Lição 07 - O Reino: Mais Que Uma Coroa Na Cabeça

SUMÁRIO:

A partir do levante de Adonias e sua ambiciosa presunção de que ele seria rei sobre Israel em vez de Salomão (que era o escolhido de Deus), nós aprendemos o verdadeiro modo pelo qual a autoridade é estabelecida e repartida no Reino de Deus. A grande fórmula para o sucesso não é exaltar a si mesmo e dizer: "Eu serei rei", pois todo aquele que se exalta certamente será humilhado. Mas através da disciplina do Senhor nós aprendemos a verdadeira humildade e maturidade que permite Deus distribuir a autoridade que Ele primeiramente concentrou naquele que Ele ungiu. 1Rs 1.5-12,21; 2.1-4 [2Sm 23.8-39; Rm 9.13; 1Sm 16.7; Jz 6.15; 7.7-8; Mt 5.5; 1Sm 3.13; 1Rs 2.24-25; At 6.1-7; 1Rs 1.33,38-39; Mt 21.1-9]

Originalmente o Antigo Testamento foi escrito em hebraico e aramaico. Nos escritos originais hebraicos 1 e 2 Reis formavam um só livro. Este único livro foi dividido quando 70 estudiosos hebreus traduziram o Antigo Testamento para o grego. Esta tradução foi feita antes de Cristo, antes da era cristã. Ela é chamada de "Septuaginta", o que significa "tradução dos setenta".

1 e 2 Reis cobrem o período do reino de Israel desde a velhice e morte de Davi até a ruína e cativeiro finais dos reinos de Israel e Judá depois que a nação foi dividida nos reinos do Norte e do Sul. Eles cobrem um período de aproximadamente 400 anos, de 1.000 A.C. a cerca de 600 A.C. Nesse período se levantaram muitos profetas notáveis; e foi também durante esse período que apareceram todos os profetas maiores e menores do Antigo Testamento, com exceção dos profetas exílicos e pós-exílicos, aqueles que profetizaram durante o exílio na Babilônia e após o retorno dele.

O primeiro grande personagem em Reis é Salomão. 1 Crônicas 22.9 registra a promessa de Deus a Davi, anos antes, de que ele teria um filho que seria chamado Salomão (que significa "pacífico"), e que este seria um homem sereno, e que o período de seu reinado seria um período de grande paz e descanso: “Eis que te nascerá um filho, que será homem sereno, porque lhe darei descanso de todos os seus inimigos em redor; portanto, Salomão será o seu nome; paz e tranqüilidade darei a Israel nos seus dias”.

Davi foi, no que dizia respeito ao reino de Israel, essencialmente um homem de guerra.

Os homens que estiveram com ele durante sua vida eram homens acostumados com durezas. Eles podiam sair para o deserto, armar suas tendas e sobreviver. À sua destra estavam homens muito capazes, mas que eram rudes, individualistas; guerreiros com o registro de grandes atos de valentia (1 Samuel 23.8-39; 1 Crônicas 11.10-47). Mesmo Zadoque e Abiatar, os sacerdotes que permaneceram ao lado de Davi, foram homens que saíram para o deserto com ele, foram homens fiéis sob grandes privações (1 Samuel 22.20-23; 23.6-14; 1 Crônicas 12.22-28). Assim, quando lemos a história da transição do reino de Davi para o reino de Salomão, é como estar vendo um dia terminar e outro começar.

"Porque, naquele tempo, dia após dia, vinham a Davi para o ajudar, até que se fez um grande exército, como exército de Deus" (1 Crônicas 12.22).

Salomão foi um rei dado a alianças. Esta foi uma das razões pelas quais ele teve problemas: ele fez alianças demais. Seus casamentos freqüentemente foram alianças. Se você se lembra, ele teve 700 mulheres e 300 concubinas — o que acarretou 1.000 problemas a mais que qualquer homem poderia ter. E esses problemas produziram uma porção de outros problemas.

"Tinha setecentas mulheres, princesas e trezentas concubinas; e suas mulheres lhe perverteram o coração" (1 Reis 11.3).

Seu primeiro casamento, por exemplo, foi com a filha do Faraó do Egito, para que ele pudesse firmar uma aliança entre o seu reino e o Egito e, assim, prevenir a guerra (1 Reis 3.1). Era muito fácil para aqueles reis do Oriente manterem a ordem em seus vastos reinos. Tudo que um rei tinha a fazer era casar com as filhas dos reis das nações vizinhas. Desta forma, o rei vizinho ficaria desencorajado em planejar uma revolta contra ele, pois sabia que, se começasse a marchar contra aquele rei, sua filha poderia ter sua garganta cortada na manhã seguinte. Assim, por amar seus descendentes, ele não iniciaria uma revolta. Esta prática foi seguida durante séculos. Através da História tem sido muito comum as filhas e os filhos dos reis se casarem entre si para firmarem alianças entre as nações.

No entanto, Salomão se dedicou a muitas outras coisas além de se casar com uma porção de mulheres. Ele ficou conhecido por sua grande sabedoria (1 Reis 4.30-31a). Em 1 Reis 3.6-9 nós lemos a grande oração que ele fez acerca da sabedoria.

"Dá, pois, ao teu servo coração compreensivo para julgar a teu povo, para que prudentemente discirna entre o bem e o mal; pois quem poderia julgar a este grande povo?

Deu também Deus a Salomão sabedoria, grandíssimo entendimento e larga inteligência como a areia que está na praia do mar. Era a sabedoria de Salomão maior do que a de todos os do Oriente e do que toda a sabedoria dos egípcios. Era mais sábio do que todos os homens, mais sábio do que Etã, ezraíta, e do que Hemã, Calcol e Darda, filhos de Maol; e correu a sua fama por todas as nações em redor. Compôs três mil provérbios, e foram os seus cânticos mil e cinco. Discorreu sobre todas as plantas, desde o cedro que está no Líbano até ao hissopo que brota do muro; também falou dos animais e das aves, dos répteis e dos peixes. De todos os povos vinha gente a ouvir a sabedoria de Salomão, e também enviados de todos os reis da terra que tinham ouvido da sua sabedoria"(1 Reis 3.9; 4.29-34).

