03. O Veneno da Amargura

Apresentação:

Esta Palavra está baseada na passagem de Atos 8:4-25 e mostra que não é fácil ministrar para qualquer cristão que passou por dificuldades em seu caminhar com Deus e que, por causa disso, deixou seu espírito ser contaminado com o veneno da amargura, afastando-se do Senhor e da comunhão do Corpo de Cristo. Também sonda nossos corações para checar se também não há fel de amargura em nossos próprios espíritos.

Muitos dos problemas que têm derrotado algumas igrejas e relacionamentos serão sarados por esta Palavra. O machado será posto na raiz, na raiz de toda amargura que possa haver em nossos corações e nos libertará completamente deste veneno satânico. Esta Palavra é um sal posto nas fontes de nossos corações, e que nos torna fontes saudáveis. Nesta Palavra, o Senhor nos fará ver a verdade no íntimo, e nos alegraremos por esta Sabedoria e Verdade que nos liberta. Seu Espírito nos encherá de graça e misericórdia para andarmos nesta Palavra.

Algumas dificuldades da natureza da alma ou física vão e vêm sem afetar as pessoas, quando elas estão bem espiritualmente. Em situações e atitudes isoladas, estas pessoas manifestam expressões do seu espírito. Algumas situações como pressões e fadiga, podem atingir e afetar os espíritos das pessoas e elas procuram uma maneira - às vezes estúpida - de se livrar do problema: tomando grandes quantidades de sorvete ou comendo chocolate. Elas fazem algo realmente estúpido. Então elas conseguem sair do problema porque este não chegou a afetar seus espíritos.

Incidentes isolados, neste tipo de situação, são corrigidos. A pessoa reconhece que tomou uma atitude errada, se arrepende, pede perdão e fica tudo bem. Ela corrige seu espírito diante de Deus. Mas, o verdadeiro problema ocorre quando as situações e problemas, que as pessoas passam, atingem os seus espíritos.

Note, desde já, que em Jeremias 17:9 diz que o coração é enganoso e desesperadamente corrupto. Nas Escrituras a palavra coração envolve o espírito, a alma com suas emoções e o foco de sua mente. Quando uso o termo espírito é para que vocês compreendam, pois o termo espírito tem si tornado algo bem compreensivo segundo os ensinamentos que temos recebido. Você deve ter um espírito reto diante de Deus: “Cria em mim um coração puro, ó Deus, e renova dentro em mim um espírito estável. Não me expulses da tua presença, nem tires de mim o teu Santo Espírito”Salmo 51:10, 11.

Vemos em Atos 8 que os discípulos eram capazes de perceber o espírito das pessoas para ministrar-lhes. O texto mostra que, na Judéia e Samaria, os discípulos realizavam grandes milagres. Eles impunham as mãos para as pessoas receberem o Espírito Santo, conforme narra o versículo 16: “porquanto não havia ainda descido sobre nenhum deles (o Espírito Santo), mas somente haviam sido batizados em o nome do Senhor Jesus”. Pedro e João estavam ministrando àquelas pessoas em Samaria e algo muito incomum aconteceu, conforme a passagens de Atos 8:17-24.

“Então, lhes impunham as mãos, e recebiam estes o Espírito Santo. Vendo, porém, Simão que, pelo fato de imporem os apóstolos as mãos, era concedido o Espírito Santo, ofereceu-lhes dinheiro, propondo: Concedei-me também a mim este poder, para que aquele sobre quem eu impuser as mãos receba o Espírito Santo. Pedro, porém, lhe respondeu: O teu dinheiro seja contigo para perdição, pois julgaste adquirir, por meio dele, o dom de Deus. Não tens parte nem sorte neste ministério, porque o teu coração não é reto diante de Deus. Arrepende-te, pois, da tua maldade e roga ao Senhor; talvez te seja perdoado o intento do coração; pois vejo que estás em fel de amargura e laço de iniqüidade. Respondendo, porém, Simão lhes pediu: Rogai vós por mim ao Senhor, para que nada do que dissestes sobrevenha a mim ”.

Esta passagem ilustra como os apóstolos tiravam conclusões não com base no que viam naturalmente, ou nas ações das pessoas, mas por terem penetrado profundamente nos seus espíritos. Eles conseguiam ministrar aos espíritos das pessoas. Porque, na verdade, o espírito é o fator determinante. Isso é muito interessante. Porque, nos dias de hoje, parece que avaliamos mais as ações das pessoas, não é mesmo?

Quando alguém nos agride com palavras, logo lançamos uma conclusão precipitada sobre aquele procedimento, com base no que sentimos na alma. Se, no entanto, conseguimos penetrar e perceber o espírito daquela pessoa, enxergaremos a real situação e o julgamento atingirá o verdadeiro alvo. Lembre-se do que Paulo escreveu em 1 Coríntios 2:15 – “Porém o homem espiritual discerne todas as coisas, mas ele mesmo não é discernido por ninguém”.

