóteo. Como seu pai espiritual, escreveu para encorajá-lo e instruí-lo em relação a assuntos práticos como a adoração publica, as qualificações dos ministérios da igreja, e a confrontação do ensino falso na igreja. Também instruiu Timóteo acerca de relações com diversos grupos da igreja, incluindo as viúvas, os anciãos, os escravos e os falsos mestres. I Timóteo, por conseguinte, contém muita informação acerca dos problemas da igreja em desenvolvimento no primeiro século cristão. A epístola revela, do princípio ao fim, o calor pessoal do grande apóstolo em favor de seu filho na fé e a ênfase que ele punha sobre a grande qualificação  do ministro cristão, a piedade.

ESBOÇO PARA ESTUDO

(    ) SAUDAÇÃO, 1:2 – a responsabilidade em cuidar do filho espiritual estava apoiada em Deus; Paulo de si mesmo nada poderia fazer por Timóteo, mas apelava para a graça e a misericórdia do Senhor.

A SITUAÇÃO EM ÉFESO, 1:3-17

(    ) Os falsos mestres, 1:3-11 – Paulo previra, ao deixar Éfeso sete anos antes, que lobos vorazes assolariam o rebanho de cristãos efésios (At 20;29,20). Agora eles aparecem em toda a fúria e se constituem no principal problema de Timóteo. Eram pessoas que se baseavam em doutrinas estranhas e lendas judaicas apócrifas relacionadas com genealogias do Antigo Testamento.

(    ) A imperfeição de Paulo, 1:12-17 – o homem que em Cristo fez, possivelmente, mais do que todos os outros reunidos, humilhava-se nas profundezas do sentimento da sua própria indignidade. Quanto mais perto de Cristo se andar, tanto mais será o senso de humildade. Considerava sua conversão como destinada por Deus para ser um eterno exemplo da longanimidade divina para com os pecadores.

(    ) A INCUMBÊNCIA DADA A TIMÓTEO,  1:18-20 – a incumbência do discípulo era não se intimidar diante da luta. Os opositores mencionados são dois cabeças dos falsos mestres, dos quais, por causa da autoridade apostólica, Paulo cassou o direito de membros da igreja (“entreguei a Satanás”, v.20). Provavelmente, é o mesmo Alexandre de II Tm 4:14, que um pouco depois foi a Roma depor contra Paulo, e talvez aquele que a princípio fôra seu amigo devotado (At 19:33).

INSTRUÇÕES SOBRE A ADORAÇÃO PÚBLICA, 2:1-15

(    ) Orações, 2:1-8 – a súplica pelas autoridades era uma necessidade permanente. Nero, naquele tempo, era governante do Império Romano; na vigência de seu governo Paulo foi preso e iria em breve ser executado. Isto mostra que orações intercessórias devem ser feitas pela autoridade, independente se a sua conduta nos agrada ou não.

(    ) Conduta das mulheres, 2:9-15 – ver I Co 11:15; 14:34,35 – a advertência aqui é contra a exibição de trajes, especialmente nos cultos; a mulher deve manter toda a feminilidade, sem exageros, pois esta é uma dádiva divina. “Será preservada através de sua missão de mãe” v 15, se refere ao nascimento de Jesus, que nasceu da mulher sem participação do homem. Se o pecado da desobediência entrou no mundo através da mulher v. 14, pela mulher também nasceu o Salvador.

QUALIFICAÇÕES DOS PRESBÍTEROS E DIÁCONOS,  3:1-13

(    ) Presbíteros, 3:1-7 – provavelmente essas qualificações são dadas como ideais, não como exigência legal, taxativa.  “Uma mulher” v.2, quer dizer que ficam excluídos não os homens solteiros, mas os polígamos. Paulo provavelmente era solteiro, ou viúvo, I Co 7:8.

(    ) Diáconos, 3:8-13 – características semelhantes as dos presbíteros são mencionadas aqui. “Mulheres”  v. 11, provavelmente querendo dizer diaconisas.

(    ) PROPÓSITO DA INCUMBÊNCIA, 3:14-16 – “coluna da verdade” v. 15, não fosse a  igreja, o nome de Cristo desapareceria. O propósito da vida de Cristo foi cumprido plenamente v. 13 (possivelmente esse verso era trecho de um cântico entoado na igreja).

INSTRUÇÕES SOBRE A APOSTASIA,  4:1-16

(    ) A apostasia descrita, 4:1-5 – apesar da verdade estar dentro da igreja, sistemas demoníacos procuravam ensinar a abstinência de alimentos e de relações conjugais para tentar perturbar os cristãos.

(    ) Métodos de tratar a apostasia, 4:6-16 – a melhor maneira de se vencer ao engano e ensinos diabólicos e fundamentar os cristãos com as verdades do Evangelho é através da

“leitura, exortação e ensino”  v. 13. Tudo isso levará cada ovelha a se defender do lobo voraz, que surge no meio do rebanho, buscando a quem possa devorar.

INSTRUÇÕES SOBRE GRUPOS E INDIVÍDUOS NA IGREJA, 5:1-6:21

(    ) Homens, mulheres, jovens e idosos, 5:1,2 – a repreensão deverá ser dada com sabedoria, procurando de encaixar às necessidades individuais, com o intuito de cooperar de forma positiva para com o irmão faltoso.

(    ) Viúvas, 5:3-16 – a igreja em Éfeso tinha dez anos de existência, e sua obra de beneficência estava bem desenvolvida e era bem administrada. O cristão que não sustenta os que dele dependem é pior que o incrédulo, v. 8.

(    ) Anciãos e anciãos em perspectiva, 5:17-25 – chamados “bispos” em 3:17, onde se mencionam suas qualificações. Temos agora como devem ser tratados. Ali também surgiram os mexeriqueiros que murmuravam contra os líderes de sua igreja, v. 19. A orientação de ingerir vinho era um conselho medicinal, e não uma forma de incentivar a bebedice.

(    ) Escravos, 6:1,2 – comparar com I Co 7:20-24 -  não importa se a pessoa é escrava ou livre. Que se tornassem livres, se pudessem. Mas se não, que fossem bons escravos. É assim que estes são, freqüentemente exortados, Ef. 6:5-9; Cl 3:22-25; Tt. 2:9,10.  O cristianismo aboliu a escravatura, não por falar contra ela, mas por ensinar a doutrina da fraternidade humana.

(    ) Falsos mestres, 6:3-10 – os contendores aparecem com ensinamentos aparentemente sadios e proveitosos, mas logo se revelam em sua malícia e desígnio mau. Através dos séculos, doutrinas da igreja têm sido deturpadas para que haja renda para seus cofres.

Timóteo, 6:11-21

(    ) Incumbência do próprio Timóteo, 6:11-16 – as orientações dadas pelo apóstolo se seguidas pelo discípulo, certamente o preservariam e o manteriam fundamentado no mais puro ensino.

(    ) Através dele aos ricos, 6:17-19 – a situação econômica financeira dos cristãos, sejam elas boas ou ruins, não devem criar classes dentro da igreja. Aos ricos é orientado que estejam prontos a ajudar aos necessitados e a não se apegarem à riqueza que é tão instável.

(    ) Um apelo final, 6:20,21 – o ensinamento recebido é para ser guardado e aplicado em época oportuna, e não para ser discutido, pois muitos fazem dele motivo de discussões e polêmicas infindáveis, o que nenhum proveito produz.

 

voltar para Estudos da Bíblia

left show tsN fwR normalcase|left tsN fwR uppercase bsd b01s|left show fwR uppercase bsd b01s|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase b01 bsd|login news fwR uppercase c05|tsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase bsd b01|content-inner||