De certa forma Salomão foi como um cientista judeu de nossas dias, Einstein. Ambos trabalharam para reduzir o mundo a equações básicas. Einstein trabalhou toda sua vida para reduzir o mundo a uma complexa equação matemática. Dizem que até seus últimos dias ele nunca deixou de trabalhar sobre essa equação. O problema é que Einstein se esqueceu de Deus em suas equações. Salomão, por outro lado, se lembrou de Deus, e reduziu o universo todo a algumas equações simples. Você gostaria de saber quais são elas? Leia o livro de Provérbios. Salomão foi capaz de reduzir a grande sabedoria do mundo espiritual e do mundo natural até ser capaz de explicar a função de quase todas as coisas.

Salomão escreveu 3.000 provérbios; ele resumiu a sabedoria do mundo em 3.000 provérbios. Ele escreveu 1.005 canções. Ele também escreveu trabalhos científicos acerca de botânica e zoologia (1 Reis 4.32-33). É emocionante ler o livro PISTIS SOPHIA, uma das poucas obras que restaram dos escritos místicos dos gnósticos. Neste livro, citações das "Odes de Salomão" são usadas para descrever o plano espiritual. As "Odes de Salomão" foram extensivamente usadas na Igreja primitiva, no PISTIS SOPHIA e outros escritos.

Três livros da Bíblia foram escritos sob a unção do Espírito pela mão de Salomão: Provérbios, Eclesiastes e Cântico dos Cânticos. Os Cânticos de Salomão revelam a interpretação mística de Cristo e Sua Igreja. As canções de amor orientais são muito descritivas; e, por Cântico dos Cânticos ser um livro puro e santo, sua descrição do amor é apresentada muito lúcida e claramente, de um modo que eu suponho que a mente carnal e maliciosa pode interpretar mal e equivocadamente. Todavia, é uma tremenda, uma lindíssima peça de literatura. Mas também é mais que uma simples peça de literatura; são parte da Palavra de Deus; é uma das grandes parábolas, uma das grandes analogias da Palavra de Deus.

No primeiro capítulo de Reis nós lemos que, quando Davi já era um homem velho, seu filho Adonias exaltou a si mesmo dizendo: "Eu serei rei" (vs. 1,5). Adonias era o quarto filho de Davi. Três outros eram mais velhos: Amnom, Quileabe e Absalão (2 Samuel 3.2-4). A esta altura Amnom e Absalão já estavam mortos. Você se lembra que Amnom foi morto por Absalão (2 Samuel 13.28-29); e que Absalão foi morto por Joabe quando de sua rebelião e tentativa de usurpar o reino (2 Samuel 18.14-15). Nós podemos supor que Quileabe também já tivesse morrido, pois todo Israel olhava para Adonias como sendo o filho mais velho do rei Davi e, conseqüentemente, o herdeiro legítimo para sucedê-lo no trono.

Nós precisamos definir uma coisa quando lemos a Palavra de Deus: a forma de Deus escolher nem sempre é a mesma pela qual nós escolhemos. Embora Esaú fosse mais velho, Deus disse: "Eu amei a Jacó e Me aborreci de Esaú" (Malaquias 1.2-3; Romanos 9.13). O próprio Davi era o filho mais novo na família de Jessé (1 Samuel 16.11-13). Os filhos mais velhos eram homens imponentes. Eles pareciam reis, mas, mesmo assim, foram rejeitados. Deus não olha para a aparência ou qualificação exteriores. Deus não julga como o homem julga; Deus olha para o coração. E a escolha de Deus nem sempre é feita de um modo que possamos entendê-la.

"Porém o SENHOR disse a Samuel: Não atentes para a sua aparência, nem para a sua altura, porque o rejeitei; porque o SENHOR não vê como vê o homem. O homem vê o exterior, porém o SENHOR, o coração" (1 Samuel 16.7).

Todavia viemos a entender que Deus tem escolhido as coisas loucas e fracas deste mundo para confundir as sábias e poderosas, para que, dessa forma, nenhuma carne se glorie em Sua presença.

"…pelo contrário, Deus escolheu as coisas loucas do mundo para envergonhar os sábios e escolheu as coisas fracas do mundo para envergonhar as fortes; e Deus escolheu as coisas humildes do mundo, e as desprezadas, e aquelas que não são, para reduzir a nada as que são; a fim de que ninguém se vanglorie na presença de Deus" (1 Coríntios 1.27-29).

Nós não nos admiraríamos com as obras de Deus se Ele tomasse um líder capaz e realizasse alguma coisa através dele. Mas quando Ele pega alguém como Gideão, que era o menor na casa de seu pai, e realiza um grande milagre através dele depois de reduzir seus auxiliares a uma simples fração daqueles com que havia começado, então entendemos como é que Deus recebe a glória (Juízes 6.15; 7.7-8). É aí que Deus recebe toda a honra e todo o louvor pelo que é feito. A grande fórmula do sucesso não é se exaltar e dizer: "Eu vou ser rei", pois todo que se exaltar certamente será humilhado.

A humildade, muitas vezes, não está muito bem definida no pensamento das pessoas. Muitas têm uma idéia equivocada acerca de humildade. Elas acham que o tipo de humildade que têm é uma virtude, quando, na verdade, não passa de iniqüidade. Quando algo é colocado diante delas, elas dizem: "Ah, eu não posso fazer isto. Eu não sou nada… Eu simplesmente não posso…" Isto não é humildade, é incredulidade. Lembre-se de que as pessoas que têm pouca capacidade são as que precisam crer em Deus. Se você sente que não consegue fazer algo, então venha com a sua pequena capacidade, humilhe-se diante de Deus e diga: "Ó Senhor, eu não sou muita coisa, mas sei que Você é tudo; e eu creio que as minhas limitações não O limitam. Você é capaz de fazer isto mesmo eu sendo um mero canal através do qual Você pode operar."