Um tal Simão, mágico, após ter ouvido o Evangelho do Reino e a respeito do nome de Jesus Cristo, por intermédio de Filipe, abraçou a fé; e, tendo sido batizado, acompanhava Filipe de pert. (versículos 9 a 13). Com a vinda de Pedro e João, de Jerusalém para Samaria, Simão observou que as pessoas recebiam o Espírito Santo quando os apóstolos impunham as mãos sobre elas. Aproximando-se dos apóstolos ofereceu dinheiro para obter tal poder e aprender a realizar aqueles feitos. Note que, até aqui parece que a ação de Simão foi boa, não foi? Ele quis oferecer dinheiro aos apóstolos porque não estava acostumado com as coisas de Deus e viu a autoridade que havia sobre os apóstolos. E ele disse: “Concedei-me também a mim este poder, para que aquele sobre quem eu impuser as mãos, receba o Espírito Santo”vs 19. Ele reconheceu aquele poder. Seu pedido pareceu uma boa idéia.

Mas Pedro, penetrando profundamente no coração e espírito de Simão, lhe deu uma advertência correta dizendo: “O teu dinheiro seja contigo para perdição, pois julgaste adquirir por meio dele o dom de Deus. Não tens parte nem sorte neste ministério, porque o teu coração não é reto diante de Deus. Arrepende-te, pois, da tua maldade, e roga ao Senhor; talvez que te seja perdoado o intento do coração; pois VEJO que estás em FEL DE AMARGURA e laço de iniqüidade”vss. 20 a 23.Note que Pedro lida com o espírito de Simão, não apenas com as suas ações. Pedro nos deu um exemplo muito bom aqui.

Jesus também tinha esta capacidade de saber o que se passava nos espíritos e corações das pessoas: “E, sabendo ele (Jesus) o que se lhes passava pelo espírito, disse-lhes: Todo reino dividido contra si mesmo ficará deserto e casa sobre casa cairá”; Lucas 11:17.

Com um pouco de percepção também nós podemos ver se o intento das pessoas que nos indagam é adquirir conhecimento a respeito de algo ou se querem simplesmente nos “jogar para escanteio”. As pessoas estão fazendo perguntas não porque querem as respostas. Outros, porém, fazem muitas perguntas, mas seus espíritos estão abertos para o Senhor, não há nelas um fel de amargura, estão honestamente buscando as respostas.

Pessoas distintas podem nos interrogar com o mesmo tipo de pergunta, mas seus espíritos e intenções podem ser completamente diferentes. Uma delas pode ter um fel de amargura em seus corações e só quem está atento pode discernir e perceber. Você percebe, pela conversa dela, que há uma amargura brotando de seus espíritos. Esta amargura vem à tona quando as pessoas começam a repetir os fatos, tentando passar uma falsa idéia de algo. Porém, uma outra pessoa vem conversar e você percebe que não tem amargura em seu espírito.

Duas pessoas podem passar por situações e circunstâncias difíceis em suas vidas e, no entanto, uma delas pode não carregar amargura em si, apesar da outra, na mesma situação, ter acumulado amargura. (Reveja a Palavra: “Amargura será o seu futuro?”, baseada na história de Noemi e Rute - ambas passaram pela mesma situação, a perda de um ente querido, sendo que Noemi ficou amargurada e Rute não; Rute 1:20. O amor resgatador de Boaz e o amor perseverante de Rute por sua sogra, Noemi, a restaurou e curou de toda a amargura; Rute 4:13-17).

Estando com o espírito reto a pessoa não retém amargura pelos fatos que passou. Ela pode ter ficado nervosa e chateada na época em que aconteceu o incidente com ela, mas não retém a amargura em seu coração. O caso do mágico Simão mostra que ele indagou os apóstolos de uma maneira honesta, ele queria ser capaz de realizar “aquele truque, aquela mágica” – impor as mãos para as pessoas receberem o Espírito Santo. Aparentemente não havia maldade em suas intenções. Todavia, seu espírito não estava reto diante de Deus. Atrás de tudo havia algo bem mais profundo: um fel de amargura bem escondido, no mais íntimo do seu espírito.

É impressionante como há pessoas que escondem sua amargura, tão bem escondida, que é muito difícil detectá-la. Às vezes isso acontece em um casamento. Uma mulher vem para igreja, ela é “doce”, gentil, mas, na verdade, no profundo do seu coração, ela é muito amargurada com relação a como as coisas se conduziram em sua vida.

Você também percebe isso nos maridos. A carta de Paulo aos Colossenses 3:19diz: “Maridos, amai a vossas esposas, e não as trateis com amargura”. Porque a amargura é algo que pode crescer e, de repente, naquele casamento, pode haver um “verniz” de tolerância. A amargura é algo que se aloja no profundo do coração, no espírito das pessoas.