Quando você tem fé que um Deus ilimitado pode operar através de meios tão miseráveis como os que você pode apresentar a Ele, isso é verdadeira humildade, isso é fé. A humildade verdadeira envolve fé — você crê que Deus é capaz de fazer uma grande obra através de canais indignos. Já o orgulho é o oposto. O orgulho diz: "Eu posso fazer isto sem Deus." Você percebe a diferença entre o orgulho e a humildade? A humildade diz: "Deus pode fazer isto, mesmo através de mim." Já o orgulho diz: "Eu posso fazer isto por mim mesmo." Não é esta a diferença entre o orgulho e a humildade que está esboçada nas Escrituras? Foi por isso que o Senhor disse:"Bem-aventurados os mansos, porque herdarão a terra" (Mateus 5.5). A verdadeira mansidão, ou a verdadeira humildade, envolve o fato de dizermos: "Senhor, eu creio que Você fará esta grande obra, mesmo através de mim, tão indigno quanto eu sou." Esta é a verdadeira humildade.

Adonias não tinha uma verdadeira humildade. Ao contrário, ele tinha muito orgulho em seu coração. Ele disse: "Eu reinarei. Providenciou carros, e cavaleiros, e cinqüenta homens que corressem adiante dele. Jamais seu pai o contrariou, dizendo: Por que procedes assim?” (1 Reis 1.5b-6a)

Esta é a chave do seu caráter: seu pai não o desagradou em tempo algum. Quando a Palavra de Deus explica o caráter dos homens, ela explica também a espécie de treinamento que eles tiveram em sua juventude. Quando Deus descreve os filhos de Eli, diz que eles se fizeram vis e que Eli não os repreendeu (1 Samuel 3.13). Acredite ou não, eu penso que a criança que seja deixada por conta própria se transformará num tipo de Frankenstein em sua própria casa. Eu tenho aconselhado muitos pais que estão quase que doentes porque sua família, aos poucos, os estão deixando malucos.

Eles amam seus filhos, mas não conseguem suportá-los. Eles simplesmente não conseguem ficar perto deles. Eles querem ir para o mais longe possível, e eu sei porquê. Eles não os restringiram quando necessário e, assim, criaram pequenos monstros com os quais ninguém quer viver.

Adonias era um homem bem apessoado. Ele nasceu depois de Absalão. Absalão era muito bonito, mas Davi não sabia como ser pai quando começou a ter filhos. Seus filhos que nasceram por último foram muito melhores. Eu suponho que ele aprendeu com seus erros. Amnom e Absalão, como você se lembra, não tiveram disciplina paterna, não tiveram restrições (2 Samuel 13).

Qual é o propósito da disciplina? No que diz respeito tanto ao mundo natural como ao espiritual, as únicas pessoas que sobrevivem e obtêm sucesso na vida são aquelas que se disciplinam. Paulo disse: "Mas esmurro o meu corpo e o reduzo à escravidão, para que, tendo pregado a outros, não venha eu mesmo a ser desqualificado" (1 Coríntios 9.27). O propósito da disciplina não é o de machucar uma criança. O único objetivo da disciplina é que a criança seja ensinada a ela própria se disciplinar.

Quando ela sai para o mundo, descobre que nem tudo é "morango com chantilly". Ela não pode fazer tudo o que quer, e também existem certas coisas que ela tem de fazer. Ela precisa aprender a se disciplinar. Ela precisa aprender a ter responsabilidade. Ela tem de dar e receber. Ela não pode pensar só em si mesma; precisa pensar também naqueles que estão à sua volta na família. Ela precisa aprender a contribuir. O propósito toda da disciplina é nos levar a um ponto onde possamos nos disciplinar.

"…e estais esquecidos da exortação que, como a filhos, discorre convosco: Filho meu, não menosprezes a correção que vem do Senhor, nem desmaies quando por ele és reprovado; porque o Senhor corrige a quem ama e açoita a todo filho a quem recebe. É para disciplina que perseverais (Deus vos trata como filhos); pois que filho há que o pai não corrige? Mas, se estais sem correção, de que todos se têm tornado participantes, logo, sois bastardos e não filhos. Além disso, tínhamos os nossos pais segundo a carne, que nos corrigiam, e os respeitávamos; não havemos de estar em muito maior submissão ao Pai espiritual e, então, viveremos? Pois eles nos corrigiam por pouco tempo, segundo melhor lhes parecia; Deus, porém, nos disciplina para aproveitamento, a fim de sermos participantes da sua santidade. Toda disciplina, com efeito, no momento não parece ser motivo de alegria, mas de tristeza; ao depois, entretanto, produz fruto pacífico aos que têm sido por ela exercitados, fruto de justiça" (Hebreus 12.5-11).

"Eu repreendo e disciplino a quantos amo. Sê, pois, zeloso e arrepende-te" (Apocalipse 3.19).

Adonias nunca se disciplinou; e, como resultado, seu egoísmo foi colossal. Sua ambição não conheceu limites. Adonias se viu presa desses sentimentos até que finalmente foi morto pela espada (1 Reis 2.24-25). Salomão precisou mandar matá-lo. Se este ambicioso irmão mais velho tivesse sido deixado à vontade, teria transtornado todo o reinado de Salomão. Cedo ou tarde ele o teria desafiado.

Às vezes nos parece difícil tomar uma decisão desse tipo, mas onde quer que você encontre um "ambicioso homem de Deus", o melhor seria manter-se longe dele. Quando encontro ministérios que são pessoalmente ambiciosos, eu fico longe deles. Eu fico longe deles porque cedo ou tarde eles serão um perigo e um problema para o Reino de Deus. Isto significa que não podemos ter comunhão com eles? Significa. Mate a ambição, porque ambição pessoal e interesse próprio não têm lugar no Reino de Deus.

Adonias provou justamente isto. Seu pai nunca o contrariou, em tempo algum, dizendo: "Por que você está agindo assim?" Seu pai nunca o desagradou; seu pai sempre lhe deu tudo que ele queria. E este é o modo mais rápido que existe para se arruinar uma pessoa.

Vocês, pais e mães, estão preocupados em fazer de seus filhos e filhas bons maridos e boas esposas? Pois deveriam. Vocês deveriam começar quando eles estiverem com 5 ou 6 anos; esse é o momento quando vocês deveriam começar a treiná-los. Uma das razões pelas quais muitos lares estão sendo destruídos hoje em dia é pelo fato das pessoas entrarem no casamento sem qualquer preparo para ele. Não existiu qualquer disciplina espiritual, mental ou física, em nenhuma fase de suas vidas, que as tivesse preparado para adentrarem num casamento.

O casamento deveria ser uma experiência maravilhosa - e pode ser, quando você aprende que o amor tem sua realização em dar.

As pessoas que nunca aprenderam disciplina tem a idéia de que o amor só é alcançado quando se está recebendo. E, por quererem receber e não dar, descobrem que o amor não floresce de modo duradouro, mas, pelo contrário, morre cedo. Ele se torna algo morto. O verdadeiro amor é expresso pela doação mútua. É no se dar o amor que a sua realização é alcançada. Aí, quando todos aprendemos a viver desinteressadamente, a vida nos propicia uma grande realização.

Sempre que a restrição e o desinteresse não são aprendidos, e as crianças nunca aprendem a dividir suas coisas, elas perdem uma lição importante. Testemunhe este fato: Não é verdade que existe mais insucesso no casamento entre aqueles que são filhos únicos do que entre aqueles que tiveram muitos irmãos e irmãs? Como você explica isto? Isto ocorre porque geralmente um filho único não é muito restringido. Ele geralmente não é ensinado a repartir. Ele não foi criado sob a disciplina que necessita. Por isso é sábio, desde o início, aprendermos que todos devem repartir, e nos disciplinarmos nisto.

Não pode haver grande sucesso sem uma disciplina pessoal. Um músico que não discipline seu tempo para treinar nunca será exímio. Um estudante que não se discipline para se dedicar a seus livros e investigar completamente a matéria nunca será um erudito. Um homem que não cuide de seu ministério nunca alcançará muito como ministro de Deus. Um ministério não é algo que você liga e desliga; é algo a que você se dedica totalmente. Ainda que Deus faça tudo, poucas pessoas despenderão tempo e esforço para se submeterem à disciplina pessoal que é requerida.

E ainda há uma outra grande verdade por trás disto tudo: Como podemos esperar que nossas igrejas sejam bem sucedidas em propagar os padrões do Novo Testamento até aos confins da terra, se muitos do nosso povo não estão familiarizados sequer com as Escrituras? Que fio de prumo você terá para medir a Palavra viva quando ela for declarada e alcançar seu coração, se você não conhece nem mesmo a Palavra de Deus escrita, a qual é o prumo pelo qual todas as coisas são medidas? Não existe nenhum atalho. Não existe nenhuma fórmula mágica pela qual você possa pegar a Bíblia e, de repente, alcançar suas verdades. Só existe um modo de conhecê-las: discipline-se para lê-la. Discipline a si mesmo para lê-la em oração.

Ao ler a Palavra de Deus, você precisa lê-la repetidamente - não só uns poucos versículos, mas leia vários capítulos de uma só vez. Leia 5, 10, 15, 20, 25 capítulos se puder. E, ao chegar a um ponto que o Espírito Santo tornar vivo, ao sentir o brilho inspirador do Espírito e a atenção do seu espírito focalizada particularmente num ponto, então pare ali até que tenha extraído a última gota de mel daquela perfumada flor, pois ali haverá algo especial que o Espírito vivificará para o seu coração. Você se lembrará disto? Leia, leia, e leia muito! Mas, quando chegar naquele ponto onde uma passagem se tornar viva, pare e gaste tempo naquela passagem até conseguir o alimento sólido e a doçura que o Senhor quer que você receba.

Mas o que aconteceu quando Adonias quis fazer-se rei? "Entendia-se ele (Adonias)com Joabe, filho de Zeruia, e com Abiatar, o sacerdote, que, seguindo-o, o ajudavam. Porém Zadoque, o sacerdote, e Benaia, filho de Joiada, e Natã, o profeta, e Simei, e Reí, e os valentes que Davi tinha não apoiavam Adonias" (1 Reis 1.7-8).

Lembre-se de que Zadoque e Abiatar foram dois sacerdotes que haviam permanecido fiéis a Davi, especialmente no tempo de seu exílio. Mas agora um deles, Abiatar, mudou de partido, enquanto Zadoque permaneceu fiel a Davi.

Benaia foi aquele que havia matado dois heróis moabitas. Ele também havia descido numa cova durante uma nevasca e matado um leão com as mãos nuas (2 Samuel 23.20; 1 Crônicas 11.22). Ele também obteve reputação por ter morto um gigante que tinha cinco côvados de altura. Como um côvado tem cerca de 50 cm, então você pode calcular que aquele homem tinha cerca de 2,5 m de altura. Aquele gigante tinha uma grande lança, mas Benaia foi ao seu encontro só com um cajado nas mãos. Ele arrancou a lança do gigante e o matou (1 Crônicas 11.23). Benaia foi um valoroso e poderoso homem que permaneceu junto a Salomão.