As famílias devem ser analisadas desta maneira, porque tenho visto muitas famílias realizar tarefas no Corpo não com um interesse ou dedicação, mas “porque elas têm que fazer aquilo”. Não é uma dedicação pura ao Senhor, pois, no fundo, há uma crítica e uma rebeldia. Não há um amor profundo naquela família, apesar dos jargões e entonação de voz. Aparentemente está tudo certo. Mas se você examinar mais profundamente naquela família, não há um amor sincero e profundo, mas você perceberá que há uma raiva contida, um fel de amargura que só se detecta com um exame muito minucioso do espírito.

A primeira coisa, a mais importante, é localizar onde está a amargura. As Escrituras diz, em Provérbios 14:10 – “Cada coração conhece a sua própria amargura, e não há quem possa partilhar sua alegria”. Isso é uma verdade. Há uma maneira de nós detectarmos esta amargura escondida no coração, uma amargura que nós acumulamos em nossos próprios espíritos.

Percebemos que as pessoas que retrocederam em seu caminhar com o Senhor, não o fizeram por causa dos problemas, mas por causa da maneira como reagiram aos problemas. A reação do espírito das pessoas àqueles problemas é que as fizeram retroceder, abandonando seu caminhar com Deus. Podemos tentar justificar a atitude delas, mas, muitas vezes, foi a amargura que estava em seus corações que determinava uma reação dentro delas, por causa das circunstâncias que estavam passando.

E há pessoas que passaram pelas mesmas situações difíceis que aquelas outras, mas com um espírito reto, uma reação correta diante do Senhor. Elas oraram ao Senhor para que Ele usasse aquelas circunstâncias como um catalisador para que preparassem os seus espíritos para avançarem em coisas mais profundas. Estas pessoas buscaram o Senhor de todo o seu coração. Elas reagiram com um espírito reto diante de Deus e da situação. Você vê, isso é muito, muito importante.

Portanto, não desfaleça quando o Senhor o açoitar. Porque Ele faz isso com os filhos a quem ama e recebe (Hebreus 12:10-13). O importante não são as circunstâncias pelas quais nós passamos; mas a reação de nosso espírito àquela circunstância, que se torna o verdadeira problema (Tiago 1:2-4, 12). Não importa como seu irmão o trate, ou o que quer que seja, mas a sua relação com Deus.

Tudo isso não está restrito aos novatos da igreja. Pode ocorrer no coração de ministérios que já atuam há bastante tempo. A amargura pode aumentar em seus corações. A amargura começa a crescer no coração delas quando observam que outras pessoas ou famílias estão rompendo ou avançando em Deus (foi o que aconteceu com Saul, em relação a Davi; 1 Samuel 18:6-11). Perguntamos: Por que isso acontece? É algo que está dentro delas, em seus espíritos.

O ser humano reage baseado no quebrantamento do espírito ou no quanto está amarguradoNão importa a severidade das circunstâncias, mas como seu espírito reage àquelas circunstâncias. Este é um ensinamento muito importante.

Você vê que muitas pessoas passam por problemas difíceis, mas não ficam amarguradas, pois a amargura não estava em seus espíritos. Enquanto outras passam por situações em que a amargura vai crescendo em seus corações. De repente, elas se levantam e começam a criticar os outros.

A amargura também pode se manifestar numa pessoa que se torna muito defensiva - em seguida ela começa a julgar as demais e culpar as pessoas pelas circunstâncias de sua vida.

Sacrifícios agradáveis a Deus são o espírito quebrantado; coração compungido e contrito, não o desprezarás, ó Deus... Perto está o SENHOR dos que têm o coração quebrantado e salva os de espírito oprimido”.(Salmo 51:17 e 34:18). “Bem-aventurados os humildes de espírito, porque deles é o reino dos céus”Mateus 5:1.

O Reino só virá para aqueles que conseguem se quebrantar no espírito, ter um coração contrito diante do Senhor. O Reino é dos humildes de espírito, dos que choram, dos mansos, dos limpos de coração e dos perseguidos por causa da justiça. O Senhor nos dará toda a visão do Reino e daquelas pessoas que estão lá fora, prontas para serem trazidas para dentro do Reino, com este espírito reto vindo à luz.

O espírito errado nunca tem uma revelação completa das coisas do Reino, porque é dirigido rumo a um impasses. Ele tem uma visão curta (é um míope espiritual) das coisas de Deus, e do Senhor Jesus Cristo e da maneira como Ele reinará em todo o mundo. Porque a coisa sempre termina naquele nível pessoal e local. Um espírito errado não consegue ver adiante. É isso o que Pedro falou: “Pois aquele a quem estas coisas não estão presente é cego (míope), vendo só o que está perto, esquecendo-se da purificação dos seus antigos pecados”2 Pedro 1:9. As pessoas tinham uma visão curta, não vendo adiante e se esqueceram do que Deus fez por elas. Pedro fala que há uma abundância reservada para aqueles que vivem o Reino: “Pois, desta maneira é que vos será amplamente suprida a entrada no reino eterno de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo”vs 11.

Há muita sabedoria neste ensinamento que você está ouvindo. Você pode aplicá-lo de mil formas, na situação em que você está passando. E também pode ajudar em situações que outras pessoas têm passado; você poderá ajudá-las e assistí-las

Satanás sabe que a única maneira de fazer uma pessoa retroceder em seu caminhar com o Senhor é atingindo-a em seu espírito.

Nós estamos entrando na esfera do espírito e saindo da esfera da alma. O mundo está falando muito sobre a alma humana; mas esqueça isso. Nós estamos, agora, na esfera do espírito. Esta é a era que está se abrindo para nós agora, a era do espírito. Agora, como nós podemos perceber a diferença?

A era, ou dispensação da alma, foi muito mais religiosa. Mas o nível do espírito humano começa a se abrir e se descortinar para nós. Precisamos, portanto, conhecer melhor as coisas espirituais e sobrenaturais: “Irmãos, quanto às coisas espirituais, não quero que vocês sejam ignorantes”1 Coríntios 12:1.

Quando o Reino dos Céus foi pregado por João Batista, as pessoas reagissem no nível físico, assim como as pessoas faziam no Antigo Testamento. O que aconteceu com João Batista foi que a sua cabeça foi cortado. Percebe? Aconteceu algo muito no nível físico e natural. Colocaram os discípulos nas prisões, bateram neles e os apedrejaram. Naquela época as pessoas ainda reagiam naquele nível físico.

Mas, em seguida, Paulo advertiu sobre o que estava acontecendo na Era da Igreja. Ele disse: “não se enganem, nossa luta não é contra carne e sangue, não é contra os soldados romanos, mas contra principados e potestades, nas regiões celestiais”. É atrás destas coisas que nós estamos e são elas que devemos derrotar. Hoje estamos mais conscientes disso do que antes. Veja: o mundo, hoje, acredita mais na feitiçaria e coisas sobrenaturais do que antes. As pessoas estão conscientes do mundo da alma, mas também estão conscientes do mundo do espírito.

Tendo entrado nesta nova “era do espírito”, o que vai determinar se vamos de fato caminhar com Deus é o nosso espírito: “Disse-lhe Jesus: Mulher, podes crer-me, que a hora vem, quando nem neste monte, nem em Jerusalém adorareis o Pai... Mas vem a hora, e já chegou, quando os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e em verdade; porque são estes que o Pai procura para seus adoradores. Deus é espírito; e importa que os seus adoradores o adorem em espírito e em verdade”João 4:21-24. Entende? Estamos em um novo momento, o tempo de uma nova dispensação.

Na dispensação do Antigo Testamento prevalecia o nível físico: os judeus tinham que amarrar a Palavra na testa e no punho, circuncidar o físico, adorar em Jerusalém, Canaã era uma promessa física, etc. Agora é chegado o DIA DO ESPÍRITO. Paulo escreveu: “Esqueçam disso, não é a circuncisão, mas é a circuncisão do coração, no espírito, o que conta”Romanos 2:29; Gálatas 6:15 e Filipenses 3:3Paulo queria levar seus ouvintes a um novo nível, o nível do espírito, sendo espirituais. É o espírito (coração) que precisa ser circuncidado. Queremos pessoas que realmente irão caminhar com o Senhor e serví-Lo em seus espíritos: “Porque nós é que somos a circuncisão, nós que adoramos a Deus no Espírito, e nos gloriamos em Cristo Jesus, e não confiamos na carne”Filipenses 3:3. “Porque Deus, a quem sirvo em meu espírito...”Romanos 1:9a.

Eu falei tudo isso para mostra uma coisa a você. Quando o inimigo, Satanás, quiser te atingir, pode fazê-lo fisicamente, também pode atingi-lo em suas emoções (na alma), mas seu grande objetivo é atingir o seu espírito, até que você perca suas faculdades.

Por isso, antes de tomar uma aspirina, para melhorar da dor de cabeça, sonde seu espírito primeiramente, para tentar descobrir a origem daquela dor. Antes de tomar um remédio, talvez seja melhor você primeiro discernir a opressão que pode estar vindo sobre o seu espírito e a maneira como estas dores de cabeça estão vindo (2 Reis 4:18-20).

Você percebe que a força que controla e determina tudo, nesta nova dispensação, é o espírito da pessoa? Então você será derrotado, se permitir que as coisas que estão vindo sobre você produzam amargura em seu espírito. É por isso que pessoas que vieram para este caminhar espiritual com Deus passaram a ter conflitos no nível do espírito. Deus é Espírito; importa que O adoremos como tal. Esta é a grande marca desta nova dispensação, desta nova era.