Natã era um profeta. De acordo com 1 Crônicas 29.29, Natã e Gade escreveram a história de Davi. Então é possível que, pelo menos uma parte de 1 e 2 Samuel também tenha sido escrita por Natã e Gade, homens que foram excelentes profetas. É bom notar que ali estavam um sacerdote, um guerreiro e um profeta - e que, dentre todos os grandes guerreiros e ministérios que haviam estado ao lado de Davi, estes três homens foram os notáveis. Mas estavam entre aqueles que foram omitidos por Adonias. Adonias foi um jovem precipitado, e se esqueceu que Davi era rei porque tinha vários homens que podiam cobrir os diversos aspectos de seu reinado.

Na tentativa de compreender a autoridade e como um reino pode funcionar - em particular o Reino de Deus - você precisa compreender que a autoridade é centralizada. A autoridade no Reino de Deus nunca é, de início, repartida. Nas várias formas denominacionais, o governo da igreja é claramente contrário às Escrituras. Não é para a congregação "eleger" um presbítero ou "eleger" um pastor. A escolha não se origina na congregação, se origina em Deus. Em cada caso onde for haver base bíblica, haverá uma revelação direta de Deus quanto ao indivíduo que vai ocupar determinada colocação. Aí esse indivíduo que tem a autoridade focalizada sobre si descobrirá que a manterá até que o povo sob seu ministério ou cuidado tenha alcançado um determinado nível de responsabilidade. Só aí acontece a difusão da autoridade; só aí acontece a delegação e a descentralização da autoridade.

Provavelmente Benaia foi um guerreiro melhor que Davi, mas Davi foi o general que o comandou. Provavelmente Natã foi um profeta maior que Davi. Contudo, ainda assim, não foi Davi aquele que começou tudo? Provavelmente Zadoque, o sacerdote, foi um homem melhor que Davi para receber as revelações de Deus através do Urim e Tumim (Êxodo 28.30); mas Davi também inquiriu a Deus como profeta e fez sacrifícios ao Senhor, e Deus lhe revelou coisas (1 Samuel 23.2,9-12; 2 Samuel 5.19-25; 6.17-18.) Você compreende isto? Davi foi excedido por cada um daqueles especialistas que surgiram sob ele, embora ele próprio fosse rei. Ele foi rei desde o início, mas, a partir daí, a autoridade foi distribuída cadeia abaixo.

Adonias, que quis ser rei, se esqueceu de uma coisa. Ele se esqueceu de que o reino envolve muito mais que uma coroa na cabeça. O reino inclui muitos aspectos de serviço e ministração para as pessoas, e ele não podia menosprezar os vários homens que Deus havia trazido para o reino. Se ele os desprezasse, não poderia ser rei. Você pode então entender porque não estava no plano de Deus ele ser rei.

Joabe, a quem Adonias consultou, foi um oportunista dissimulado desde o começo. Foi ele quem matou Abner e Amasa, os dois maiores generais que Davi teve (2 Samuel 3.27,37-38; 19.13; 20.9-10). Abiatar, o sacerdote, foi desencaminhado. Ele não teve a verdadeira Palavra de Deus para esta questão porque, tanto Natã, o profeta, quanto Davi, tinham a Palavra de Deus de que Salomão seria aquele que sucederia Davi. Mas a ambição faz algumas coisas estranhas; e Adonias foi pessoalmente ambicioso, de forma que se determinou a edificar o reino.

Eu fico fascinado com isto porque tudo isso tem uma grande relação com a igreja neotestamentária. Nela, na igreja neotestamentária, eu vejo uma outra coisa vindo à luz. Eu vejo que Deus não está levantando um povo só para que tenhamos, outra vez, um pastor segundo a velha ordem. Nos dias futuros, à medida que a vontade do Senhor se desvendar, suponha que Deus me tire das igrejas com as quais eu tenho estado associado. Suponha que eu adentre numa outra área de ministério. Qual seria então o rumo futuro desta igreja? Se você tentasse encontrar algum ministério forte para assumir a igreja, você destruiria todos os ministérios que estão vindo à luz. Cada um dos ministérios que eu estou criando está vindo à luz para cumprir um propósito especial. Na ênfase particular de um certo ministério que Deus requer da parte deles, eu estou crendo que eles vão chegar mais alto que eu nessa área específica de ministério. E assim, finalmente, nós teremos muitos homens se movendo em Deus, cada um cobrindo sua ênfase especial de ministração.

Nos dias de Davi, quando alguma façanha precisava ser realizada, eles chamavam Benaia; ele podia fazer isso. Quando queriam alguém para buscar a face do Senhor, recorriam a Zadoque, o sacerdote. Quando queriam uma outra Palavra de um profeta, eles se dirigiam a Natã. Cada um deles - guerreiro, sacerdote ou profeta - era muito especializado em seu procedimento. Eles foram homens maravilhosos. E eu penso que virá o dia quando nós reconheceremos os ministérios especializados como comissionamentos de Deus. O Corpo vai requerer isto.

Muitas igrejas donominacionais agora contam com um administrador de empresas. Os pastores dizem que têm tantos detalhes e negócios para cuidar numa igreja mediana que não conseguem mais dar atenção ao pastorado. Assim sendo, eles arranjam um administrador, e este dirige a igreja. Você está pensando: "Que horror; que coisa mais comercial"? Eu acho que não. Tanto na Igreja primitiva, quanto nos reinos do Antigo Testamento, eles seguiram um padrão similar: quando precisavam realizar um trabalho, eles escolhiam um homem para fazê-lo. Não foi isto que os primeiros apóstolos disseram? "Mas, irmãos, escolhei dentre vós sete homens de boa reputação, cheios do Espírito e de sabedoria, aos quais encarregaremos deste serviço; e, quanto a nós, nos consagraremos à oração e ao ministério da palavra" (Atos 6.3-4). O resultado geral foi um sucesso. Um grande número de sacerdotes e crentes foi adicionado à Igreja porque os apóstolos se entregaram ao ministério da Palavra.

"Crescia a palavra de Deus, e, em Jerusalém, se multiplicava o número dos discípulos; também muitíssimos sacerdotes obedeciam à fé" (Atos 6.7).

Eu penso que, no passado, nós nos restringimos por não termos distribuído, num grau mais extenso, as obrigações e os ministérios das igrejas. Eu creio que estaríamos bem mais adiantados se eu tivesse devotado mais do meu tempo em esperar na Palavra e no ensinamento. Desde o início nós compreendemos que as igrejas não poderiam progredir sem revelação e ensinamento apostólicos. Isto precisa acontecer tanto para guiá-los adiante quanto para os ministérios se desenvolverem. Tem sido sempre muito mais importante eu cuidar disso do que de qualquer outra coisa.

Também é importante que vejamos as pessoas certas se levantarem, e que cada uma possa avançar na área onde Deus quer que ela funcione. Isto não é fácil de fazer. Você não pode levianamente dizer: "Eu farei tal coisa." Você tem de encontrar a mente do Senhor em cada questão. À medida que jejuarmos e orarmos, vamos crer que este será o tempo de vermos mais e mais ministérios comissionados e lançados. Essa tem sido a tendência: existe cada vez mais uma repartição de autoridade e de responsabilidade.

Dias virão quando teremos contato com tantos ministérios e missionários que terão saído deste lugar, que será uma tarefa tremenda manter contato com eles. Grupos de oração terão de ser levantados para orar dia e noite. Pessoas terão de ser levantadas para cuidar de outros departamentos e obrigações. Precisará haver instrução e treinamento para os presbíteros e ministérios. Quando presbíteros e ministérios vierem de longe e precisarem de ajuda, terá de haver um procedimento sistemático no qual os traremos e cuidaremos deles, onde os ensinaremos e treinaremos, onde ministraremos a eles. Aí, então, os enviaremos outra vez - e tudo isto sem a idéia de construir, de forma alguma, uma denominação ou uma organização babilônica. Isto será feito para estabelecer uma igreja neotestamentária capaz, uma igreja que possa ministrar e satisfazer cada necessidade e cada exigência que lhe for feita. Você crê que Deus tem um grande ministério como este para cumprirmos? Vamos orar muito acerca disto.

"Imolou Adonias ovelhas, e bois, e animais cevados, junto à pedra de Zoelete, que está perto da fonte de Rogel, e convidou todos os seus irmãos, os filhos do rei, e todos os homens de Judá, servos do rei, porém a Natã, profeta, e a Benaia, e os valentes, e a Salomão, seu irmão, não convidou. Então, disse Natã a Bate-Seba, mãe de Salomão: Não ouviste que Adonias, filho de Hagite, reina e que nosso senhor, Davi, não o sabe? Vem, pois, e permite que eu te dê um conselho, para que salves a tua vida e a de Salomão, teu filho" (1 Reis 1.9-12).

Por que Natã estava dizendo:"…para que salves a tua vida e a de Salomão, teu filho…?" Quando Bate-Seba fez seu pedido a Davi, ela disse: "Do contrário, sucederá que, quando o rei, meu senhor, jazer com seus pais, eu e Salomão, meu filho, seremos tidos por culpados" (à margem se lê: "pecadores") (v. 21).

Por que eles seriam considerados pecadores? Você se lembra que enquanto Bate-Seba era mulher de Urias, o heteu, ela e Davi cometeram adultério. Numa noite em que Davi não conseguia dormir e ficou andando pelo terraço, ele viu Bate-Seba tomando banho. Ele a desejou e cometeu adultério com ela. Quando soube que ela havia engravidado, Davi conspirou para matar Urias. Depois disso ele se casou com Bate-Seba. Mas a coisa desagradou a Deus; e, quando a criança nasceu, Deus trouxe julgamento sobre isto e a criança morreu (2 Samuel 11; 12.15-18).

A maioria das pessoas não perdoa nem esquece determinadas coisas, e o povo provavelmente ainda lançava sobre Davi seu pecado. No entanto, Deus não só havia esquecido aquele pecado como também tinha purificado o casamento deles; e o que aconteceu depois, nesse casamento, veio à luz sob a Sua bênção. Salomão foi o próximo filho a nascer de Bate-Seba (2 Samuel 12.24).

O casamento deles, portanto, foi algo que Deus havia purificado.

Deus perdoa, e a graça de Deus que perdoa e limpa vai muito além do que os seres humanos conseguem entender. Nossa capacidade de esquecer não é tão boa quanto a de Deus. Deus tem uma capacidade de esquecimento muito boa, mas nós não. Deus esquece nossas transgressões. Ele não as lembra nunca mais (Jeremias 31.34). Ele as lança no mar do Seu esquecimento (Miquéias 7.19). Deus tem a capacidade de apagar de Sua mente o que Ele escolheu para ser apagado.

É muito interessante observar que, sob discernimento do Espírito Santo, eu nunca vi o Espírito Santo trazer à luz um pecado que estivesse sob o sangue de Jesus Cristo.

Às vezes as pessoas ficam temerosas. Elas dizem: "Eu estou com medo. Eu me arrependi do pecado, mas tenho medo de que, ao me levantar diante dos irmãos, eles tenham um discernimento de que eu fiz isto e aquilo." Se você se arrependeu, eles nunca discernirão.

Se você se arrependeu do seu pecado e Deus o perdoou, ele está apagado. Ele pode até ainda estar em sua mente, mas está bloqueado para a mente do Espírito, e está bloqueado para os registros de Deus porque ele deixou de existir. Ele foi apagado para sempre (Isaías 43.25). Deus havia perdoado Davi, e havia perdoado seu pecado; Ele havia purificado Bate-Seba e Davi. Todavia ela disse: "Nós seremos considerados culpados. Nós seremos considerados pecadores aos olhos do povo."