O rompimento virá, agora, de Espírito para espírito. O Senhor irá atingir profundamente as profundezas de nossos espíritos: “Porque a palavra de Deus é viva, e eficaz, e mais cortante do que qualquer espada de dois gumes, e penetra até ao ponto de dividir alma e espírito, juntas e medulas, e é apta para discernir os pensamentos e propósitos do coração. E não há criatura que não seja manifesta na sua presença; pelo contrário, todas as coisas estão descobertas e patentes aos olhos daquele a quem temos de prestar contas.” (Hebreus 4:12, 13).

O que temos que analisar agora é o que está acontecendo no espírito da pessoa, não as circunstâncias físicas e aparentes. Quando descobrirmos o que está acontecendo no profundo do espírito e coração de uma pessoa, então, todas as outras coisas na vida daquela pessoa podem ser explicadas. Podemos libertá-la completamente e definitivamente. Mas, se tentar analisar as coisas apenas do ponto de vista natural e físico, sem penetrar no profundo do espírito dela, não se terá uma revelação do que realmente está acontecendo. Você já notou que Jesus parece, muitas vezes, não responder às reais perguntas que as pessoas O faziam? Ele conhecia seus espíritos e corações, e falava naquele nível.

Muitas vezes o físico das pessoas está sendo atingido por coisas que saem ou brotam de seus espíritos. O que faz mal ao homem é o que brota de seu coração e espírito (Mateus 15:15-20). Vejo pessoas que têm sido opressas nos seus espíritos. Elas têm passado por opressão e, semana após semana, dia após dia, elas aparecem com sintomas diferentes em seu físico. Um dia é uma gripe, outro é a dor de garganta, depois o osso que dói, desânimo, insônia e coisas deste tipo. “Não, acho que agora é o rim”. Um espírito de enfermidade pode vir e atingir muitas coisas. Mas, geralmente, ele começa atingindo o espírito da pessoa para que ele tenha acesso às outras partes do corpo: sua alma (emoções) e assim por diante. Se um espírito deste atinge você, você pode interpretar os fatos de forma distorcida.

A amargura em seu espírito fará com que você veja as coisas de uma forma totalmente errada. Você não verá nem avaliará as coisas corretamente. Alguém diz para você: “Oi, tudo bem?”. E se seu espírito está reto, você responde: “Oi, tudo bem!”. Mas se você está sendo atingido em seu espírito, o seu julgamento pode ser muito imparcial e pensar daquela pessoa: “Como assim? O que ele quer dizer com: Tudo bem?” Você interpreta aquilo de uma maneira completamente errada porque normalmente é uma questão do que está escondido no seu espírito.

Os dons podem vir no nível do espírito ou no nível da alma. Pouca gente entende o fato de que os pentecostais e carismáticos receberam (e ainda recebem) o Espírito Santo no nível da alma, semelhante ao que aconteceu à igreja em Corinto - Eles eram carnais e se moviam em divisões, preferências, discórdias e ciúmes. Moviam-se no nível da alma, embora manifestassem os dons do Espírito (1 Coríntios 3:1-4). Há muita emoção envolvida neste nível de revelação.

As revelações puras de Deus, no entanto, vêm quando as recebemos no nível do espírito, pelo Espírito Santo. Deus não fala à alma tão claramente quanto fala ao nosso espírito.

Aquilo que você é na alma é completamente diferente do que você é no seu espírito; são quase que duas entidades diferentes. O espírito humano pode ser muito objetivo; mas é muito difícil a alma humana ser objetiva. Vou tentar dá uma ilustração disso.

Os cientistas estão tentando estudar a linguagem dos animais e dos peixes. Eles estão tentando se comunicar com as baleias e golfinhos. Os peixes estão aprendendo a ouvir e nós também estamos aprendendo a ouvir o que os peixes estão tentando transmitir. O que estou querendo ilustrar é que Deus pode tentar produzir um som como o de um peixe, ele pode produzir o som como o de uma alma, mas a linguagem natural de Deus é espiritual, Espírito falar a espírito: “O Espírito de Deus testifica com o espírito humano”, é o que Paulo falou em Romanos 8:16.

E quando o espírito humano está quebrantado diante do Senhor, é fantástico como o Senhor, no seu interior, o faz ouvir sabedoria. Quando o espírito da pessoa está reto diante de Deus, os seus ouvidos estão abertos, a revelação vem, para receber dEle. “Porque assim diz o Alto, o Sublime, que habita a eternidade, o qual tem o nome de Santo: Habito no alto e santo lugar, mas habito também com o contrito e abatido de espírito, para vivificar o espírito dos abatidos e vivificar o coração dos contritos”. (Isaías 57:15). “Eis que te comprazes na verdade no íntimo e no recôndito me fazes conhecer a sabedoria...”. (Salmos 51:6). Mas, quando estamos no nível da alma, há sempre algo a ser discernido e revelado.

Estou tentando mostrar a importância de manter o espírito reto diante de Deus e o quanto é mortal a amargura.

“Segui a paz com todos e a santificação, sem a qual ninguém verá o Senhor, atentando, diligentemente, por que ninguém seja faltoso, separando-se da graça de Deus; nem haja alguma RAIZ DE AMARGURA que, brotando, vos perturbe, e, por meio dela, muitos sejam contaminados; nem haja algum impuro ou profano, como foi Esaú, o qual, por um repasto, vendeu o seu direito de primogenitura. Pois sabeis também que, posteriormente, querendo herdar a bênção, foi rejeitado, pois não achou lugar de arrependimento, embora, com lágrimas, o tivesse buscado.” (Hebreus 12:14-17).

Por esta passagem de Hebreus pode-se perceber o que a amargura faz com o espírito humano. A amargura é como uma raiz e é algo que contamina. Por ser uma raiz, você pode pensar em cortar aquela raiz, mas pode ainda ficar uma pequena parte daquela raiz no profundo do seu espírito, que começará a crescer novamente. É muito necessário que você atinja no profundo, na raiz, destrua completamente e seja completamente limpo e purificado daquela “raiz de amargura”. Porque, através dela, muitas pessoas ao redor podem ser contaminadas.

A amargura passa de espírito para espírito. E isso é alarmante no Reino, pois abrimos o coração uns para os outros e somos um. A unidade no Corpo tem efeitos positivos, pois podemos abençoar uns aos outros e ministrar o amor de Cristo uns aos outros. Nesta unidade do Corpo pode fluir bênçãos, mas também há o perigo de sermos atingido ou contaminado com a amargura.

Uma injeção de veneno numa só parte do Corpo ou num só órgão acaba se espalhando por todos os outros órgãos ou partes saudáveis. Percebe? Nós temos que fazer algo mais do que simplesmente tentar manter as pessoas na igreja e dizer a elas: “Deixem suas maldades”. Mas teremos que penetrar profundamente naquilo que existe no profundo do espírito daquelas pessoas.

Apocalipse descreve a Babilônia como sendo um espírito que produz fornicação com os reis da terra. A Babilônia vem com um espírito de sedução e adultério. A raiz desta manifestação vem com o espírito humano, é Satanás agindo naquele nível do espírito humano. É interessante você observar que as pessoas que seguem religiões pagãs e adúlteras - que se prostituem espiritualmente com espíritos malignos - acabam praticando, também, fornicações na carne. Veja, tudo começa no espírito. Isso é o que Paulo fala em Romanos 1:18-27. A idolatria e prostituição espiritual levam as pessoas à prostituição e fornicação física. Há grupos oferecendo sexo religioso, como meio de adoração a Satanás. Também o sexo acaba sendo uma manifestação da “queda” do espírito humano. E o espírito de fornicação pode contaminar a muitos: “Um pouco de fermento levada toda a massa” - essa verdade pode ser aplicada tanto positivamente como negativamente.

O que Deus realmente quer de você? “Ah, que eu me comporte bem. Que eu faça isso e aquilo”. Está tudo certo, mas sem falar nesta questão do controle do seu comportamento, da sua conduta, o que realmente Deus está buscando? Ele está buscando um espírito quebrantado diante dele, um coração contrito e abatido. Se você tiver um espírito quebrantado diante do Senhor, todas as coisas se resolverão por si mesmas.

 A passagem de 2 Timóteo 2:24ss. mostra que “o serve do Senhor não deve viver a contender, mas ser brando para com todos, apto para instruir, paciente... para que os que se opõem venham a conhecer plenamente a verdade...”. A ordem não é receber o conhecimento da verdade e depois se arrepender, mas o contrário. Você se arrepende para conhecer plenamente a verdade. Porque, com um espírito errado, ninguém pode ter revelação ou ver de maneira correta.

Continuando, no versículo 26: “... mas também o retorno à sensatez, livrando-se eles dos laços do diabo, tendo sido feitos cativos por ele, para cumprirem a sua vontade”. Eu quero explicar a vocês que, se há um espírito errado, você fica preso, adormecido.

Quero trazer para vocês uma ilustração, baseada em estudos científicos, a respeito de abelhas, vespões e aranhas. Alguns tipos de vespas e de aranhas têm a capacidade de picar um inseto paralisando-o, o inseto fica em um estado de dormência. Aquele inseto fica preso nas teias da aranha por algum tempo, imóvel, paralisado. As aranhas e vespões fazem isso para, quando nascem seus filhotes, estes terem alimento para se alimentar de um inseto vivo. De maneira instintiva, os seus filhotes devorar aquele inseto, comendo primeiramente as partes não vitais, deixando as partes vitais para o final. Isso faz com que eles tenham algo vivo para se alimentar durante todo o tempo.