É verdade, as pessoas não esquecem. Elas nunca esquecem. Elas continuarão lançando contra você todos os últimos erros que você tem praticado.

É sempre um sinal de falta de amor entre marido e mulher quando eles ficam lançando um contra o outro os erros do passado. Você já ficou perto de um casal quando eles começam a brigar? Fique fora disto se quiser sobreviver; nunca tome partido. Quando eles começam a se exaltar, você pode determinar a profundidade de seu amor pela forma como jogam as ofensas do passado um contra o outro.

Quando uma coisa é perdoada, ela deve ser esquecida.

Um dos maiores problemas que um cristão tem é este perfeito perdão. Você deveria buscar a Deus para que isto seja uma verdadeira operação da graça de Deus em seu coração. Quando alguém pecar contra você e você o perdoar, perdoe-o de fato. Perdoe-o até este ser um completo e perfeito perdão, e parta daí. Deus o ajudará.

"Porque, se perdoardes aos homens as suas ofensas, também vosso Pai celeste vos perdoará; se, porém, não perdoardes aos homens as suas ofensas, tampouco vosso Pai vos perdoará as vossas ofensas" (Mateus 6.14-15).

Você precisa perdoar como Deus perdoa. Deus não o perdoa e o deixa em sua culpa. Ele só perdoa removendo o pecado de você. Assim, enquanto Ele remove a transgressão, Ele perdoa. Quando alguém vier até você e disser: "Desculpe", e você perceber que ele está arrependido, pergunte-lhe: "Bem, você quer que eu o perdoe?" "Sim, eu quero que você me perdoe." "Então você precisa realmente se arrepender. Vamos nos ajoelhar e orar juntos para que esta coisa seja desfeita."

O perdão precisa ver a restauração. O verdadeiro perdão precisa ver a restauração do crente tanto para com o Senhor quanto para com você.

"Se, porém, andarmos na luz, como ele está na luz, mantemos comunhão uns com os outros…" (1 João 1.7)

Se seu irmão pecou contra você, não pode haver uma restauração da comunhão entre você e ele até que ele seja restaurado diante do Senhor. Se esse irmão não for restaurado diante do Senhor, a sua comunhão com você também não será restaurada.

Davi chamou alguns dos grandes líderes que tinham estado com ele e lhes disse para pegarem sua própria mula e colocarem Salomão sobre ela (1 Reis 1.33,38). Se você se lembra, isto foi semelhante à entrada triunfal de Jesus em Jerusalém, quando o povo clamou com louvores ao Rei (Mateus 21.1-9). Porque um rei cavalgou uma mula, eu não sei. Isto parece ter sido uma marca ou sinal de sua realeza, um sinal de que ele havia sido ungido. Assim, Salomão cavalgou a mula e eles tocaram a trombeta e o ungiram para ser rei no lugar do Davi.

"Então, desceu Zadoque, o sacerdote, e Natã, o profeta, e Benaia, filho de Joiada, e a guarda real, fizeram montar Salomão a mula que era do rei Davi e o levaram a Giom. Zadoque, o sacerdote, tomou do tabernáculo o chifre do azeite e ungiu a Salomão; tocaram a trombeta, e todo o povo exclamou: Viva o rei Salomão! Após ele, subiu todo o povo, tocando gaitas e alegrando-se com grande alegria, de maneira que, com o seu clamor, parecia fender-se a terra" (1 Reis 1.38-40).

A passagem continua falando que a cidade se encheu com barulho de toda aquela alegria. Nesse meio tempo Adonias e sua turma estavam em festa, celebrando porque ele iria ser rei. Ao ouvirem a agitação, correram para ver o que estava acontecendo e constataram que Salomão havia sido feito rei. Todos se dispersaram rapidamente porque não queriam ser apanhados naquele banquete se agora Salomão realmente era o rei. Eles pensaram que ele mataria a todos. Então Adonias pleiteou com Salomão para poupar sua vida. Salomão disse que, a não ser que alguma coisa digna de morte fosse encontrada nele, lhe seria concedido viver (1 Reis 1.40-53). Mais tarde, Adonias novamente usou de subterfúgios para tentar obter uma posição no reino. Quando Salomão ouviu acerca disto, mandou matar Adonias (1 Reis 2.13-25).

"Aproximando-se os dias da morte de Davi, deu ele ordens a Salomão, seu filho, dizendo: Eu vou pelo caminho de todos os mortais. Coragem, pois, e sê homem! Guarda os preceitos do SENHOR, teu Deus, para andares nos seus caminhos, para guardares os seus estatutos, e os seus mandamentos, e os seus juízos, e os seus testemunhos, como está escrito na Lei de Moisés, para que prosperes em tudo quanto fizeres e por onde quer que fores; para que o SENHOR confirme a palavra que falou de mim…" (1 Reis 2.1-4a.)

Davi deu a Salomão o encargo de ser um homem. De muitas formas Salomão era tão diferente de Davi quanto alguém podia ser. Salomão nunca tentou competir com seu pai. Ele tinha uma personalidade diferente, um caráter diferente. Enquanto Davi obteve seu reino por meio da violência, sendo um guerreiro e batalhando seu caminho até ele, Salomão chegou a ele através da sabedoria, através de alianças e de muitas outras maneiras. Ambos foram homens ungidos por Deus. Ambos funcionaram de acordo com o dom que Deus lhes havia dado e da forma como Ele os ungiu para realizar a coisa.

Um homem se move de uma forma, o seguinte se move de outra. As operações do Espírito são diversas em diferentes indivíduos, de acordo com os diferentes ministérios que Deus dá (1 Coríntios 12.4-7). Foi bom Salomão não tentar ser um Davi. Foi bom também que Davi não tivesse tentado ser um Saul. Saul havia matado os seus milhares, mas, quando tentou colocar sua armadura em Davi, o seu peso fez Davi cair. O pequeno Davi levantou seus olhos debaixo do grande capacete e disse: "Eu não posso usar isto; eu não estou acostumado. Eu nem mesmo sei como usá-la." Aí ele pegou a sua funda, saiu e lançou Golias por terra (1 Samuel 17.38-40,50). Davi foi suficientemente sábio para não tentar imitar seu antecessor. Mas uma coisa foi comum a todos eles: cada um teve a coragem de ser um homem.