Estou ilustrando algo aqui. É isso que Satanás faz. Ele mantém as pessoas cativas para fazerem a sua vontade. Satanás pode atingir uma pessoa em seu espírito e ela é colocada em um estado de dormência total, sem poder fazer nada, como um aleijado, sem ação e sem nenhuma atitude.

É por isso que o servo do Senhor deve ser brando para com todos, paciente com aqueles que estão em oposição a ele. Nunca indo sobre a pessoa que está errada e se opondo de uma forma agressiva, porque isso não trará nenhum bem. Disciplinando o que está errado, com mansidão, conduzindo a situação com habilidade, para trazer a pessoa a um lugar de arrependimento, para não perder a vítima imobilizada por Satanás.

Esta questão de ajudar pessoas, às quais Satanás tem atingido profundamente em seus espíritos, é algo muito complicado. Você não pode começar apenas com a superfície das coisas, mas terá que alcançar o espírito daquelas pessoas, descobrindo o que está no profundo de seus corações.

Em todo o decorrer do relacionamento de Deus com a humanidade nunca houve tanto derramamento de revelação e luz quanto temos recebido nestes últimos dias. Temos que andar na luz como Ele está na luz; e o Seu sangue nos purifica de todo pecado (1 Jo 1:7). Quem não anda na luz perde a imunidade, a luz começa a se transformar em trevas; a pessoa entra em dormência espiritual e vai ser assaltada em qualquer momento por Satanás. Depois essa pessoa não tem forças para nada, nem para sair da igreja; fica ali estagnada, não sendo nem abençoada, nem amaldiçoada. É melhor que ela corrija seu espírito diante de Deus.

A amargura pode levar você a um estado de paralisação e dormência. Algo que é realmente contaminador, uma raiz maligna. A amargura é muito enganadora. Simão não percebia em que estado estava o seu espírito, antes que Pedro o advertisse. Por isso, é preciso certificar-se de que seja o que for que você faça, esteja sendo feito com o espírito reto diante de Deus. “Todos os caminhos do homem são puros aos seus olhos, mas o Senhor pesa o espírito”Provérbios 16:2.

Gostaria que vocês entendessem que há pessoas confusas por natureza; que reclamam, mas o problema pode não estar no profundo do seu espírito. Não é aquilo que elas querem dizer, realmente. Entende? Uma coisa é simplesmente murmurar e outra é ter uma murmuração inserida no profundo do espírito da pessoa e é aí que a contaminação começa a agir. No Antigo Testamento vemos que um espírito de murmuração veio sobre Israel.

“Acaso, pode a fonte jorrar do mesmo lugar o que é doce e o que é amargoso? Acaso, meus irmãos, pode a figueira produzir azeitonas ou a videira, figos? Tampouco fonte de água salgada pode dar água doce. Quem entre vós é sábio e inteligente? Mostre em mansidão de sabedoria, mediante condigno proceder, as suas obras. Se, pelo contrário, tendes em vosso coração inveja amargurada e sentimento faccioso, nem vos glorieis disso, nem mintais contra a verdade. Esta não é a sabedoria que desce lá do alto; antes, é terrena, animal e demoníaca. Pois, onde há inveja e sentimento faccioso, aí há confusão e toda espécie de coisas ruins. A sabedoria, porém, lá do alto é, primeiramente, pura; depois, pacífica, indulgente, tratável, plena de misericórdia e de bons frutos, imparcial, sem fingimento. Ora, é em paz que se semeia o fruto da justiça, para os que promovem a paz.” (Tiago 3:11-18).

Este texto está falando a respeito de pessoas. Pessoas não podem proferir benção e maldição da mesma fonte de seu coração. A amargura, a inveja, o sentimento de facção e ambição pessoal são altamente suicidas.

O Antigo Testamento mostra o que ocorre como uma pessoa que se afastou e se tornou amargurada. Deus sempre teve sua mão pronta para julgar esta questão da amargura. É muito difícil uma pessoa ser restaurada deste espírito de amargura. Pois a amargura contamina a fonte e cresce mais e mais.

“Não é somente convosco que faço esta aliança e este juramento, porém com aquele que, hoje, aqui, está conosco perante o SENHOR, nosso Deus, e também com aquele que não está aqui, hoje, conosco. Porque vós sabeis como habitamos na terra do Egito e como passamos pelo meio das nações pelas quais viestes a passar; vistes as suas abominações e os seus ídolos, feitos de madeira e de pedra, bem como vistes a prata e o ouro que havia entre elas; para que, entre vós, não haja homem, nem mulher, nem família, nem tribo cujo coração, hoje, se desvie do SENHOR, nosso Deus, e vá servir aos deuses destas nações; para que não haja entre vós raiz que produza erva venenosa e amarga ...”; (Deuteronômio 29:14-18).

Você entende? “Erva venenosa e amarga”, uma amargura venenosa, o fel (veneno) da amargura. É disso que a passagem está falando. E continua:

“... ninguém que, ouvindo as palavras desta maldição, se abençoe no seu íntimo, dizendo: Terei paz, ainda que ande na perversidade do meu coração, para acrescentar à sede a bebedice. O SENHOR não lhe quererá perdoar; antes, fumegará a ira do SENHOR e o seu zelo sobre tal homem, e toda maldição escrita neste livro jazerá sobre ele; e o SENHOR lhe apagará o nome de debaixo do céu. O SENHOR o separará de todas as tribos de Israel para calamidade, segundo todas as maldições da aliança escrita neste Livro da Lei.” (versículos 19 a 21)

Isto é muito forte. Um homem com aquela amargura venenosa em seu espírito, afastou seu coração do Senhor. E o Senhor disse: “Colocarei sobre ele toda a maldição e não desejarei nunca perduá-lo, mas colocarei sobre ele toda a maldição e calamidade”. Isso aconteceu no Antigo Testamento, mas hoje há algo melhor reservado para nós.

Hoje estamos no dia do espírito e deve significar, acima de tudo, que nosso coração deve estar reto e quebrantado diante do Senhor. Vamos manter nossos corações com toda a diligência, pois de nossos corações procederão as fontes da vida (Provérbios 4:23). É lá, em nossos corações, que todas as coisas são resolvidas.

A defensiva é simplesmente uma atitude de uma pessoa com o espírito errado, não é? Que o Senhor nos perdoe por causa disse. O servo do Senhor deve ser manso, pronto para ajudar aqueles que estão adormecidos, mantidos cativos por Satanás.

2 Reis 2:18-22, mostra que as águas de Jericó estavam contaminadas, todas as coisas abortaram: Os animais morreram, as árvores frutíferas abortaram. Então, quando o sal foi colocado na água, a terra começou a se tornar frutífera novamente. Não há frutificação em uma igreja ou na vida de um cristão onde há amargura. Se a amargura nos vencer, seremos estéreis e não haverá frutificação. Mas vamos colocar sal na água amarga e vamos nos regozijar no Senhor, vamos ser frutíferos na Terra.

O que você é no espírito, estabelece todo o curso de sua vida. Por isso, compreendam o valor desta Palavra. O seu caminhar com Deus depende da maneira como seu espírito está diante dEle. Por isso, não deixe nenhum veneno de amargura entrar em seu espírito.

Oração:

Hoje é um dia de cura e libertação, em que o Senhor nos liberta de toda amargura e passamos a reagir abrindo o nosso espírito para Ele. Pedimos perdão por ter contaminado o Corpo com as nossas reações passadas. Nós nos recusamos a ficar culpando alguém ou qualquer coisa. Nós vamos andar com o Senhor e ver tudo mudado. O povo de Deus deve ser curado, pois não há frutificação numa igreja onde há amargura.

Pela graça e misericórdia do Senhor, vamos ser livres de qualquer coisa em nossos espíritos, de qualquer fel de amargura. Busque ao Senhor com uma fé muito simples. Eu quero estar quebrantado, humilde diante do Senhor. Nos limpa, Senhor, de qualquer sujeito que tenha saído do meu espírito e contaminado alguma pessoa. Perdoa-me, Senhor, pelas minhas reações.

Senhor, da-nos o ministério de cura, para curar o Seu povo desta amargura. O povo deve ser curado. Liberta-nos, Senhor. Que haja uma libertação.

Senhor, unja as nossas mentes para que nunca nos esqueçamos desta Palavra. Lembra-nos desta Palavra continuamente, porque muitos dos problemas que têm derrotado algumas igrejas e relacionamentos serão sarados por esta Palavra. Amarramos este ensinamento aos nossos corações. Esta Palavra é uma fonte de libertação, é um sal posto nas fontes de nossos corações, e que nos torna fontes saudáveis. Colocamos o machado na raiz, na raiz de toda amargura e nos libertamos completamente deste veneno satânico.

O Senhor nos fez vê a verdade no íntimo, e nos alegramos por esta Sabedoria e verdade que nos liberta. Seu Espírito nos enche de graça, para andar nesta Palavra.

Fita do Mês de Agosto 2005

Reino net

 

voltar para Cura e Libertação

left show tsN fwR normalcase|left tsN fwR uppercase bsd b01s|left show fwR uppercase bsd b01s|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase b01 bsd|login news fwR uppercase c05|tsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase bsd b01|content-inner||