A Palavra diz: "Sede vigilantes, permanecei firmes na fé, portai-vos varonilmente, fortalecei-vos" (1 Coríntios 16.13).

Quanto mais eu vivo, mais persuadido fico de que os verdadeiros homens são escassos. Eu não estou falando do tipo de gente que anda por aí vestido com calças compridas e chamando a si mesmo de "homem"; eu me refiro aos verdadeiros homens, aqueles com coragem para serem homens. Nós estamos vivendo num tempo de tal frustração que as pessoas parecerem estar desmaiando.

Nós precisamos fazer algo para reagir a isto. Sejam homens! Levantem-se. Tenham a coragem de ser diferentes. Tenham a coragem de ser uma igreja neotestamentária. Tenha a coragem de caminhar com Deus sem ser um detestável fanático religioso. Alguém que fique numa esquina gritando para todas as outras pessoas que elas estão indo para o inferno só está desviando o povo do verdadeiro Evangelho. Uma boa parte dessas pessoas que estão com seus corações quebrantados só está esperando que as ternas misericórdias do Evangelho as conquistem; mas com essa postura, ao contrário, muitas delas estão sendo desviadas do Senhor. Será que não pode haver uma forma de sabedoria pela qual possamos estar prontos para responder a qualquer um que nos pergunte? (1 Pedro 3.15) Será que não podemos ter uma santidade que seja completa e simpática?

Não pense que não existe uma boa razão para obedecermos ao encargo do rei Davi quando ele disse para Salomão: "Seja homem! Seja corajoso. Seja forte. Caminhe retamente. Caminhe de acordo com a integridade e os mandamentos que o Senhor lhe deu. Não falhe!" Qualquer um pode simplesmente se lamentar, desistir e morrer.

Quando Deus começa a nos colocar num deserto, numa experiência, num teste, seria muito mais fácil abandonar Seus tratamentos e ir para alguma igreja onde pouco mais é requerido do que ir aos cultos de domingo. Isso não envolve muito - nenhum alvo espiritual é estabelecido diante de você. Nenhuma obra da cruz é colocada diante de você. Nenhum grande ministério é colocado diante de você. A necessidade da morte de seu ego não é colocada diante de você. Conseqüentemente, não serão muitas as pessoas que irão querer permanecer nesta igreja. Este é um lugar onde as pessoas querem ser corajosas. Elas querem ser fortes; querem ser verdadeiros homens e mulheres que servem a Deus.

Em qualquer coisa que fizerem, mostrem longanimidade e amor uns pelos outros. Eu sei o que Deus está fazendo. Ele lhe dá uma Palavra e, depois de lhe dar essa Palavra, Ele trata severamente com você para ver se você permanecerá firme nela. E, se você não se apegar à essa Palavra, Ele o jogará bem no meio de um lago — e aí você terá de se apegar à Palavra ou se afogar.

Deus os fará passar por tratamentos que farão de vocês verdadeiros homens e mulheres. Isso é o que Ele está fazendo. A razão de você crescer é porque Deus traz uma porção de adversidades para a sua vida. Um homem que nunca experimentou adversidades, que nunca encontrou resistência, é um homem que nunca cresceu ou se desenvolveu.

Um princípio simples utilizado no treinamento dos grandes atletas é o princípio da resistência. Para fortalecer os músculos eles usam pesos e exercitam o músculo até dificilmente conseguirem movê-lo. Aí, quando o músculo já se acostumou com aquele peso, eles colocam um pouco mais. Deste modo eles conservam o seu corpo funcionando em sua plena capacidade. Deus está aplicando o mesmo princípio. Ele vai conduzi-lo a um ponto onde você dirá: "Eu não consigo fazer mais nada. Eu não posso realizar todo esse trabalho que Deus quer que eu faça!" Ótimo; e no momento que você terminar esse monte de trabalho, haverá um monte de trabalho ainda maior porque o Senhor está criando um povo que será zeloso de boas obras (Tito 2.11-14). Ele vai criar um povo que estará pronto para fazer a vontade de Deus (Efésios 2.10).

Não é um caminho fácil o que está sendo colocado diante de nós, mas certamente é um caminho espiritualmente sadio — um caminho para sermos fortes, para sermos homens, para sermos corajosos; um caminho para ministrarmos uns aos outros em amor e fé. Permaneça na batalha. Não deserde. Em hipótese alguma volte atrás, pois estes tratamentos de Deus o tornarão forte em Deus (Salmos 28.7-9; 84.5-7). Você crescerá na graça e no conhecimento do Senhor Jesus Cristo (2 Pedro 3.18). Seja encorajado a avançar!

"Porquanto a graça de Deus se manifestou salvadora a todos os homens, educando-nos para que, renegadas a impiedade e as paixões mundanas, vivamos, no presente século, sensata, justa e piedosamente, aguardando a bendita esperança e a manifestação da glória do nosso grande Deus e Salvador Cristo Jesus, o qual a si mesmo se deu por nós, a fim de remir-nos de toda iniqüidade e purificar, para si mesmo, um povo exclusivamente seu, zeloso de boas obras” (Tito 2.11-14).

Leituras bíblicas

1 Reis capítulos 1, 2 e 3

Hebreus 12.5-11

Tito 2.11-14

Palavra Vivente
Reino Net


 

voltar para Ensinos do Reino

left show tsN fwR normalcase|left tsN fwR uppercase bsd b01s|left show fwR uppercase bsd b01s|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase b01 bsd|login news fwR uppercase c05|tsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase bsd b01|content-inner||